Agricultura Urbana e a Revolução dos Baldinhos

certificada 2011

Instituição
Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo (CEPAGRO)
Endereço
Rodovia Admar Gonzaga, 1348 - CCA/UFSC - Itacorubi - Florianópolis/SC
E-mail
bartaburujavier@gmail.com
Telefone
(48) 3334-3176
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Marcos José de Abreu(48) 3334-3176marcos@cepagro.org.br
Sofia Silva Lemos(48) 9908-7814sofia.ecosan@gmail.com
Resumo da Tecnologia

A "Revolução dos Baldinhos" é um projeto sócio-ambiental de agricultura urbana e gestão comunitária de resíduos orgânicos. É a sensibilização para coleta e transformação dos resíduos em adubo pelo processo de compostagem. É realizado pelos jovens da comunidade para melhoria da saúde das famílias.*{ods2},{ods3},{ods12},{ods13}*

Tema Principal

Meio ambiente

Tema Secundário

Alimentação

Problema Solucionado

Essa ideia surgiu para solucionar um problema grave de infestação de ratos e seus agravos, como problemas de doenças e até a morte de pessoas. O projeto "Revolução dos Baldinhos e Agricultura Urbana" amenizou o grave problema de contaminação de doenças pelo manejo incorreto do lixo. Através da gestão comunitária de resíduos e da compostagem, foi reduzido o número de doenças, higienizaram-se as ruas, e estimularam-se a agricultura urbana e o envolvimento comunitário. As comunidades que são assistidas vivem em áreas periféricas de Florianópolis, onde a migração é muito intensa, concentrando grande número de famílias em situação de pobreza. Todo esse processo gera sérios problemas como: -desqualificação profissional; -desemprego; -baixo índice de escolaridade; -desnutrição; -desestruturação familiar e degradação ambiental. Esta tecnologia social trouxe soluções para tais problemas, pois, mais que a higienização das ruas e melhoria da saúde da população, o programa integra jovens infratores, produz alimentos saudáveis através da agricultura urbana, promove a articulação comunitária e a ciclagem dos nutrientes, solucionando questões sócio-ambientais.

Objetivo Geral

Garantir a valorização de resíduos orgânicos através da compostagem e o desenvolvimento da agricultura urbana para a promoção da qualidade de vida.

Objetivo Específico

-Gerar trabalho e renda na comunidade, em paralelo à educação ambiental, com o gerenciamento do projeto e o manejo consciente de composto orgânico; -Capacitar agentes comunitários para que eles possam realizar o trabalho de sensibilização (por meio de visitas às famílias, coleta dos resíduos e instrução para utilizá-los); -Diminuir a incidência de ratos na comunidade e, conseqüentemente, as doenças e mortes causadas por estes vetores; -Promover a articulação comunitária através do envolvimento das instituições públicas, sociedade civil e moradores que conjuntamente participam do processo; -Promover a agricultura urbana a partir da transformação dos resíduos em composto (adubo orgânico), produzindo, assim, alimentos com boa qualidade e garantindo a segurança alimentar e nutricional das famílias envolvidas; -Promover a conscientização ambiental da comunidade quanto aos resíduos e sua valorização; -Servir como modelo de gestão comunitária e descentralizada de resíduos.

Solução Adotada

A metodologia deste trabalho é resultado de uma experiência de dois anos, aliada a didáticas de projetos de extensão, baseadas em alguns métodos indicados por Paulo Freire. A exclusividade desta metodologia é a participação de agentes locais desde o momento de estruturação do projeto até as atividades de coleta, sensibilização e transformação do resíduo por compostagem. O projeto preza também o respeito e a autoconfiança da comunidade (com a divulgação do trabalho, por exemplo), mostrando a representatividade deste trabalho e dos agentes que o constroem perante a sociedade. Em resumo, busca-se o empoderamento social e a autonomia dos agentes. Outro fundamento é a capacitação técnica plena dos agentes, que se dá por meio de oficinas e reuniões. Cria-se, ao se articularem esses fundamentos, uma identidade na gestão de resíduos do bairro, que potencializa os moradorers enquanto agentes comunitários transmissores da tecnologia. As famílias participantes ganham baldinhos com tampa para separarem o lixo orgânico (os baldinhos são vedados para evitar o contato com vetores) e, quando cheios, elas os levam até os PEVs (Pontos de Entrega Voluntários), que são bombonas distribuídas pela comunidade, conforme necessidade de cada conjunto de casas. A coleta dos PEVs com resíduos orgânicos acontece duas vezes por semana, com quatro agentes comunitários e um carrinho de mão, designados a coletar as bombonas. O destino é o pátio de compostagem, onde os resíduos são colocados em leiras estáticas e misturados com a proporção adequada de palha e serragem, ativando a compostagem termofílica. Por fim, lava-se as bombonas para devolvê-las aos PEV’s. Para estas etapas acontecerem sistematicamente, não podem faltar os insumos e os agentes capacitados. Através de oficinas de compostagem e agricultura urbana, são capacitados educadores, famílias, gestores públicos e os agentes comunitários. Após o tratamento dos resíduos orgânicos, é produzido o adubo, disposto em hortas comunitárias e quintais, que ficam nas escolas e pequenos espaços das famílias, para plantio de hortaliças, plantas medicinais e ornamentais. Esse trabalho de plantio é executado com auxílio das agentes comunitários, capacitados pelos técnicos do Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo (CEPAGRO). O diferencial dessa metodologia é a participação direta e efetiva da comunidade. Hoje consolidamos uma maneira de trabalhar que, durante esses dois anos de atuação, foi lapidada por técnicos, jovens da comunidade e parceiros diretos do projeto, sendo a equipe técnica formada exclusivamente por essas pessoas.

Resultado Alcançado

Os benefícios e impactos deste projeto acontecem localmente e globalmente. Localmente, são beneficiadas diretamente 100 famílias com a coleta dos resíduos orgânicos, aproximadamente 500 pessoas, quatro unidades escolares (escolas e creches), aproximadamente 600 pessoas entre crianças e educadores, quatro instituições do bairro que atendem crianças, com aproximadamente 500 pessoas. Somados, serão em torno de 1600 pessoas beneficiadas diretamente. Os impactos estão na diminuição dos ratos com a coleta do resíduo orgânico e a posterior produção de adubo. Mais ou menos 300 toneladas de resíduos orgânicos já foram transformados em adubo, produzindo alimentos orgânicos, plantas medicinais e ornamentais, usado como base para as hortas escolares e quintais das famílias. Indiretamente, todo o bairro Monte Cristo, com seus quase 30 mil habitantes, foi beneficiado. Globalmente, o projeto agrega enquanto experiência de gerenciamento comunitário de resíduos e contribui para a reutilização do lixo orgânico. Esse modelo de gestão de resíduos está sendo repassado, por exemplo, à prefeitura municipal de Florianópolis, com o intuito de ampliá-lo para outras comunidades e até mesmo para todo o município. Foram instalados 15 Pontos de Entrega Voluntária (PEVs) para serem coletados mensalmente 10 toneladas de resíduos orgânicos, que serão transformados em três toneladas de adubo orgânico. Eles suprem a necessidade de 25 quintais, quatro hortas escolares e um espaço comunitário. Foram empregados quatro jovens que eram infratores, e agora trabalham na sensibilização da comunidade e no processo de compostagem e plantio das hortas. Nesse sentido, cabe ressaltar que esse trabalho de gestão comunitária de resíduos traz como resultado a melhora da autoestima do lugar também, além da melhora na saúde e segurança alimentar.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Florianópolis / Santa CatarinaChico Mendes01/2008
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Lideranças Comunitárias
Famílias de baixa renda
Outro (Especificar no campo Solução Adotada)
População em geral
Quantidade: 20
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
Engenheiro Agrônomo2
Agentes Comunitários4
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

-45 bombonas de 50 litros; -100 baldes com tampa de 15 litros; -Um carrinho para transportar as bombonas; -150 adesivos para baldinhos e bombonas; -50 placas para os PEVs; -100 camisetas; -1000 folhetos do projeto; -Um terreno de aproximadamente 400 metros quadrados (m2) para realizar a compostagem; -Um escritório para guardar os equipamentos e fazer as capacitações e as reuniões; -Um carro com espaço para deslocar materiais necessários (o carro usado é uma caminhonete); -Quatro pás; -Quatro enxadas; -Seis garfos; -Seis luvas; -Seis botas; -Materiais com necessidade mensal: -10 fardos de palha; -10 sacos de serragem; -Quatro bolsas de estágio para os técnicos; -16 litros de gasolina; -Um salário mensal para o técnico agrônomo.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Como consta, com todos os materiais acima referidos, mais as bolsas dos agentes comunitários, técnico e estagiário, colocando o gasto com pátio de compostagem, mais a parte adiministrativa, soma um total de 74.450,00 reais por um ano de projeto.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Creche Chico MendesAuxiliam no apoio diário aos jovens e atividade disponibilizando espaços físicos, profissionais de apoio e até mesmo alimentação e alguns materiais.
Creche Mateus de BarrosAuxiliam no apoio diário aos jovens e atividade disponibilizando espaços físicos, profissionais de apoio e até mesmo alimentação e alguns materiais.
Centros de Educação Continuada Chico Mendes e Novo HorizonteAuxiliam no apoio diário aos jovens e atividade disponibilizando espaços físicos, profissionais de apoio e até mesmo alimentação e alguns materiais.
Escola América Dutra MachadoAuxiliam no apoio diário aos jovens e atividade disponibilizando espaços físicos, profissionais de apoio e até mesmo alimentação e alguns materiais.
Casa Chico MendesAuxiliam no apoio diário aos jovens e atividade disponibilizando espaços físicos, profissionais de apoio e até mesmo alimentação e alguns materiais.
Cooperaçòes Internacionais (IAF, Misereor)Contribuem na construção de propostas para apoiarem o Projeto com pagamento de pessoal, aquisisção de materiais, divulgação e insumos.
Caixa Economica FederalContribuem na construção de propostas para apoiarem o Projeto com pagamento de pessoal, aquisisção de materiais, divulgação e insumos.
Sec. Municipal de Habitação e SaneamentoContribuem na construção de propostas para apoiarem o Projeto com pagamento de pessoal, aquisisção de materiais, divulgação e insumos.
IComContribuem na construção de propostas para apoiarem o Projeto com pagamento de pessoal, aquisisção de materiais, divulgação e insumos.
Instituto VonparContribuem na construção de propostas para apoiarem o Projeto com pagamento de pessoal, aquisisção de materiais, divulgação e insumos.
CESEContribuem na construção de propostas para apoiarem o Projeto com pagamento de pessoal, aquisisção de materiais, divulgação e insumos.
ComcapContribuem na construção de propostas para apoiarem o Projeto com pagamento de pessoal, aquisisção de materiais, divulgação e insumos.
EletrosulContribuem na construção de propostas para apoiarem o Projeto com pagamento de pessoal, aquisisção de materiais, divulgação e insumos.
Impacto Ambiental

-Melhora na qualidade de vida, graças à diminuição de ratos e outros vetores; -Produção de adubo orgânico; -Mais higiene, plantas e saúde dentro das casas.

Forma de Acompanhamento

Acompanhamento diário por técnicos do CEPAGRO e estagiários. Além dessa assessoria, que busca formação da comunidade e autonomia do projeto, são realizadas reuniões semanais para saber quais foram os problemas, resultados alcançados e para decidir soluções em conjunto. Os principais fatores de avaliação utilizados são o número de famílias e como são as participações. Há também um questionário e visitas aos participantes para contruir dados estatísticos capazes de avaliar o projeto.

Forma de Transferência

A divulgação do projeto acontece em mídias como jornais, programas de televisão, camisetas, placas na comunidade e vídeos disponíveis na Internet, além de divulgação em oficinas ministradas. "Agricultura Urbana e a Revolução dos Baldinhos" participa de eventos de grande relevância, até mesmo internacionais. Uma das propostas de disseminação é apresentar oficinas do projeto e realizar a prática da coleta seletiva e compostagem em eventos para sensibilização dos participantes. Os técnicos e estagiários envolvidos são multiplicadores e transmitem à administração pública esta nova forma de gerir os resíduos. Publicam-se também, para estudo e divulgação, artigos científicos sobre a experiência. Tudo isso com objetivo de ensinar para reaplicar o projeto em outras comunidades

Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Matéria que saiu no jornal Notícias do Dia sobre o projeto "Agricultura Urbana e a Revolução dos Baldinhos"Baixar
Reportagem explicativa sobre o projeto no jornal Notícias do DiaBaixar
Publicação sobre o projeto no jornal de SC.Baixar
Publicação sobre o projeto no jornal de SC.Baixar
Folder do projeto associado com o projeto ARESPBaixar
Folder do projeto associado com o projeto ARESPBaixar
Placa dos PEVsBaixar
Reportagem explicativa sobre o projeto no jornal Diário CatarinenseBaixar
Grupo de agentes comunitários envolvidos no projetoBaixar
Grupo de agentes comunitários envolvidos no projeto 2Baixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

O objetivo do projeto é transferir essa forma de gestão de resíduos para outras comunidades de baixa renda, para melhoria da vida das famílias, como ocorreu na Comunidade Chico Mendes. Ser uma tecnologia social certificada pelo Banco do Brasil é também fortalecimento para o projeto, pois ele ainda necessita de apoio financeiro e institucional para garantir sua autonomia e ampliação.