Água Sustentável: Gestão Doméstica de Recursos Hídricos

finalista 2011

Instituição
Instituto de Permacultura: Organização, Ecovilas e Meio Ambiente
Endereço
DF 250, Km 08, Ch. Santa Rita - Sobradinho dos Melos - Brasília/DF
E-mail
eduardo@ipoema.org.br
Telefone
(61) 8117-4776
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Claudio Rocha dos Santos Jacintho(61) 8168-9898claudiocj@hotmail.com
Resumo da Tecnologia

Tecnologia integrada que visa a conservação dos recursos hídricos por meio de soluções locais e ecoeficientes. Os elementos implantados são planejados de forma a solucionar três necessidades fundamentais das habitações humanas: o abastecimento de água e de alimentos e o saneamento.*{ods6}*

Tema Principal

Recursos Hídricos

Problema Solucionado

Com o observado aumento sistemático da população do Distrito Federal, pode-se esperar o agravamento da situação de estresse hídrico, dada a atual taxa de utilização da capacidade total de abastecimento dos sistemas produtores de água da região de 67,67% (CAESB, 2002). Além disso, a não utilização do potencial de reuso dos esgotos aponta para um enorme custo energético evitável, visto que cerca de 73% da água distribuída pela rede de abastecimento retorna como esgoto. É preciso acrescentar que, apesar da possibilidade de comprometimento da oferta de água potável, o esgoto é, em sua maioria, lançado in natura nos cursos de água ou tratado de forma precária, produzindo alterações na flora e fauna aquáticas e agravando o desperdício de água com potencial de reutilização. O reuso indireto já é praticado no Brasil (uma vez que o esgoto é lançado em um curso de água em que, posteriormente, será feita a captação), está prática, porém, tem provocado a poluição dos mananciais, uma vez que o esgoto não é tratado adequadamente e, em muitos casos, nem mesmo é tratado.

Objetivo Geral

Gestão doméstica dos recursos hídricos a partir de uma visão sistêmica baseada em: - Geração e difusão de metodologias e tecnologias baseadas no uso racional da água; - Promoção do reuso da água e destinação adequada dos resíduos e poluentes; - Promoção de atividades educacionais.

Objetivo Específico

- Conservação dos recursos hídricos por meio da gestão doméstica de uso sustentável da água; - Implantação de tecnologias apropriadas para captação e armazenamento de água da chuva, tratamento ecológico e reuso de águas servidas; - Recuperação e conservação do solo e criação de ambientes ecologicamente funcionais e produtivos.

Solução Adotada

A tecnologia social proposta implica na implantação de um sistema de captação e armazenamento de água de chuva, fossa ecológica (bacia evapotranspiradora) para tratamento de água negra (esgoto) e um sistema ecológico (círculo de bananeira) para tratamento de água cinza (servida por pias, chuveiros e etc.). Por ser apropriada, a tecnologia proposta não necessita de mão de obra especializada, requerendo apenas materiais com baixo custo relativo e de fácil acesso no mercado, além de reaproveitar materiais reciclados de diferentes origens. Tais condições permitem que a aplicação da tecnologia seja feita em distintos contextos socioeconômicos e ambientais. A chave para a sustentabilidade da tecnologia são as conexões entre os elementos implantados e os ciclos ecológicos que se fecham como consequência das relações estabelecidas. A água da chuva, um recurso que é perdido caso não seja aproveitado, é captada pelos telhados das edificações e armazenada em tanques de ferro-cimento, sendo ofertada novamente na forma água potável para essas mesmas edificações. Águas utilizadas em sanitários, ralos de chuveiros, pias e tanques são separadas para o tratamento em água cinza e negra. Os tanques de ferro-cimento para a captação da água da chuva podem ser construídos em diferentes dimensões e são executados por meio de obras rápidas, que gastam pouco e oferecem um produto vital: água potável. Por meio de calhas conectadas aos telhados a água da chuva é captada e direcionada ao tanque. Um sistema simples de cano descarta as primeiras águas com poeira e outros contaminantes. A água é então armazenada no tanque hermeticamente fechado, sendo assim conservada, inclusive, para uso humano direto. Cada unidade pode armazenar de 10 a 100 mil litros de água potável coletada do telhado das edificações e que pode ser consumida inclusive de forma direta uma vez que se trata de água precipitada (destilada) e armazenada em tanques hermeticamente fechados. Para o tratamento do esgoto são construídas bacias subterrâneas, que atuam como filtros biológicos, as chamadas bacias de evapotranspiração. As bacias de evapotranspiração são construídas com a mesma técnica de ferro-cimento, pneus, entulho de obras, brita, areia e terra adubada. Neste sistema, o tratamento do esgoto é realizado pelas camadas filtrantes e o efluente é consumido por plantas, normalmente de folhas largas, como as bananeiras. Com isso o resultado é um jardim produtivo fértil e irrigado durante todo o ano. Os círculos de bananeira - berços de matéria orgânica - solucionam o tratamento da água cinza criando um canteiro para produção de alimentos aliado ao crescimento de árvores e diversas plantas. Nesse sistema, um buraco no solo é dimensionado de acordo com a quantidade de água cinza servida e preenchido com material orgânico de diferentes dimensões, principalmente troncos e galhos grossos de árvores. O berço de matéria orgânica é então cercado por um canteiro adubado onde podem ser cultivadas diversas plantas, dando preferência para bananeiras e árvores que oferecem diversos subprodutos florestais. Durante os processos pedagógicos aplicados na difusão da tecnologia os beneficiários foram capazes de se envolver em diferentes etapas do processo de implantação. Cálculos estruturais e de dimensionamentos são feitos de forma simples e participativa. Trabalhos braçais de construção são apropriados a diferentes idades e gêneros. As plantas escolhidas para compor os sistemas de tratamentos são elencadas pela comunidade se valendo de conhecimento local, sementes crioulas e variedades típicas da região.

Resultado Alcançado

Já foram construídas pelo IPOEMA 25 sistemas de eco saneamento e captação de água da chuva, evitando a contaminação direta de cerca de 160 mil litros de água por ano e armazenando em torno de um milhão de litros de água da chuva. Os resultados alcançados podem ser avaliados localmente e sob um espectro de difusão do conhecimento aplicado, uma vez que, em sua maioria, a tecnologia foi implantada em áreas públicas, escolas de permacultura e sedes de associações e assentamentos rurais. Localmente, cada unidade: - Pode armazenar de dez a cem mil litros de água potável coletada do telhado das edificações e que pode ser consumida durante os períodos de estiagem para cozinhar e até para o consumo direto, uma vez que se trata de água precipitada (destilada) e armazenada em tanques hermeticamente fechados; - A bacia de evapotranspiração cria dois metros quadrados de superfície cultivada com plantas necessárias para tratar o esgoto de uma pessoa e servem de alimento. Além disso, são utilizados na construção do sistema pneus velhos e entulho de obras, contribuindo com a reutilização de materiais; - O círculo de bananeira trata a água cinza, contaminada apenas por detergentes, gorduras e resíduos orgânicos vindos dos chuveiros, pias de cozinha e tanques, por meio das raízes das plantas e de um berço de matéria orgânica. Criando assim um ambiente constantemente fertilizado e irrigado, com condições ecológicas extremamente favoráveis para produção de grãos, tubérculos, frutas, plantas medicinais, flores, madeira e etc. As técnicas que compõem a gestão doméstica de recursos hídricos foram implantadas, em sua maioria, através de projetos socioambientais que beneficiaram comunidades rurais e urbanas, associações civis, escolas públicas e população em geral. Nestes projetos, a construção da infraestrutura e o plantio das áreas sempre foram aliados à processos pedagógicos de aprendizagem ativa, ou seja, por meio de aulas teóricas e práticas em oficinas e cursos. Alguns desses sistemas foram locados em unidades demonstrativas de Permacultura em parques e escolas públicas, beneficiando indiretamente cerca de 3.000 pessoas que entraram em contato com a tecnologia durante os projetos. Nas três Estações permaculturais do IPOEMA, onde tais sistemas já funcionam a mais de cinco anos, cerca de 1.500 visitantes ao ano entram em contato com uma tecnologia aplicada a contextos reais, de famílias vivendo e solucionando de forma sustentável os problemas do cotidiano.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Brasília / Distrito FederalCh. Asa Branca, Núcleo Rural do Tororó01/1999
Brasília / Distrito FederalSítio Tamanduá, Altiplano Leste01/2005
Padre Bernardo / GoiásColônia01/2006
Brasília / Distrito FederalSítio Semente, Núcleo Rural Lago Oeste01/2006
Lago Sul / Distrito FederalJardim Botânico de Brasília01/2009
Lago Sul / Distrito FederalCond. Belv. Green, Jardim Botânico01/2009
Lago Sul / Distrito FederalCond. Prive Mor. Sul, Jardim Botânico01/2009
Brasília / Distrito FederalEscola Classe Jardim Botânico de Brasília01/2010
Brasília / Distrito FederalParque de Uso Múltiplo da Asa Sul01/2010
Maceió / AlagoasNovo Encanto Ecologia, Praia de Ipioca01/2009
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Agricultores Familiares
Quantidade: 150
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
Permacultor1
Educador1
Construtores2
Agricultor1
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Para um tanque de ferro-cimento de 20 mil litros: - 50 metros de tela de viveiro, com um metro de altura; - Cinco telas de ferro 4,2 mm, malha 10 x10 cm, painéis de 2,45 x 6 m; - Sete barras de ferro 4,2 mm; - 40 sacos de cimento - Cinco m³ de areia lavada média; - Quatro quilos de arame recozido; - Dez peças de conexões; - Três tubos de esgoto de PVC de 100 mm, tubo de 6m; - 50 metros de calha; - Três latas de Sika 1 de 18l; - Seis esponjas para reboco; - Seis pares de luvas de borracha. Para uma bacia de evapotranspiração de 15m² de água negra servida por sete pessoas: - 50 metros de tela de viveiro de um metro de altura; - Quatro telas de ferro. Um círculo de bananeiras de três m² para água negra servida por quatro pessoas.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

- Tanque de ferro-cimento de vinte mil litros: R$ 7.000,00; - Bacia de evapotranspiração de quinze metros quadrados: R$ 6.000,00; - Círculo de bananeiras de três metros quadrados: R$ 300,00.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Ministério da Ciência e Tecnologia, Secretaria de Inclusão Social – MCT/SECISPatrocinadora
Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal – CAESBPatrocinadora
Fundação Pró-Natureza - FUNATURAPatrocinadora
Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural – EMAETER/DFParceiro
Estação Ecológica Jardim Botânico de BrasíliaParceiro
Secretaria de Educação do Distrito Federal – Escola da NaturezaParceiro
Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito Federal – IBRAMParceiro
Impacto Ambiental

Esta tecnologia promove impacto ambiental positivo ao transformar o que seriam problemas em soluções, aproveitando recursos. O uso da água da chuva garante o abastecimento familiar mínimo em períodos de seca e diminui a pressão sobre os recursos hídricos locais. A contaminação do solo por sumidouros e fossas sépticas é totalmente eliminada. Os sistemas de tratamento, além de desempenharem função ecológica, atuam como ambientes produtivos.

Forma de Acompanhamento

Uma vez implantados de forma participativa, o acompanhamento dos resultados deve optar por indicadores que também sejam de fácil compreensão e divulgação. A qualidade visual e o sabor da água da chuva armazenada pode ser respaldada por análises de laboratório. As bacias de evapotranspiração preveem canos de inspeção visual, além disso seu funcionamento adequado implica na ausência de odores. O funcionamento do círculo de bananeiras é expresso na produção e fito sanidade das plantas.

Forma de Transferência

A tecnologia é difundida por meio do site, e-mails, redes sociais, palestras, oficinas, cursos, vivências e eventos abertos a comunidade em geral. Os projetos desenvolvidos contam com ações de comunicação e difusão. Por serem apropriadas, as tecnologias poder ser disseminadas na forma de cartilha, folders ou vídeo aulas.

Endereços eletrônicos associados à tecnologia