Aprender Fazendo: Formação de Multiplicadores Comunitários

certificada 2011

Instituição
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa Amazônia Oriental
Endereço
Trav Dr. Eneas Pinheiro, SN - Marco - Belém/PA
E-mail
cesar@cpatu.embrapa.br
Telefone
(91) 3204-1190
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Augusto Cesar da Silveira Andrade(91) 3204-1190cesar@cpatu.embrapa.brComitê de Entidades no Combate à Fome e pela Vida
Resumo da Tecnologia

A tecnologia consiste em uma metodologia para formação de multiplicadores em comunidades de baixa renda junto a serviços e produtos gerados pela Embrapa Amazônia Oriental e parceiros em um sistema produtivo e organizacional.*{ods1},{ods2},{ods3},{ods8},{ods10},{ods12}*

Tema Principal

Alimentação

Tema Secundário

Renda

Problema Solucionado

A princípio, foram levantados os principais entraves que dificultam a instrução de pessoas de baixa renda sobre os serviços e produtos gerados pela Embrapa Amazônia Oriental: - Vagas reduzidas em cursos de capacitação para este público; -Linguagem técnica de difícil assimilação; -Carga horária consolidada, dificultando a participação em virtude das demandas do cotidiano dessas pessoas; - Dificuldade de apropriação das tecnologias, serviços e produtos; - Baixo poder aquisitivo, dificultando o investimento por parte dos moradores.

Objetivo Geral

Estimular a busca pelo conhecimento e a adoção de atitudes e práticas conscientes e cidadãs a partir da formação de multiplicadores comunitários a fim de colaborar com a inclusão social, a preservação ambiental e o desenvolvimento sustentável.

Objetivo Específico

-Formar multiplicadores comunitários para desenvolvimento da agricultura urbana e rural por meio de ação educativa e melhoria de hábitos alimentares; -Transferir tecnologias por meio de demonstração e práticas em unidade demonstrativa na forma de vitrine comunitária; -Promover a economia solidária entre comunidades; -Promover ações de respeito ao meio ambiente com ênfase no aproveitamento de resíduos sólidos.

Solução Adotada

Como solução dos problemas foi construída uma agenda de capacitações para formação de multiplicadores comunitários de acordo com as necessidades levantadas nas comunidades. Os multiplicadores atuam como consultores e capacitam outros moradores a partir de uma linguagem de fácil entendimento. A carga horária dos cursos é distribuída em dias ou períodos alternados. A capacitação é continuada com a implantação e condução de vitrine comunitária nas comunidades, possibilitando a propagação de material para produção nos quintais. A produção pode ser comercializada, a partir da economia solidária, funcionando como alternativas de geração de renda. As etapas da metodologia, descritas a seguir, são realizadas de forma participativa, identificando necessidades, potencialidades e alternativas locais: -Formação do Comitê Gestor: é formado por representantes da comunidade envolvida, técnicos da Embrapa Amazônia Oriental, do Comitê de Entidades no Combate à Fome e Pela Vida (COEP), de instituições parceiras e dos responsáveis pelos grupos de trabalho. Articula e realiza atividades de capacitação, instalação e manutenção de vitrines comunitárias e implementação da economia solidária bem como a identificação de demandas, acompanhamento dos trabalhos e avaliação dos resultados; -Formação dos Grupos de Trabalho: os grupos de trabalho, formados pelos moradores, conduzem as atividades para implantação da vitrine comunitária, capacitação de outros comunitários e implementação da economia solidária. A formação dos grupos de trabalho é baseada na convicção de que toda pessoa é capaz, de que as pessoas desenvolvem diferentes capacidades e de que as pessoas oprimidas têm interesse em superar o seu status de grupo menos favorecido; -Capacitação de Multiplicadores Comunitários: consiste em cursos e treinamentos para formação dos multiplicadores comunitários. Os participantes são capacitados a partir de aulas teóricas de curta duração e aulas práticas de longa duração por meio de atividades de implantação, manutenção e manejo de unidades demonstrativas. Os multiplicadores são responsáveis pela realização de oficinas para outros moradores das comunidades a fim de transferir o conhecimento recebido. Há a preocupação de utilizar uma didática com uma linguagem que seja de entendimento dos participantes; -Vitrine Comunitária: a vitrine comunitária é composta por arranjos produtivos e funciona como um laboratório vivo na comunidade, para realização de eventos de capacitação dos moradores, além de possibilitar a produção e disseminação de materiais para que pequenas unidades produtivas multipliquem-se nos quintais. As datas e os horários para as atividades de capacitação e condução da vitrine comunitária são programadas levando-se em consideração a rotina da comunidade, proporcionando uma maior participação dos comunitários. -Economia solidária: a economia solidária proporciona a organização da comunidade em torno do trabalho coletivo, desenvolvendo formas de geração de renda. Os comunitários solidários se organizam em sistemas de autogestão, onde todos são responsáveis pelo empreendimento, todos decidem em conjunto e se beneficiam igualmente dos frutos gerados pelo mesmo. A economia solidária pode ser promovida na comunidade e a partir da cadeia de comunidades.

Resultado Alcançado

-O uso da tecnologia social proporcionou a capacitação de 639 multiplicadores comunitários, num total de 496 horas de capacitação; -Atuação nos municípios de Belém, Abaetetuba, Porto de Moz, Barcarena, Ananindeua, Aurora do Pará e região insular de Belém (Pará); -Três contratos sociais formalizados; -3.807 visitantes recebidos nas unidades demonstrativas e de capacitação a partir de eventos socioambientais; -Contribuição para o conhecimento dos assuntos abordados a partir de seis estágios e quatro trabalhos de conclusão de curso, 13 clipping de jornais e internet e nove clipping de rádio e televisão; -Publicação de uma cartilha e de cinco resumos distribuídos em dois simpósios nacionais e dois internacionais; -Envolvimento de 18 entidades, que potencializaram os resultados; -Sete unidades de capacitação; -Coleta seletiva de mais de 11 toneladas de resíduos sólidos; -Residências e propriedades familiares com produção de hortaliças, plantas condimentares, mel, composto orgânico e galinha caipira para consumo e geração de renda; -Premiações estadualis e regionais: 7° Prêmio Professor Samuel Benchimol/Prêmio Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente e Prêmio Crea-PA Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Os multiplicadores capacitados são responsáveis pela realização de oficinas e pela instalação de unidades demonstrativas nas próprias comunidades. Essas ações possibilitam a produção de material de propagação para a multiplicação de pequenas unidades produtivas nos quintais urbanos e peri-urbanos. A produção destas unidades gerou uma receita de cerca de R$ 15.000,00 (quinze mil reais).

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Belém / ParáUtinga/Patanal e Paraíso Verde01/2009
Ananindeua / ParáÁguas Lindas/Comunidade Aurá01/2009
Porto de Moz / ParáResex Verde Para Sempre01/2010
Abaetetuba / ParáDistrito de Beja / Comunidade do Castelo01/2010
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Agricultores Familiares
Alunos do ensino básico
Alunos do ensino médio
Alunos do ensino superior
Famílias de baixa renda
Lideranças Comunitárias
População em geral
Professores do ensino básico
Professores do ensino fundamental
Professores do Ensino Médio
Professores do Ensino Superior
Quantidade: 100
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
Equipe técnica8
Multiplicadores Comunitários20
Integrantes de Associação(Diretoria)2
Outros moradores da comunidade30
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

- Material de consumo: sombrite, adubo orgânico, sementes, papel A4, caneta, lápis, bloco de notas, recipientes plásticos, pincel, entre outros; -Recursos locais: resíduos orgânicos para compostagem, varas de madeira, solo (terra preta), folhas de palmeira, sementes de espécies florestais, resíduos sólidos, fibras, entre outros; -Equipamentos e outros materiais: enxada, carro-de-mão, pá, ancinho, terçado, mangueira plástica, martelo, prego, plástico, prensa de papel, cortador de papel, impressora, computador, entre outros.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

-Pessoal (custo indireto): R$ 5.000,00; -Material de consumo: R$ 9.000,00; -Equipamentos e outros materiais: R$ 18.000,00.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Comitê de Entidades no Combate à Fome e Pela Vida (Coep)Comitê Gestor - Desenvolvimento Comunitário
Centro Comunitário Passagem Cruzeiro UnidosAssociativismo/Economia Solidária
Comunidades Pantanal e Paraíso VerdeMultiplicadores Comunitários
Comunidade do CasteloMultiplicadores Comunitários
Associação dos Recicladores das Águas LindasColeta seletiva, reaproveitamento e reutilização de resíduos
Emater-PAAssistência Técnica
Tramontina S/A - ParáFomento
Universidade Federal Rural da Amazôniasuporte pedagógico
Universidade Federal Rural da Amazôniaformação de multiplicadores comunitários
Impacto Ambiental

A tecnologia tem impacto direto a partir da socialização de conceitos de gestão ambiental, da mudança de comportamento em relação ao meio ambiente, da racionalização do uso de materiais e recursos (água e energia) e do reaproveitamento de resíduos, além de fortalecer as relações e parcerias com instituições e com o terceiro setor, aqui representado por associações de catadores de lixo e recicladores.

Forma de Acompanhamento

O principal mecanismo de avaliação é feito a partir da análise do grau de assimilação do conhecimento, de atitudes e práticas que reflitam o empoderamento individual e coletivo.

Forma de Transferência

A tecnologia vem sendo utilizada e multiplicada a partir do Núcleo de Responsabilidade Socioambiental da Embrapa Amazônia Oriental (Nures), principalmente na formação de multiplicadores comunitários. Ocorre também a reaplicação praticada de forma não monitorada observada durante a atuação espontânea dos multiplicadores formados que atuam na capacitação de integrantes de outras entidades e de outras comunidades, fortalecendo o relacionamento comunitário e formando o que chamamos de “rede de multiplicadores comunitários”.

Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Tecnologia social para agricultura urbana - 1download
NuresBaixar
Tecnologia social para agricultura urbana - 2download
Agenda de cursosBaixar
Prosa Ruraldownload
capacitacao3Baixar
Depoimento Livre

Os moradores das comunidades são capacitados - em técnicas de reaproveitamento e reciclagem de resíduos sólidos, otimização do uso de recursos, compostagem e produção de hortaliças e plantas condimentares, criação de abelhas indígenas sem ferrão, criação de aves, produção de raízes e grãos- e tornam-se multiplicadores comunitários e passam a treinar novas comunidades formando assim uma rede de capacitação comunitária. Os multiplicadores também são responsáveis pela instalação de unidade demonstrativa, para realização das aulas práticas, além de possibilitar a produção de material de propagação para a multiplicação de pequenas unidades produtivas nos quintais. As ações são executadas a partir de três componentes: Capacitação Continuada, Vitrine Comunitária e Economia Solidária.