Aprimorando o manejo tradicional de açaizais nativos

certificada 2007

Instituição
Associação Paraense de Apoio as Comunidades Carentes (APACC)
Endereço
Travessa 07 de Setembro nº 150 - São Benedito - Cametá/PA
E-mail
franquiagri@gmail.com
Telefone
(91) 3781-2062
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Elizeth Marques de Souza(91) 3781-2062zethsouza@yahoo.com.br
Franquismar Maciel de Souza(91) 3781-2062franquiagri@yahoo.com.brSkype: franquismar marciel de sousa
Ruivan Xavier Alves(91) 3781-2062ruivanxalves@yahoo.com.br
Resumo da Tecnologia

Multiplicação de conhecimentos em relação ao manejo sustentável e agroecológico de açaizais nativos, na busca da preservação ambiental e geração de renda para famílias de agricultores e agroextrativistas.*{ods8},{ods13}*

Tema Principal

Meio ambiente

Tema Secundário

Renda

Problema Solucionado

A TS objetivou solucionar os seguintes problemas e suas consequências: - Queda de frutos antes de sua maturação gerando quedas acentuadas na produtividade; - Falta de controle do sombreamento do açaizeiro que seca os frutos na maturação provocando perda na produção; - Extração desordenada do palmito que causa desequilíbrio ambiental na floresta diminuindo a capacidade de regeneração dos açaizais; - Contato dos frutos com animais e solo no momento de colheita gerando perda de qualidade dos frutos; - Não aproveitamento da matéria orgânica que causa agravamento na infertilidade do solo; - Dependência de atravessadores para venda do açaí que provoca a instabilidade do preço do produto; - Aplicação inadequada dos recursos de crédito do Fundo Constitucional do Norte - FNO1: assessoria técnica insuficiente e inadequada, desvalorização das práticas e saberes tradicionais, substituição dos açaizais nativos por plantios em monocultura.

Objetivo Geral

Contribuir para o resgate do equilíbrio natural da floresta visando uma produção satisfatória e de boa qualidade, incrementando a renda das famílias do campo e a educação ambiental no Território da Cidadania do Baixo Tocantins.

Objetivo Específico

Reduzir os problemas técnicos e ambientais existentes na produção do açaí; Implementar práticas inovadoras de manejo de açaizais nativos, valorizando os saberes locais das comunidades; Diversificar a produção a partir do manejo de açaizais nativos; Reforçar a prática do saber fazer das comunidades, aprimorando os conhecimentos dos sujeitos locais para manutenção da biodiversidade; Preservar o meio ambiente através da educação ambiental.

Solução Adotada

A partir da identificação dos problemas, discutiu-se com os ribeirinhos a introdução de unidades experimentais de manejo de açaizais nativos. Para tanto, seria necessário primeiramente comprovar a eficácia das técnicas de manejo para resolver os problemas identificados. A experimentação foi desenvolvida junto com as atividades de formação teórica, tendo uma subsidiado a outra. Elas foram realizadas junto a grupos de agricultores familiares e agroextrativistas interessados e tiveram como foco a inovação dos métodos de produção e de comercialização do açaí. Os experimentos foram implementados visando a reconstrução do equilíbrio natural da floresta, de forma a combinar o alcance de níveis de produção satisfatórios e de boa qualidade com a capacidade de regeneração ecológica do ecossistema, garantindo assim maiores níveis de sustentabilidade econômica à atividade. Esse processo baseou-se em metodologias que primavam pelo intercâmbio e troca de experiências entre agricultores, agroextrativistas, e destes com os técnicos, isto é, valorizando os saberes tradicionais. Diferentes formas de manejar os açaizais foram debatidas em oficinas de dois dias de duração. Essas atividades criaram ambientes fecundos para que houvesse a interação entre os conhecimentos das próprias famílias/comunidades com os conhecimentos acadêmicos dos educadores técnicos. As atividades de manejo, planejamento e avaliação das áreas experimentais foram e são realizadas em regime de mutirão, método esse que proporcionou ricos momentos para a troca de experiências e saberes entre técnicos e agricultores, agricultoras e agroextrativistas envolvidos. Os conhecimentos adquiridos nas pequenas áreas manejadas em caráter experimental segundo manejos inovadores foram fundamentais nesse processo de formação. A grande novidade nas propostas de manejo em experimentação foi que elas não se limitaram a alterar as práticas de condução dos açaizeiros, mas abrangeram também o conjunto das espécies da floresta que interagiam positiva ou negativamente sobre o desempenho produtivo da palmeira. Desta forma podemos destacar o envolvimento das comunidades através dos seus saberes para que os resultados fossem satisfatórios. As comunidades através de uma Rede de Agricultores Multiplicadores de Conhecimentos Agroecológicos continuam de forma participativa e cotidiana a realização do manejo de açaizais como uma Tecnologia comprovada, que hoje vai além de experimentar para algumas comunidades, mas sim como uma forma sustentável de produção, geração de renda e preservação ambiental.

Resultado Alcançado

As propostas de manejo agroecológico dos açaizais testadas pelos grupos locais apresentaram resultados muito positivos no que se refere ao enfrentamento dos principais problemas técnicos identificados no diagnóstico, e podemos citar os seguintes resultados: O sombreamento adequado dos açaizeiros e o equilíbrio ecológico proporcionados com as práticas de manejo fizeram que os problemas da Peca e da Seca desaparecessem; A fertilidade dos solos foi reconstruída em função dos maiores volumes de matéria orgânica depositados no sistema; O período de produção do açaí foi prolongado em 2 e até 3 meses, encontrando-se açaí na maior parte do período da entressafra; Aumento do número de cachos por touceira e melhoria na qualidade dos frutos; A extração desordenada do palmito deixou de existir, sendo a extração realizada somente a partir do manejo; Organização das comunidades para comercialização por meio de cooperativas locais com discussões de certificação e envolvimento de outras organizações no debate sobre o manejo sustentável e comercialização do açaí; Os efeitos na percepção das famílias sobre o papel da floresta também são dignos de destaque, e de sua autoestima. Para elas o cuidado com a floresta é uma condição para que seus próprios meios de vida sejam preservados; Aumento de 80% de áreas de açaizais nativos manejadas; Aumento em 275% da produtividade do açaí passando de 160 para 440 latas por hectare; Aumento em 200% da renda dos agroextrativistas por hectare, passando de R$ 5,00 a lata, via atravessador, para R$ 10,00 via cooperativa; A prolongação do período da produção traz uma renda a mais às comunidades; o açaí no período de entressafra alcança até R$ 50,00 a lata; As agências de financiamento (Bancos) desenvolvem créditos de custeio valorizando esta Tecnologia.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Cametá / Pará01/2000
Limoeiro do Ajuru / Pará01/2001
Oeiras do Pará / Pará01/2005
Mocajuba / Pará01/2005
Igarapé-Miri / Pará01/2008
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
Participantes do grupo das comunidades escolhidas25
Educador técnico (com conhecimentos sobre Agroecologia e manejo agroecológico de açaizais)1
Agricultores multiplicadores sobre a realização dos manejos.3
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

- 1 Barco (deslocamento) para áreas de ilhas e/ou 1 moto para áreas com acesso a várzeas altas próximo das áreas de terra firme; - 1 Computador com impressora; materiais de escritório para monitoramento e arquivamento das avaliações das unidades de produção e acompanhamento das unidades nas comunidades; - 1 caderneta de anotações; - Equipamento de manejo das áreas como: terçados, machados, foices, botas, sendo no mínimo 3 unidades de cada; - Equipamentos básicos para colheita e comercialização do açaí: 2 lonas plásticas, 10 basquetas, 1 balança de no mínimo 30 kg.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Entre R$ 500,00 e R$ 800,00 para implementação de 1 unidade de manejo sustentável de açaizais nativos, conforme a situação da área a manejar, incluindo mobilização das comunidades, diagnósticos, materiais de consumo (alimentação, combustível) Remuneração Pessoal Técnico R$ 1.649,81/mês

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Sindicato de Trabalhadores Rurais dos municípios de implementaçãoapoio na articulação das comunidades, debates sobre organização da produção e comercialização junto às cooperativas
Cooperativa Agrícola Resistência de Cametáorganização da produção e comercialização
Associação das Casas Familiares Rurais de Cametá, Oeiras do Pará, Mocajubaapoio ao processo formativo e capacitação em formas de manejo sustentável
Prefeitura Municipal de Cametáa Secretaria Municipal de Agricultura tem cedido 1 técnico em Agropecuária para a APACC no apoio às capacitações, acompanhamento e assessoria
Prefeitura Municipal de Limoeiro do Ajururealização de festivais do açaí valorizando a produção e comercialização local
Associação de Microcrédito Popular e Solidário de Cametáapoio ao crédito rotativo para custeio ao manejo de açaizais
Cooperativas de Fruticultores do Baixo Tocantinsdebate sobre certificação orgânica e comercialização do açaí, valorizando a produção e geração de renda
Fecafes - Federação das Cooperativas da Agricultura Familiar do Estado do Paráarticulação de mercados e incentivo à comercialização organizada sem a necessidade de atravessadores
Associação Agroextrativista dos Moradores do Ajó, município de Cametáincentivo à organização da produção, ao associativismo, geração de renda e ação social
Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (Governo Federal)incentivo à comercialização da produção da agricultura familiar e melhoria da segurança e soberania alimentar
Articulação Nacional de Agroecologia Regional Amazôniavalorização e intercâmbio de experiências e divulgação
Impacto Ambiental

- Preservação de espécies nativas e manutenção da biodiversidade local; - Preservação das matas ciliares das áreas manejadas e reflorestamento das mesmas; - Repovoamento das áreas de manejo de açaizais através de espécies em extinção; - Melhor utilização da matéria orgânica proporcionada pelo manejo como forma de adubação orgânica; - Equilíbrio natural do ecossistema local entre o manejo e a produção.

Forma de Acompanhamento

Visitas dos educadores técnicos às propriedades dos agricultores e agroextrativistas realizando avaliação na própria área de trabalho, ou seja, comparativo entre áreas manejadas e não manejadas para análise e avaliação dos resultados obtidos para multiplicação em outras áreas da comunidade, outras comunidades e municípios. Os resultados são sistematizados e avaliados também na equipe de educadores técnicos, em pequenas oficinas e reuniões com agricultores multiplicadores.

Forma de Transferência

A implementação de novas áreas é geralmente realizada por meio de mutirões com apoio dos agentes multiplicadores que já possuem conhecimentos práticos e teóricos adquiridos em suas próprias áreas de produção e, em oficinas de capacitação tanto em questões técnicas, de organização e metodológicas assessoradas pela APACC. Esta Tecnologia pode ser realizada em outras localidades tanto com a metodologia onde agricultores/as multiplicam os conhecimentos como através de educadores técnicos ou conforme as especificidades locais; é de fácil multiplicação e com metodologias participativas fica fácil a compreensão. Dispomos de vídeos retratando a metodologia.

Depoimento Livre

“Produzir de maneira Sustentável, com Educação Ambiental, Gerando Renda, Segurança e Soberania Alimentar e multiplicando conhecimentos é um dos nossos compromissos.”