Barragem Subterrânea com Lonas Plásticas

vencedora 2009

Instituição
Cooperativa de Serviços Técnicos do Agronegócio (COOPAGRO)
Endereço
Rua Coronel Santos, 15 - Lagoa Nova (Conjunto Nova Dimensão) - Natal/RN
E-mail
coopagro@coopagro.coop.br
Telefone
(84) 3231-5252
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
José Edgar Gomes Junior(84) 3231-5252coopagrorn@gmail.comedgar.zhn@gmail.com
Resumo da Tecnologia

A barragem permite o acúmulo de água no subsolo, durante o período chuvoso, para uso por culturas e animais no estio.*{ods2},{ods3},{ods6},{ods15}*

Tema Principal

Recursos Hídricos

Tema Secundário

Alimentação

Problema Solucionado

A área onde se realizou a ação é um Assentamento Rural do INCRA (Assentamento Uirapuru), no município de Tangará–RN, em pleno semiárido. O assentado, Severino Luiz de França, embora dispusesse de uma área de solo fértil (banhado por forte correnteza durante as chuvas) não conseguia utilizá-la racionalmente, por ficar ressequida nos meses de estio. Nessas condições a área se tornava inadequada para cultivos e escavação de fontes d’água para animais e população.

Objetivo Geral

Em termos gerais, a adoção da tecnologia tem por objetivo principal a retenção de água no subsolo, evitando seu deslocamento para áreas distantes e assegurando sua disponibilidade (em quantidade e qualidade) nos períodos de escassez, comuns na localidade.

Objetivo Específico

Em termos de objetivos específicos, os mais diversos, pode-se citar o cultivo de culturas alimentares (inclusive hortaliças) e forrageiras, além de fonte de água para usos vários, especialmente para os animais e humanos.

Solução Adotada

Em abril de 2008 foi construída uma barragem subterrânea, com lona plástica de 200 micra, e extensão de 32 metros, com profundidade variável entre 1,7 e 1,9 metro. Com a barragem foi possível reter água no subsolo e explorar algumas culturas (milho, feijão e capim, entre outras), no início de estio de 2008. A exploração das culturas (em 2008, início do estio) possibilitou a colheita de feijão, milho e capim elefante em um período em que as demais famílias da região não tiveram qualquer cultivo. Além dos mais, o pequeno rebanho da família do lote teve acesso à água e capim desenvolvido na área. A construção da barragem contou com o apoio comunitário de várias famílias (sobretudo parentes do assentado proprietário do lote) na escavação e colocação da lona.

Resultado Alcançado

Em 2008, com o plantio da área úmida da barragem, foi possível a família do proprietário do lote colher 600 kg de milho e 480 kg de feijão, além de capim elefante e nativos para o rebanho bovino.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Tangará / Rio Grande do NorteAssentamento Uirapuru04/2008
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Assentados rurais
Agricultores Familiares
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

O volume de recursos diversos a serem utilizados vai depender muito das dimensões da barragem a ser construída; da natureza do solo de cada área – tipo de solo a ser escavado; profundidade da zona impermeável, o que implicará em escavação mais profunda e mais larga; maior ou menor dificuldade em escavar. Recentemente, a COOPAGRO, utilizando recursos do Prêmio da Fundação Banco do Brasil, construiu cinco barragens no município de Barcelona – RN. O valor de construção (gastos com materiais, escavação mecânica e colocação da lona) girou em torno de R$ 120 (cento e vinte reais) cada metro linear de barragem, com uma profundidade média de 4 metros. As cinco barragens, que totalizaram cerca de 420 metros lineares de lona (e escavação), custaram ao Projeto R$ 50 mil (cinquenta mil reais), aproximadamente. Em áreas de solos pouco profundos e em pequenas dimensões (riachos, rios estreitos), sendo as famílias que escavam o solo, os custos são extremamente reduzidos. Certamente os custos se reduzirão a menos de 25% do valor antes referido. Por exemplo, na barragem construída em 2008 (Tangará – RN), com a participação efetiva das famílias (escavação e colocação da lona), o trabalho foi realizado durante uma semana e custou cerca de R$ 500 em lona e ferramentas manuais – uma barragem com 32 metros de extensão e profundidade variável entre 1,7 e 1,9 metro. Convém destacar que o solo era de fácil escavação.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

média de R$ 120 o metro linear.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
INCRA -
Impacto Ambiental

As barragens subterrâneas tvisam impactos ambientais positivos: aumento de umidade do solo; redução da erosão; criação de melhor cobertura vegetal, notadamente de culturas econômico-sociais. Na Barragem de Tangará, beneficiada pelas chuvas de 2008 (em 2009 e 2010 quase não choveu na área), o impacto positivo foi a oportunidade do cultivo de milho, feijão e capim elefante, e a ocorrência de boa vegetação para pasto. Novos períodos chuvosos provocarão mais impactos ambientais desejáveis.

Forma de Acompanhamento

A maneira mais eficiente de avaliar os resultados da tecnologia é pela constatação da retenção da umidade (por escavação do solo) e pela produção obtida em alimentos diversos, como milho, feijão e forragem, como em 2008. Como nos referimos antes, em 2009 e 2010 não ocorreram chuvas suficientes para assegurar a retenção de um nível satisfatório (elevado até a superfície do solo) de água capaz de proporcionar o desenvolvimento de culturas.

Forma de Transferência

A forma como envolvemos as famílias de Barcelona (Comunidade Formigueiro) para construção das cinco barragens (recém-concluídas) foi: a realização de palestras de sensibilização e distribuição/ discussão do folder elaborado pela Fundação Banco do Brasil por ocasião da premiação de Tecnologia Social/2009. As barragens foram construídas (em Tangará e Barcelona) sempre contando com a orientação de técnicos da COOPAGRO, desde a escolha dos locais até a conclusão das obras, que contaram com a permanente participação dos proprietários rurais e familiares.

Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
apresentação fotos com legendaBaixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

Atualmente, a área da barragem está completamente seca, sem nenhum cultivo, pois, há dois anos praticamente não chove no assentamento. Esperamos que o período chuvoso ocorra a partir de fevereiro/março para repor a água da barragem. A previsão de novos plantios é no início do período de estio (na área da barragem), o que deverá acontecer a partir de junho/2011, quando o nível de água no solo deverá ter se elevado e assegurado a umidade na superfície agricultável.