Boneca da Esperança

certificada 2003

Instituição
Associação das Artesãs de Riacho Fundo
Endereço
Sítio Riacho Fundo, s/n - Zona Rural - Esperança/PB
E-mail
olavoalirio@ig.com.br
Telefone
(83) 3361-3320
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Josiane Masson(11) 3082-8681jmasson@artesol.org.br
Resumo da Tecnologia

A atuação da ArteSol na comunidade de Esperança iniciou em 1999 para resgatar o artesanato de tradição produzido no município como oportunidade de renda no período em que a forte seca impediu o trabalho na lavoura. Esta ação contribuiu para a criação da Associação dos Artesãos de Riacho Fundo.*{ods8}*

Tema Principal

Renda

Problema Solucionado

No povoado do Sítio do Riacho Fundo, na Zona Rural do município de Esperança, no agreste da Paraíba, a 145 km da capital João Pessoa, a única fonte de renda da população (350 famílias) era o trabalho na agricultura, o "alugado", como é chamada a atividade de roçar pastos na região. Essa atividade temporária e irregular depende, sobretudo, das condições climáticas (das chuvas que são raras e fazem o mato crescer no meio das plantações). Dessa atividade, viviam homens e mulheres da comunidade, que ganhavam até R$ 20,00 por semana, até a descoberta do artesanato. Desde a formação da Associação de Artesãos de Sítio Riacho Fundo, em 2000, um grupo de artesãos aprendeu a trabalhar coletivamente para poder incrementar a renda familiar e, hoje, há 23 artesãos associados que produzem cerca de 3 mil Bonecas Esperança por mês, contabilizando vendas no valor de R$ 1.800,00, garantindo o bem estar de suas famílias.

Objetivo Geral

Buscar melhoria na qualidade de vida dos artesãos por meio da expansão da atividade artesanal como fonte de renda.

Objetivo Específico

-Valorizar a identidade cultural e a autonomia dos artesãos, com ações que lhes possibilitem se tornarem protagonistas de seu desenvolvimento -Respeitar as técnicas e saberes tradicionais, com ações que levem mestres-artesãos a transmitir seus conhecimentos aos mais jovens, num diálogo entre gerações -Fomentar a responsabilidade socioambiental com ações que disseminem conceitos de sustentabilidade e promovam o manejo sustentável de matérias-primas, utilizando técnicas e conhecimentos tradicionais e articulando parceiras com institutos de pesquisa ambientais para subsidiar cientificamente essa prática -Disseminar os princípios da economia solidária e comércio justo, com ações que permitam a inserção dos produtos de artesanato de tradição em mercados consumidores mais amplos -Promover o desenvolvimento local sustentável, com ações que rompam com práticas assistencialistas e que efetivamente promovam o desenvolvimento da comunidade nos âmbitos cultural, social, econômico e político

Solução Adotada

Dona Socorro, a mestra, confeccionava bonecas de pano desde os 7 anos, mas as bonecas nunca tinham sido uma fonte de renda para ela. A chegada dos técnicos do Artesanato Solidário em 1999 permitiu que dona Socorro repassasse seu saber a cerca de 50 pessoas. A partir daí, foram realizadas oficinas de capacitação a fim de nivelar o domínio das técnicas artesanais entre os integrantes do grupo, aprimorar o trabalho de confecção das bonecas, formular preço de produtos, organizar o trabalho coletivo e gerir administrativamente o empreendimento. No que se refere à comercialização, o grupo também participou de feiras e eventos relacionados ao artesanato, a fim de divulgar o trabalho e promover a associação. Em 2000, a Associação dos Artesãos de Riacho Fundo foi fundada e contou com o apoio da Prefeitura do Município de Esperança, a qual cedeu o espaço e a reforma de onde hoje é a sede da associação. Paralelamente às capacitações, o grupo enfrentou problemas relacionados à questão de gênero: as mulheres sofriam represálias de seus maridos e os homens discriminavam o trabalho artesanal. Com o passar do tempo, o retorno financeiro e a melhoria nas condições de vida dos artesãos fizeram com que o trabalho do grupo passasse a ser respeitado. Atraídos por tais resultados, a associação passou a contar com homens na produção. Atualmente, com trabalhos consolidados, a Associação de Artesãos de Riacho Fundo é reconhecida nacionalmente com a participação do grupo em feiras e eventos e a divulgação dos produtos na mídia. As Bonecas Esperança também ganharam projeção internacional a partir da associação das bonecas à cadeira Multidão, um dos trabalhos dos irmãos Campana, renomados designers brasileiros. Apesar de efetuar vendas mensais, a Associação pontua que seu principal gargalo é a comercialização de produtos. A fim de encontrar uma alternativa para o gargalo comercial comum entre pequenos produtores de artesanato, a última atuação do Artesanato Solidário/ArteSol junto ao grupo foi entre 2009 e 2010, com o projeto “Empreendedorismo e comércio justo na atividade artesanal no Brasil”, que teve como principal foco a ampliação dos canais de comercialização e a criação da Rede ArteSol pelo Comércio Justo, uma plataforma comercial e de troca de informações formada por 16 associações de artesanato, das quais a Associação dos Artesãos de Riacho Fundo faz parte.

Resultado Alcançado

Hoje há um grupo de 23 artesãos participando da produção de Bonecas Esperança; As mulheres de Esperança envolvidas com a confecção das bonecas sentem orgulho e prazer no que fazem; -Aumento significativo da renda familiar e da capacidade produtiva mensal do grupo. O grupo tem capacidade produtiva de 3 mil bonecas por mês, o que possibilita atender grandes demandas; -A comunidade conseguiu custear melhorias na infraestrutura da comunidade, como calçamento, construção de quatro cisternas e eletrificação rural; -Aquisição de equipamentos (duas máquinas de costura, um telefone celular e um armário); -Projeção nacional e internacional a partir da associação das bonecas à cadeira Multidão, um dos trabalhos dos irmãos Campana, renomados designers brasileiros; -Visibilidade comercial com a ação de marketing social: A Philips realizou uma campanha de marketing social na qual associou um de seus novos produtos, o ferro de passar com conceito sustentável, o modelo RI3620, a uma Boneca Esperança. Na oportunidade do lançamento do produto foram distribuídas bonecas junto com o eletrodoméstico em um evento de moda e, atualmente, a ação continua vigente na rede social Twitter, agora também vinculada à Associação Viva e -Deixe Viver, consistindo na doação de bonecas a crianças e adolescentes em tratamento hospitalar. Sobre os resultados obtidos com a aplicação da tecnologia social nas demais comunidades: - 97 projetos desenvolvidos desde 1998 - 5 mil artesãos envolvidos diretamente - 25 mil pessoas beneficiadas indiretamente - 17 estados contemplados - Resgate de 8 tipologias de artesanato: trançados e cestaria, cerâmica, tecelagem, instrumentos musicais, brinquedos, entalhe em madeira, renda e bordado, artesanato variado. - 5 prêmios de tecnologia social reconhecidos nacionalmente - Referência em artesanato de tradição como Pontão de Cultura - Primeira organização brasileira ligada ao artesanato a receber o selo do Comércio Justo da  WFTO (World Fair Trade Organization) - Criação da Rede ArteSol pelo Comércio Justo - Realização do I Fórum Latino-Americano de Artesãos pelo Comércio Justo em setembro de 2010. - Credenciamento pela UNESCO para integrar o Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial, com direito a participação nas Sessões do Comitê

Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Adolescentes
Adulto
Artesãos
Idosos
Lideranças Comunitárias
Empreendedores
Famílias de baixa renda
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
gestor de projetos: formação superior em Administração Pública ou de Empresas ou em Ciências Sociais.1
consultor de campo: formação superior com experiência em desenvolvimento comunitário (não sendo necessária área específica – equipe multidisciplinar).1 agente local: ensino médio completo, liderança comunitária.4 instrutores especialistas: nas áreas de produto, gestão associativa, formação de preço, relacionamento com o mercado.1
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

R$ 180.000,00 (cento e oitenta mil reais)

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Banco Interamericano de Desenvolvimento -
Instituto Camargo Corrêa -
Accenture -
Ministério do Turismo -
Ministério do Desenvolvimento Agrário -
Ministério da Cultura -
Instituto Banco Société Générale -
Núcleo Oikos -
Instituto Walmart -
SEBRAE/MG -
Impacto Ambiental

A metodologia de trabalho do ArteSol contempla capacitação em educação ambiental e manejo sustentável para que os artesãos, principalmente aqueles que usam fibras e frutos, tenham consciência e saibam manejar corretamente os recursos da natureza, contribuindo com a sustentabilidade de sua região. Como resultado, grupos que trabalham com bananeira utilizam os talos que naturalmente seriam descartados, evitando o apodrecimento dos mesmos e a emissão de gases que potencializam o aquecimento global

Forma de Acompanhamento

Visitas mensais dos técnicos do SEBRAE durante um ano; Contatos comerciais mensais da Central ArteSol; Acompanhamento de Consultores ArteSol em oficinas e atividades desenvolvidas em diferentes projetos do Artesanato Solidário/ ArteSol.

Forma de Transferência

A transferência da tecnologia social vem se dando por meio de diversas formas: - Replicação das ações por meio do desenvolvimento de projetos em novas comunidades detentoras de saber tradicional; - Divulgação dos projetos em comunidades com dificuldades de obtenção de renda; - Abertura das associações para capacitação de novos artesãos, produção e integração da comunidade; - Publicação dos projetos em mídias digitais (sites, catálogos eletrônicos, redes sociais).

Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Lista dos Locais de ImplementaçãoBaixar
BonecaBaixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologia