Brincar para Aprender: O Ser Humano Precisa "Humano" Ser

certificada 2011

Instituição
Escola Estadual de Ensino Médio Irmão José Otão
Endereço
Luis Antunes,807 - Panazzolo - Caxias do Sul/RS
E-mail
saladerecursosotao@gmail.com
Telefone
(54) 3213-2208
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Josseli Lemos Duarte Gitaci(54) 3213-2208jossegitaci@gmail.com
Resumo da Tecnologia

Através de jogos de salão e brincadeiras os alunos são socializados, acarretando em melhoria do desempenho e o desenvolvimento da aprendizagem, do vocabulário e de conceitos matemáticos.*{ods4},{ods10},{ods13}*

Tema Principal

Educação

Tema Secundário

Meio ambiente

Problema Solucionado

Alunos com deficiência possuem algumas limitações e a escola deve estar preparada para atendê-las. As dificuldades apresentadas pela escola no tratamento desta questão também se manifestam na comunidade e na família. Uma escola inclusiva deve apresentar respostas adequadas às necessidades dos alunos portadores de deficiência. Também os professores precisam respeitar estas características, levando em conta as potencialidades de seus alunos e apresentando respostas adequadas a estas questões. O resultado deste processo educacional seria a aprendizagem necessária ao desenvolvimento do aluno. Os professores devem atuar como facilitadores da aprendizagem dos alunos, contando com a ajuda de outros profissionais como: professores especializados em alunos com deficiência, pedagogos, psicólogos, etc.

Objetivo Geral

Socializar e auxiliar os alunos através de brincadeiras, jogos de salão e atividades no computador, viabilizando seu processo de aprendizagem e desenvolvimento do vocabulário e conceitos matemáticos.

Objetivo Específico

- Gerar educação inclusiva, proporcionando a todas as crianças a mesma oportunidade de acesso, permanência e aproveitamento na escola, independentemente de qualquer característica peculiar que apresentem; - Proporcionar aos nossos alunos possuidores de necessidades especiais o direito à educação, ao esporte e ao lazer; - Possibilitar que nossos alunos ajudem aos colegas com necessidades especiais na realização de suas tarefas escolares, produzindo material pedagógico de apoio e acompanhando-os em algumas atividades. Esta atividade proporciona aos nossos adolescentes sua transformação em cidadãos conscientes e sem preconceitos; - Ampliar o reforço escolar através da atuação dos alunos como professores de seus colegas. A atuação de pessoas que utilizam a mesma linguagem e partilham o mesmo professor em sala de aula é de grande auxílio, uma vez que os voluntários conhecem as exigências do professor e conseguem proporcionar aos colegas um desenvolvimento mais adequado dos conteúdos.

Solução Adotada

O método de aprendizagem a partir de brincadeiras visa reforçar o papel do aluno e também do professor como agentes difusores do conhecimento, em especial aos alunos com alguma deficiência. Os alunos podem, às vezes, ser mais eficazes que os próprios professores para ajudar os colegas no desenvolvimento da leitura e ensino de conceitos matemáticos. Isso acontece porque eles têm mais familiaridade com a matéria que está sendo ensinada, compreendem melhor a frustração dos colegas e utilizam vocabulário e exemplos mais adequados à sua idade. Além disso, a aprendizagem por intermédio dos colegas também pode ser positiva às crianças que ensinam, melhorando seu desenvolvimento acadêmico e social.

Resultado Alcançado

Além dos alunos videntes, participaram 17 alunos com deficiência visual (cegos e baixa visão - alunos da escola e da comunidade) das atividades desenvolvidas no projeto. Eles atuaram como voluntários, no desenvolvimento de atividades físicas, na preparação de material pedagógico e como guias em grupos de estudo ou reforço escolar nas disciplinas em que nossos alunos têm mais dificuldades (matemática, física, química). Através de jogos de salão e brincadeiras, os alunos foram socializados, o que refletiu em um melhor desempenho acadêmico. O reforço escolar, realizado por pessoas que utilizam a mesma linguagem e que partilham o mesmo professor, é de grande auxílio. Como os voluntários estão na mesma sala de aula, conhecem melhor as exigências do professor e conseguem ajudar melhor seus colegas no desenvolvimento dos conteúdos. Outro resultado importante alcançado foi a inclusão, em seu sentido pleno. Os alunos com deficiência não estão apenas na escola, eles participam das atividades junto com os demais alunos, havendo uma interação muito importante a todos. Aos alunos com necessidades especiais, o objetivo da escola foi o de demonstrar suas potencialidades, podendo este indivíduo fazer tudo o que um vidente faz (atividades físicas e atividades mentais), não havendo diferenças entre eles. Dispor do material utilizado em sala de aula também foi essencial à melhora do rendimento de todos. Para os alunos videntes, a maior lição a ser aprendida é a solidariedade. A melhoria do rendimento escolar, depois de iniciado o trabalho, foi bastante perceptível. O aprendizado e desenvolvimento do raciocínio lógico através de jogos de xadrez, dominó ou canastra é mais prazeroso do que a atividade de decorar tabuada ou resolver, durante horas seguidas, problemas de matemática ou física. Ouvir música também é muito bom, mas dança-la é muito melhor. Ouvir no rádio ou na TV a transmissão de um jogo de futebol pode ser emocionante, mas estar dentro da quadra dividindo a bola com alguém é muito melhor.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Caxias do Sul / Rio Grande do SulPanazzolo03/2005
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Portadores de deficiência
Quantidade: 17
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
Professores de todas as disciplinas10
Alunos voluntários70
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Os recursos materiais são: - Computadores com sistema Windows; - Impressora com scanner; - Impressora braile para produção de material; - MAXI-FORM -Duplicador Braille; - Máquinas Perkins Brailler; - CDs para produção de cópias dos materiais produzidos; - Mesas; - Cadeiras; - Armários; - Papel para a impressora braile; - Climatizador de ambiente.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

O valor estimado com recursos humanos e materiais é de R$70 mil.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
CozaParceiro
Metalúrgica BuzinParceiro
CIC JovemParceiro
Instituto do Coração da Serra GaúchaParceiro
Impacto Ambiental

Não existe em nossa região nenhuma livraria que comercialize livros em braile. A ideia do projeto é possibilitar a produção de títulos em braile aos alunos, tanto para a preparação para o vestibular quanto para o divertimento. Ao oferecer aos alunos material digitalizado, o impacto ambiental é reduzido dada a economia de papel (para produzir uma página em papel A4, letra tamanho 12 são necessárias três folhas no braile).

Forma de Acompanhamento

As necessidades especiais dos alunos revelam ser preciso diferentes tipos de ajuda, além das usuais, para que se cumpra a finalidade da educação. É preciso adaptar o currículo e garantir a participação dos alunos. O monitoramento da aprendizagem dos alunos com deficiência, regularmente matriculados na escola, e dos demais alunos participantes das atividades e da confecção de materiais é feito a partir de seu desempenho acadêmico e atuação nas atividades.

Forma de Transferência

A escola tem tentado organizar-se para atender adequadamente os alunos com necessidades específicas, uma vez que a matrícula do aluno é apenas o passo inicial de seu processo de inclusão. Com a implantação do laboratório, foi possível compartilhar com várias escolas da região o material produzido. Existe uma legislação que permite a duplicação de material para utilização de portadores de cegueira sem a prévia autorização das editoras e, depois de produzida a matriz, torna-se possível fazer cópias e trocá-las com outras salas de recursos, como fazem os CAPS. O material que é preparado para os alunos com deficiência visual ajuda no processo de aprendizagem. Nesse sentido, a disponibilidade deste material já caracteriza uma forma de transferência. Também são realizadas visitas socializadas.

Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Ser diferente é normal...Baixar
Aula de reforço escolarBaixar
Sentir para aprender...Baixar
Participação de DVs em todas as atividades escolaresBaixar
É preciso tocar para ver...Baixar
Solidariedade faz bem à todos...Baixar
Ler para aprender...Baixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

O parecer 56/2006 do Conselho Estadual de Educação do Rio Grande do Sul diz: “ (...) quando os recursos existentes na própria escola mostrarem-se insuficientes para melhor compreender as necessidades educacionais dos alunos e identificar os apoios indispensáveis, a escola poderá recorrer a uma equipe multiprofissional”. Isto nos levou a pensar sobre a melhor maneira para realizar este trabalho, buscando pessoal e recursos que não estavam disponíveis anteriormente na escola. Nós da Escola Irmão José Otão dizemos: Deixa o menino jogar, ô iaiá Deixa o menino aprender, ô iaiá Que a saúde do povo daqui É o medo dos homens de lá Sabedoria do povo daqui É o medo dos homens de lá Consciência do povo daqui É o medo dos homens de lá (...) (Natiruts, “Deixa o menino jogar”)