Conservação Sustentável da Floresta de Araucárias

certificada 2003

Instituição
Instituto Agroflorestal Bernardo Hakvoort (IAF)
Endereço
Rua Jorge Alves Nunes S/N - Parque Industrial - Curitiba/PR
E-mail
iafturvo@yahoo.com.br
Telefone
(42) 3642-1318
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Douglas Dias de Almeida(42) 9104-5515agronomia_douglas@yahoo.com.brFacebook: douglas.diasdealmeida Skype: douglas.dias.de.almeida1 Msn: doug12@hotmail.com
Resumo da Tecnologia

Regenerar a Floresta de Araucárias e propiciar renda aos produtores que a protegem são algumas das ações centrais desenvolvidas pelo IAF. O Instituto busca o resgate e a valorização do conhecimento tradicional das 170 famílias de agricultores familiares atendidas.*{ods8},{ods9},{ods13},{ods15}*

Tema Principal

Meio ambiente

Tema Secundário

Renda

Problema Solucionado

Este projeto propõe a resolução de diversos problemas enfrentados pela população rural familiar de Turvo. Os principais problemas dizem respeito ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) , um dos mais baixos do estado do Paraná, o que faz de Turvo um dos municípios do Bolsão da Pobreza. Este baixo indicador de desenvolvimento é caracterizado pelos altos índices de mortalidade infantil, doenças parasitárias, deficiência e precariedade de acesso à rede municipal de saúde, desnutrição infantil, dentre outros. Além disso, foi notado também que inúmeras famílias rurais dependem dos chamados “cartões governamentais”, ou seja, necessitam da complementação financeira de aposentados, bolsa família, vale gás e outros apoios governamentais. Além destes fatores, é preciso salientar a pressão exercida por grandes produtores de cereais, pinos e eucaliptos, os quais buscam o aumento de áreas de cultivo e, com isso, fazem com que os índices de evasão do campo sejam elevados, contribuindo diretamente para o aumento do êxodo rural local. Ainda neste contexto, é importante frisar a composição familiar do público atendido, pois é notável o envelhecimento das comunidades, devido à evasão dos jovens.

Objetivo Geral

Os objetivos principais deste projeto estão ligados diretamente à manutenção, conservação e recuperação do ecossistema Floresta de Araucária.

Objetivo Específico

Os objetivos principais deste projeto estão ligados diretamente à manutenção, conservação e recuperação do ecossistema Floresta de Araucária, sendo para isso desenvolvidas atividades alternativas baseadas principalmente na agroecologia e agricultura orgânica, buscando a valorização da produção, que ocorre em pequenas áreas, e faz com que áreas ambientais ameaçadas possam se manter vivas e exercendo seu papel dentro do bioma Mata Atlântica.

Solução Adotada

Este sistema combina uma série de atividades dentro das propriedades rurais, como o cultivo de plantas medicinais, aromáticas e condimentares, extrativismo racional de erva-mate e demais espécies nativas, criação comunal de animais, produção de leite, agricultura de subsistência, sistemas agroflorestais, artesanato e turismo rural. Criando-se assim um novo modelo de negócio em conservação, o qual, além de gerar renda a agricultores familiares, conserva um dos maiores remanescentes de Floresta de Araucária do sul do Brasil. Valoriza o trabalho feminino, eleva a renda das famílias, certifica a produção orgânica, mantém os jovens no campo e isola áreas de preservação permanente e reservas legais através da distribuição de materiais para cerca.

Resultado Alcançado

Com a execução deste projeto, diversos benefícios e resultados já podem ser mensurados. Em todas as famílias assistidas pelo IAF, devido ao trabalho de planejamento total das propriedades, a qualidade alimentar teve uma grande evolução, de modo que este público já não faz mais parte dos integrantes que contribuíam para os níveis de desnutrição local, ou seja, além de bem alimentados, consomem alimentos de qualidade, isso garantido pela adoção da agroecologia. Além disso, podemos citar a elevação da produção e, consequentemente, da geração de renda local, como pode ser percebida no quadro abaixo. Quadro 1: Evolução dos cultivos de Plantas Medicinais, Aromáticas e Condimentares Quadro 1: Evolução dos cultivos de Plantas Medicinais, Aromáticas e Condimentares Ainda neste contexto, é importante salientar a estruturação da Coopaflora – Cooperativa de Produtos Agroecológicos Florestais e Artesanais de Turvo – PR, lançamento da marca Arvoredo Brasil e certificação de alimentos de subsistência, visto que anteriormente eram certificados apenas plantas medicinais, condimentares, aromáticas e a erva-mate. Ainda com o projeto foi possível, até o momento, o acercamento de 7,2 km de áreas de preservação permanente, o mapeamento de 75 propriedades, produção de alimentos para autoconsumo e comercialização do excedente em feiras locais e na merenda escolar, enriquecimento de reservas legais com espécies medicinais nativas e erva-mate, plantio de mais de 100 mil mudas de espécies nativas para recuperação ambiental. Ainda é de fundamental importância salientar a questão de gênero familiar, visto que a liberdade financeira e independência das mulheres chama muita atenção, pois as mesmas eram consideradas apenas ajudantes, tendo todas as obrigações de casa, e no tempo livre ajudavam seus maridos no cultivo de cereais e no manejo dos rebanhos. Nos dias atuais é diferente, pois com as atividades com as plantas medicinais, a grande maioria das mulheres possui sua horta, seu rendimento e conta bancária e, com isso, consegue administrar melhor seu crescimento, podendo ter renda própria e realizar sonhos; aquisição de vestuário, material escolar para os filhos, eletrodomésticos...

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Barra do Turvo / São Paulo00/2005
Adrianópolis / Paraná00/2005
Bocaiúva do Sul / Paraná00/2005
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Agricultores Familiares
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
engenheiro agrônomo1
administrador1
técnicos em agropecuária2
técnico ambiental1
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

1 caminhão Mercedes Benz 608 – ano 1983 = R$ 23.000,00 1 automóvel Gol – ano 2005 = R$ 18.000,00 2 motos = 10.000,00 3 computadores, 1 impressora, 1 impressora/fax/scanner, 2 linhas telefônicas, 1 notebook, 1 scanner, 2 no-break= R$ 6.000,00 2 viveiros de 200 m2 com 45 mil tubetes= R$ 7.000,00 1 balança eletrônica de plataforma até 500 kg= R$ 2.500,00 3 balanças eletrônicas de mesa até 15 kg = R$ 2.400,00 1.500 caixas plásticas = R$ 22.500,00 2 barracas de feira = R$ 3.000,00 1 Sede alugada = R$ 9.600,00 Sementes e mudas = R$ 72.000,00 Combustível = R$72.000,00 (combustível para comercialização subsidiado pela Prefeitura de Barra do Turvo) Manutenção veículos = R$ 9.600,00 Total= R$ 185.600,00

Valor estimado para a implementação da tecnologia

R$ 634.600,00

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Heifer International -
Ministério do Meio AmbienteProjeto Trilhares e Projeto Sistematização do Processo de “Rede Capacitação-Conhecimento em Mutirões Agroflorestais de Agricultor para Agricultor”: Escolinha Agroflorestando o Vale do Ribeira.
Ministério da Integração Nacional -
Ministério do Desenvolvimento Agrário -
Ministério do Desenvolvimento Social -
Programa Petrobras Ambiental -
Programa Petrobras & Cidadania -
Ação Social Curitiba/PRentrega de alimentos ecológicos através do programa PAA para diversas instituições carentes de Curitiba
Associação dos Consumidores Orgânicos do Paraná ACOPAorganização dos consumidores ecológicos e intercâmbios de consumidores nas propriedades dos agricultores agroflorestais.
Impacto Ambiental

Recuperação e conservação dos recursos naturais do bioma Mata Atlântica através de 250 ha de agrofloresta e outros 500 ha que estão sendo deixados sobre a ação do processo natural de regeneração florestal, onde estão crescendo mais de 1.500.000 mudas de árvores e palmeiras nativas e exóticas. Diminuição da poluição das fontes, rios e mananciais através do tratamento de esgoto doméstico e filtro biológico para 110 famílias associadas à Cooperafloresta.

Forma de Acompanhamento

A Cooperafloresta realiza avaliações em seus espaços de organização consolidados: grupos, Conselho de Representantes e Diretoria, em encontros mensais – mutirões, reuniões, oficinas – onde são abordadas questões como produção, processamento, certificação participativa, comercialização, além da organização, capacitação e ação política e institucional. Na Assembléia Geral anual as famílias realizam uma reflexão sobre os resultados alcançados, definindo diretrizes, estratégias e ações.

Forma de Transferência

A evidência de que a tecnologia social desenvolvida tem grande potencial de replicabilidade é o fato de receber mil pessoas anualmente em intercâmbios A geração de conhecimento e indicadores na esfera metodológica e técnica compõe estratégia para replicabilidade da tecnologia social. Foram produzidos materiais para subsidiar capacitações, destacando-se a cartilha com o aprendizado da Cooperafloresta. A Cooperafloresta funciona como Escola Agroflorestal com atividades de formação: oficinas, mutirões, cursos, estágios, visitas técnicas. Além de agricultores, estudantes, técnicos e consumidores, atua com gestores públicos que reconhecem na Cooperafloresta uma alternativa de compatibilização entre conservação ambiental e geração de emprego e renda para a agricultura tradicional.

Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
slidesdownload
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

“A agricultura que meu pai fazia não era legal, não tinha comércio, judiava da terra com desmatamento, não seria um meio de vida. Com certeza não estaria aqui com meu pai. Antes eu pensava em ir embora, igual os meus primos.” (Carlinhos, grupo Indaiatuba) “Através da agrofloresta, a gente passou a conhecer mais outros tipos de plantas, além das árvores e da adubação verde, também outros tipos de alimentos. Além de a gente ter mais uma comida diferente, ainda dava para ajudar na renda da casa. Acho que a agrofloresta, já iniciou mudando muito a vida de todo mundo.” (Vanilda, grupo Terra Seca) Ás águas são o principal! Antigamente a gente não tinha água, ia lavar roupa pegava água do rio. Se cortar as árvores não tem água. Se não tivéssemos plantado, nós não tínhamos água hoje.” (Eliane)