Cozinhas Solidárias: Mães Unidas na Construção da Dignidade de Suas Famílias

certificada 2011

Instituição
Prefeitura Municipal de Cruz Alta
Endereço
Avenida Venâncio Aires, 1304 - Centro - Cruz Alta/RS
E-mail
acaosocial@cruzalta.rs.gov.br
Telefone
(55) 3321-2113
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Cirlei Scarpin Terra(55) 3321-1331carinercosta@cruzalta.rs.gov.br
Resumo da Tecnologia

Promover alternativas de trabalho e renda à população em situação de vulnerabilidade social, priorizando mulheres. Atuação nas áreas de inclusão social produtiva e de segurança alimentar e nutricional sustentável. Incentivo a troca de experiências e superação da situação de pobreza extrema.*{ods2},{ods3},{ods8}*

Tema Principal

Alimentação

Tema Secundário

Renda

Problema Solucionado

Tendo como referência o programa Bolsa Família – do Governo Federal, responsável pela concessão de benefícios às famílias com renda per capita de até R$140,00 – e a partir da análise de dados, foi possível identificar inúmeras famílias em situação de vulnerabilidade social nas regiões escolhidas para a realização deste trabalho. Muitas destas famílias não encontram alternativas para a geração de renda e superação da situação de pobreza extrema. Foi constatado que não existiam projetos que priorizassem as mulheres nesta situação, mulheres que em muitos casos são as “chefes de família”, responsáveis pela geração de renda na casa. A situação de vulnerabilidade social faz com que essas pessoas não sejam valorizadas como seres humanos, enfraquecendo os vínculos familiares e comunitários. Além disso, é notória a falta de projetos para a capacitação de empreendimentos nessa camada social.

Objetivo Geral

Construir alternativas de geração de trabalho e renda, promovendo a inclusão social produtiva através de cozinhas solidárias, proporcionando um espaço de formação, troca de saberes e experiências com famílias em vulnerabilidade social.

Objetivo Específico

- Proporcionar inclusão social produtiva através da metodologia de cozinha solidária como alternativa de renda; - Estimular o conhecimento e reconhecimento dos direitos e responsabilidades dos cidadãos para uma vida digna; - Favorecer o desenvolvimento de vínculos sociais e comunitários e prevenir a ocorrência de situações de risco, priorizando o atendimento às famílias em situação de vulnerabilidade; - Desenvolver a solidariedade na partilha da produção entre o grupo e sua comercialização nas feiras; - Orientar as pessoas para projetar e planejar a renda adquirida, alterando a qualidade de vida da família; - Fortalecer as relações e estimular o convívio; - Fomentar o exercício da metodologia de economia popular e solidária na produção e comercialização realizada; - Incentivar a importância da alimentação saudável, através do cultivo de hortas; - Promover ações complementares ao trabalho favorecendo iniciativas autogestionárias e o acesso a programas de capacitação e inserção produtiva

Solução Adotada

A solução adotada foi elaborada com o intuito de promover a superação da pobreza extrema vivida pela população atendida na região. Foram organizadas aulas de gastronomia junto às oficinas de cidadania. Durante as aulas de culinária, as participantes recebiam instruções sobre seus direitos, eram auxiliadas no processo de encaminhamento de documentos para aposentadoria e para projetos federais como o Bolsa Família. A intenção era, além de promover a cidadania, permitir que as participantes aprendessem a fazer diversos tipos de comida para a comercialização, utilizando o modelo da economia social solidária. As participantes desta ação são oriundas de famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza, sem emprego fixo, na maioria das vezes, e sem meios de gerar renda, o que acarreta consequências também para suas famílias. O projeto propõe estimular o protagonismo de indivíduos e famílias através de ações produtivas concretas, proporcionando a troca de experiências e saberes através dos cursos de formação. Além disso, busca despertar a confiança e o desejo de encontrar alternativas, elevando a autoestima e o sentimento de capacidade e igualdade, promovendo melhorias a estas famílias apesar das diferenças sociais, da baixa escolaridade e da falta de qualificação profissional. A meta é a melhoria da qualidade de vida.

Resultado Alcançado

Já foram assistidas pelo espaço “Cozinha Solidária” mais de duas mil mulheres. Um aspecto importante ao projeto é a adesão por parte das mulheres que, no decorrer do processo, passam a autogerir suas vidas e, enquanto usuárias das políticas públicas, passam a participar cada vez mais dos espaços públicos. Também é possível perceber o alcance das metas de desenvolvimento efetivo de ações intersetoriais, interdisciplinares e emancipatórias. Muitos foram os sujeitos que atuaram neste processo, resultando no atendimento direto de cerca de quinhentas famílias por ano. Entre os resultados materiais alcançados pelo espaço “Cozinha Solidária”, pode ser ressaltada a produção de balas de banana, merengues e rapaduras de leite, além de doces, pães, cucas e assemelhados, bolachas, patês, massas com legumes, verduras, temperos, chás e outros itens alimentícios. O cuidado com o meio ambiente também faz parte das ações realizadas. Pode-se citar o trabalho com a associação dos catadores nos galpões de reciclagem e o laboratório de olericultura e plantas medicinais (com cisterna e sistema de compostagem). Também há uma pequena biblioteca com cerca de quinhentos itens que servem de apoio às atividades de formação e lazer das pessoas assistidas.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Cruz Alta / Rio Grande do SulProcópio Gomes, 1165 - Centro04/2006
Cruz Alta / Rio Grande do SulRua Padre Teodoro 202, Bairro de Fátima.03/2011
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Mulheres
Catadores de material reciclável
Desempregados
Famílias de baixa renda
Quantidade: 200
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
Assistente Social1
Oficineiras de Cozinha2
Oficineira de artesanato1
Estagiários de Serviço Social2
Estagiários de Nutrição2
Psicólogo1
Economista Doméstico1
Nutricionista1
Pedagogo1
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Para uma unidade de 40 horas de funcionamento: - Espaço de implantação de uma cozinha; - Sala de oficina de artesanato; - Produção de alimento, participações nas feiras e no Centro Público de Economia Popular Solidária; - Telefone; - Computador; - Impressora; - Geladeira; - Freezer; - Televisor; - DVD; - Data-Show; - Forno à Gás; - Forno elétrico; - Forno de micro-ondas; - Formas; - Mesa de inox; - Panelas; - Talheres; - Materiais de Gêneros Alimentícios.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Na primeira implementação do projeto: R$ 30.000,00 Hoje, para uma implantação mais qualificada: R$ 100.000,00

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Banco de Alimentosdoação de alimentos para as oficinas
Emater/RS ASCAR;oficinas específicas
Universidade de Cruz Alta – UNICRUZoficinas de integração com diferentes cursos
Secretarias MunicipaisRede de serviços encaminhamento de referência e contra referência
Impacto Ambiental

O projeto busca fomentar a conscientização ambiental por meio das aulas de cidadania e das relações com cooperativas de catadores.

Forma de Acompanhamento

O acompanhamento (monitoramento) é feito a partir dos relatos dos envolvidos sobre as atividades desempenhadas na semana anterior. Trata sobre as conquistas e dificuldades encontradas na execução dos propósitos e, além do processo de conferência das vendas e avaliação das atividades, há também uma reflexão e diálogo sobre as demandas, necessidades e dificuldades das famílias e comunidade.

Forma de Transferência

A comercialização é realizada em feiras nas comunidades, tornando o projeto Cozinha Solidária um ponto de referência, possibilitando a realização de encomendas dos produtos alimentícios e convites de emprego às participantes. O programa também orienta suas participantes sobre o aproveitamento total dos alimentos e as boas práticas, conhecimentos que também são aplicados em suas famílias. Já existem outros grupos criando associações e cooperativas a partir da utilização de empréstimos especiais, aplicados na compra de utensílios e capital de Giro. A cozinha Solidaria está sempre aberta a prestar auxílio a outros grupos sobre como fazer projeto, calcular custos e preços de venda, além de organizar grupos e associações dentro do paradigma da Economia Popular e Solidaria, multiplicando o saber

Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

“Fico contando as horas para vir a Cozinha Solidária, me sinto muito bem aqui, minha filha casada vem junto e, aqui com as colegas, a gente se diverte, fica feliz, aprende a fazer tantas coisas, reparte o que a gente faz, leva pra casa e ainda pode vender e fazer um dinheirinho, aqui todos tratam bem a gente”. Usuária: Maria Terezinha Pinheiro