Descascadeira de Pinhão e Técnicas de Aproveitamento das Cascas e das Fibras

certificada 2011

Instituição
Associação dos Pinhoeiros de Tijucas do Sul e São José dos Pinhais (Assopinho)
Endereço
Rod. 376 - Centro Comercial - sala 03 - Tijucas do Sul - Campina - Tijucas do Sul/PR
E-mail
nativa@nativadobrasil.com.br
Telefone
(41) 3282-7488
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Marcelo Lubas(41) 3282-7488nativa@nativadobrasil.com.br
Resumo da Tecnologia

A TS se propõe a beneficiar o pinhão no descascamento in natura, capaz de reduzir 40% do desperdício no aproveitamento dessa matéria-prima.*{ods2},{ods3},{ods13}*

Tema Principal

Alimentação

Tema Secundário

Meio ambiente

Problema Solucionado

A dificuldade da inserção do pinhão nas redes de hotéis, restaurantes e pousadas estava apoiada no fato da inexistência de uma tecnologia capaz de descascar o pinhão com segurança e produtividade, manuseada de forma simples e que possibilite o aproveitamento das cascas de pinhão. Assim, é possível aproveitar as cascas para artesanato e aplicar uma segunda técnica que a chamamos de “Pinhote - A nova arte de costurar cascas de pinhão”, que permite a inserção delas em peças artesanais. Também pode ser aproveitado os sapés que caem das araucárias, com uma terceira técnica: Pinhaletes. Há também a nova técnica da Bileiteira, para comer o pinhão na forma de Bilé.

Objetivo Geral

-Contribuir para a geração de renda; -Promover maior sustentabilidade ambiental das florestas com araucárias; -Permitir o uso do pinhão em formas saborosas do sul do país (pinhão na casquinha, bilé); -Permitir o uso de suas cascas.

Objetivo Específico

-Contribuir para a geração de renda: As novas tecnologias sociais permitem agregar valor às araucárias, podendo ser aproveitado o pinhão com muito menos desperdícios; -Contribuir para a conservação das florestas de araucárias: As novas tecnologias oportunizam o aumento da rentabilidade mantendo as árvores vivas, além de permitirem que se coletem somente os pinhões maduros, no chão, sem esforço, permitindo a regeneração natural e a dispersão do pinhão para a fauna local se alimentar; -Contribuir para a inserção do pinhão na gastronomia turística do sul do Brasil, através da inovação no beneficiamento do pinhão, permitindo a criação de vários novos pratos com pinhão, incluindo o pinhão na casquinha, o bilé etc.

Solução Adotada

O conjunto de técnicas desenvolvidas contempla quatro mecanismos/equipamentos: 1. Descascadeira de pinhão: Não existia, até o momento, nenhum equipamento capaz de descascar o pinhão in natura. Com a nova tecnologia social, a redução dos desperdícios de pinhão pode chegar a 40%. Assim, será possível armazenar o pinhão para todo o ano, de forma (sem casca) in natura, congelado, resfriado, cozido, pré-cozido etc. Enfim, é uma oportunidade para estimular o plantio de novas araucárias e para a conservação das existentes, uma vez que se agrega valor ao pinhão. O ponto alto desta tecnologia social vai mais além, pois, no descascamento, não se danificam as cascas e elas podem ser utilizadas para artesanato e outras atividades. Fibras de alta qualidade serão possíveis agora de serem aproveitadas para a criação de peças para decoração, móveis etc. A técnica do Pinhote será possível, costurando as cascas de pinhão; 2. Bileteira: Uma das formas antigas e muito tradicionais dos povos e comunidades das florestas do sul do Brasil é comer o pinhão em forma de bilé. O bilé é o pinhão assado e batido, usado como patê numa espécie de sanduíche, muito utilizado nas colônias do sul do Brasil. A bileteira poderá ser utilizada em várias unidades de produção e até mesmo inserida em restaurantes e pousadas, pois ela usa os pinhões já sem casca, que vêm do beneficiamento anterior (descascadeira); 3. Pinhaleteira: Este mecanismo, também inovador, permite o aproveitamento, manuseio e beneficiamento das lâminas da pinha dos pinheiros. Os pinhões vêm das pinhas. Cada pinha tem um formado esférico, com cerca de 100 a 130 pinhões e cerca de 400 a 600 lâminas que fecham os espaços entre os pinhões quando ainda estão presos na pinha. Essas lâminas podem ser beneficiadas na nova tecnologia, que extrai delas pinhaletes. Esses pinhaletes podem ser inseridos na técnica tradicional da marchetaria, que consiste em fazer desenhos e imagens de peças artesanais, agregando valor a ela. Também podem ser feitos kits didático-pedagógicos com essas fibras beneficiadas, oportunizando novas possibilidades de geração de renda e inovação no uso sustentável das fibras, que antes eram descartadas ou sequer notadas no campo; 4. Catadeira manual de pinhão: Uma prática muito sustentável é a de estimular a catação manual dos pinhões maduros que caem no chão. Isso é importante porque os pinhões que caem maduros são utilizados tanto pelo homem quanto pela fauna local como alimento. Além disso, a prática permite que a regeneração natural (nascimento de novas araucárais) aconteça. Com a nova tecnologia social, é possível fazer a catação manual de pinhão sem precisar se abaixar no chão. Também a catadeira permite maior segurança, pois não há perigo de se espetar nos sapés que caem dos pinheiros, além de evitar o risco de ser picado por alguma cobra ou aranha, que podem estar escondidas nas folhas.

Resultado Alcançado

-Criação de um nova gastronomia turística e cultural com o pinhão: Pinhão na casquinha; -Redução de até 40% nos desperdícios de pinhão; -Facilidade para retirar o pinhão da casca: com a tecnologia social da descascadeira, não é necessário sujar as mãos e as unhas (a casca contém grande quantidade de pigmento tingidor violeta); -Oportunidade de aproveitamento das cascas e utilização em oficinas de projetos sociais e de geração de renda, na técnica do pinhote, na criação de sacolas, bandeijas, mandalas, quadros, utensílios domésticos, artefatos de móveis e outros; -Criação de mais de 50 produtos diferentes utilizando as fibras dos sapés, agregando valor econômico, cultural e de design nos produtos onde são inseridas as fibras naturais e renováveis (sustentáveis); -Inserção do bilé na gastronomia turística, partindo da descascadeira de pinhão para a bileteira; -7. 80 pessoas capacitadas nas técnicas dos diagramas, pinhaletes, pinhote e do descascamento de pinhão; -Criação da Rede do Arranjo Local Comunitário com pinhão, envolvendo dois municípios (Tijucas do Sul e São José dos Pinhais - Paraná) em oficinas permanentes de capacitação e de design de novos produtos com pinhão, cascas e fibras naturais; -Inserção das fibras naturais e cascas em seis modelos de móveis (com agregação de valor) e marchetaria; -Criação de um programa de "Seleção de Áreas" em conjunto com os proprietários rurais e agricultores familiares da região que praticam a catação manual, pois nestas áreas a fauna local é rica e exuberante e a regeneração natural existente é facilmente comprovada em visitas nas propriedades rurais.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Tijucas do Sul / ParanáAssopinho - Associação dos Pinhoeiros de Tijucas do Sul e São José dos Pinhais03/2009
São José dos Pinhais / ParanáJardim Independência03/2009
São José dos Pinhais / ParanáAssociação Cia do Bambu08/2010
Tijucas do Sul / ParanáASSOCAMP Associação dos Moradores da Campina04/2011
São José dos Pinhais / ParanáCooperativa Borda Viva04/2011
São José dos Pinhais / ParanáAPAE - Escola Especial06/2010
Tibagi / ParanáAPAE - Escola Especial07/2009
Reserva / ParanáAPAE - Escola Especial08/2009
Cândido de Abreu / ParanáAPAE - Escola Especial09/2009
Jacarezinho / ParanáEscola Estadual de Jacarezinho03/2010
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Mulheres
Adolescentes
Agricultores Familiares
Artesãos
Lideranças Comunitárias
Portadores de deficiência
Diretor de escola
Quantidade: 60
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
Engenheiro Florestal1
Técnico Agrícola1
Cozinheira2
Artesão1
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Equipamentos da Tecnologia Social: -Descascadeira de pinhão (01); -Bileteira (02); -Pinhaleteira (02); -Pinhoteira (01); -Catadeira para pinhão (100); -Prensa para chapeamento das cascas de pinhão (01); -Mesas e móveis para acondicionamento dos equipamentos (05); -Insumos para os equipamentos (facas de corte, ferramentas de afiação; utensílios domésticos, bacias, panelas, fogão industrial). -Insumos para a confecção de protótipos de produtos (móveis e artesanatos): -Chapas de MDF; -40 kg de cola branca; -Fitas adesivas (20 rolos); -100 metros de tecido do tipo juta; -20 resmas de papel; -50 canetas; -50 cartilhas para treinamentos; -20 pistolas de cola quente; -100 refilos de cola a quente; -Uma extensão (20metros) para energia; -20 tubos de cola branca pequena escolar; -20 tesouras.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

-Valor aproximado dos recursos materiais: R$ 82.000,00; -Valor aproximado de recursos humanos: R$ 6.000,00; -Valor aproximado de apoio logístico (transporte, etc.): R$ 1.000,00; -Valor aproximado total: R$ 89.000,00.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Agência de Pesquisa e Fomento (URBITOUR)Apoio na capacitação de pessoas.
Fupef - Fundação de Pesquisas Florestais do ParanáApoio nos conteúdos e confecção das cartilhas (apostilas para os treinamentos)
Solidarium - Rede de Economia SolidáriaDivulgação e apoio ao acesso ao mercado (rede hotéis, restaurantes, pousadas, etc)
Instituto Equipe de Educadores Populares (IEEP)Treinamento de catação de pinhão (catadeira).
Associação de Artesãos de São José dos PinhaisDivulgação, participação dos produtos em feiras de artesanato e gastronomia , acesso a novos mercados
ACIAP - Associação Comercial, Industrial e Agrícola de São José dos PinhaisApoio no acompanhamento da confecção dos equipamentos (indústrias), e nas ferramentas de corte para o pinhão
IAP - Instituto Ambiental do ParanáFornecimento de cartilhas educativas de proteção das florestas (sustentabilidade - catação manual)
Sindicato dos Trabalhadores Rurais de São José dos PinhaisApoio na divulgação do projeto e no cadastramento dos participantes dos cursos de capacitação
EMATERApoio na divulgação e capacitação junto aos agricultores familiares na área rural
EMBRAPA - Tecnologia de Alimentos - Rio de Janeiro/ParanáApoio na criação de novas receitas com pinhão descascado in natura e beneficiado
Impacto Ambiental

-Redução de até 40% do desperdício de pinhão (principal produto da sociobiodiversidade do sul do Brasil); -Estímulo à prática da catação manual: contribui para a fauna se alimentar e para a regeneração natural acontecer; -Contribuição à conservação das florestas de araucárias (do Bioma Mata Atlântica), pelo aumento da rentabilidade mantendo as araucárias vivas; -Estímulo ao plantio de novas araucárias (aumento da rentabilidade do pinheiro, pinhão/fibras - sapés, aproveitamento de cascas).

Forma de Acompanhamento

A forma de acompanhamento se dá pela realização de oficinas mensais de evolução, criação e design de novos produtos (capacitação e confecção de protótipos).

Forma de Transferência

A forma criada é as já denominadas "Oficinas do Pinhão", treinamento de capacitação nas novas técnicas, com apostilas (cartilhas), e apresentação de mais de 50 protótipos de produtos já criados, que oferece oportunidade de difusão do conhecimento e ampliação da adoção das soluções criadas nesta Tecnologia Social. Já foram capacitados oito multiplicadores aptos a realizar treinamentos de capacitação nas novas técnicas (pinhote, pinhaletes, pinhão na casquinha, bilé, diagramas das araucárias e outras).

Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
cataçãoBaixar
PinhoteBaixar
Festa de invernoBaixar
mecanismos Tec SocBaixar
Divulgação atividades com pinhãoBaixar
Fluxograma de algumas técnicasBaixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

A inovação que a Tecnologia Social pode proporcionar na conservação do Bioma Mata Atlântica, e dentro dele, nas áreas de Florestas com Araucárias, que recobrem todos os Estados do Sul do Brasil e ainda regiões do Estado de São Paulo (Campos do Jordão), sul de Minas Gerais, e regiões do Espírito Santo e Rio de Janeiro (Serra da Mantiqueira), é imensa! A araucária que está na lista de espécie ameaçada de extinção, por conta da larga exploração da madeira, no passado, pode finalmente encontrar um sinal real de recuperação, através do foco no "alimento" - PINHÃO, recém inserido no Plano Nacional dos Principais Produtos da Sociobiodiversidade do Brasil, fica, finalmente, lado a lado com os outros 9 produtos : Castanha/Pará, Babaçu, Pequi, Piaçava, Andiroba, Buriti, Carnaúba Borracha e Copaíba.