Boas Misturas – um encontro de ofícios

certificada 2003

Instituição
Doutores da Alegria – Arte, Formação e Desenvolvimento
Endereço
Rua Alves Guimarães, 73 - Pinheiros - São Paulo/SP
E-mail
daiane@doutoresdaalegria.org.br
Telefone
(11) 3061-5523
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Morgana Masetti(21) 8181-4864morgana.ops@terra.com.br
Resumo da Tecnologia

Boas Misturas é uma oficina que estimula a conversa entre profissionais de saúde e palhaços sobre seus ofícios. Os Doutores da Alegria acreditam que a alegria é decorrente da comunicação bem estabelecida e que a criança hospitalizada comunica grande parte de suas necessidades por canais não verbais.*{ods3}*

Tema Principal

Saúde

Problema Solucionado

Frente aos conceitos de humanização que repensam a atuação da medicina, no que tange ao contato com os pacientes, sua ansiedade, insegurança e sensibilidade, as propostas de humanização trazem à tona, principalmente, a resposta da interação comunicativa entre médico e paciente, a saída participativa ou informativa. A formação médica e de outros profissionais da saúde é voltada, principalmente, para aspectos que se referem à anatomia, patologia, classificação da doença no organismo ou parte atingida, à clínica, e menos à história do paciente – seus valores culturais – e ao apoio moral e psicológico. Prendem-se ao paciente como número, relatório, prontuário, diagnóstico, dispensando a sensibilidade do paciente, sua vida ativa, sua opinião no tratamento, desconhecimentos sobre fisiologia ou patologia, seus medos e desconfortos. É justamente, na resignificação da medicina, do atendimento a pacientes, da legitimação social da ciência médica, que a oficina Boas Misturas – um encontro de ofícios incide e transforma.

Objetivo Geral

A oficina Boas Misturas surge como uma metodologia e proposta de humanização, que aliada a práticas artísticas colabora na qualidade da formação e prática de profissionais da saúde.

Objetivo Específico

Visa a formação do profissional da saúde que vá além da fisiologia, anatomia e conhecimento técnico, para privilegiar três ações: perceber, agir, suprir. Estimular e ampliar a capacidade de comunicação do profissional com o paciente.

Solução Adotada

O Programa de Formação foi aplicado pela primeira vez em 2001 no Instituto da Criança do H.C.F.M.U.S.P, sob o patrocínio da Janssem-Cilag. Era composto por três oficinas: “O Hospital pelos olhos do palhaço”, oficina de artes plásticas e oficina de fotografia. Em 2002, ocorreu no Hospital Cândido Fontoura, sob o patrocínio da Janssem-Cilag, e Hospital Municipal Menino Jesus, sob a parceria com o Ministério da Saúde, ambos em São Paulo. Ocorreram as seguintes oficinas: “O Hospital pelos olhos do palhaço”, oficina de artes plástica, oficina de sucatas e oficina de fotografia (esta última aplicada apenas aos profissionais do Hospital Cândido Fontoura). Em 2003, o Programa de Formação ocorreu em Fortaleza, no Hospital Infantil Albert Sabin, com a participação de 34 profissionais. Contou com as oficinas de artes plásticas, oficina de sucata e “O Hospital pelos olhos do palhaço”. Em maio de 2003, o Programa foi para Recife, financiado pelo Prevenção Orientada a Meninos e Meninas em Situação de Risco (POMMAR). As oficinas são sempre planejadas de acordo com a necessidade do público alvo e seu contexto de trabalho. No ano de 2009/2010 a oficina destinou-se a hospitais do Rio de Janeiro em uma parceria firmada com a Secretaria de Saúde do Estado de Rio de Janeiro. Foram beneficiados os hospitais Santa Maria, Eduardo Rabello, Tavares Macedo, Azevedo Lima e Hospital Estadual Adão Pereira Nunes. As oficinas aconteceram em dois módulos de 16 horas cada: o primeiro com jogos e brincadeiras utilizados na formação do palhaço, e o segundo com técnicas e interação fotográfica dos participantes com o espaço do hospital. Ao final dos módulos o hospital recebeu uma exposição fotográfica com o material produzido pelos participantes.

Resultado Alcançado

- O impacto desse método se dá, principalmente, no trabalho do profissional do sistema de saúde; - No momento que as propostas de humanização em hospitais passam a ser interessantes para setores governamentais e privados ligados aos serviços de saúde, vê-se a criação do Plano Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar, cuja implementação é resultado integrado das secretarias estaduais e municipais, bem como da sociedade civil de um modo geral; - As propostas de humanização e sua efetividade são benéficas para usuários, trabalhadores de saúde e gestores do sistema hospitalar; - Esse tipo de metodologia, ou tecnologia social, tem impacto, principalmente, no atendimento da saúde, na vida do profissional, no sistema de saúde, tanto público quanto privado; - No lugar da tecnificação, a reumanização das práticas médicas; - A associação e apoio do Ministério da Saúde exemplificam o quanto essas modificações são importantes para os órgãos gestores e para a população em geral, na medida que favorece a melhoria do atendimento do serviço de saúde; - Uma nova educação de saúde e tratamento de pacientes que privilegia a criatividade; - Estabelece canais de comunicação com a população e sociedade civil organizada, como pretendem os programas de humanização de saúde implementados pelas secretarias estaduais e municipais; - O impacto pessoal faz o profissional de saúde repensar seu papel social, a re-significação do papel da técnica, da sensibilidade e da comunicação; - Colabora com a saúde e o bem-estar do profissional de saúde na medida que incentiva mecanismos saudáveis de interação e comunicação.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
São Paulo / São PauloInstituto da Criança do H.C.F.M.U.S.P.01/2001
São Paulo / São PauloHospital Cândido Fontoura, Hospital Municipal Menino Jesus03/2003
Rio de Janeiro / Rio de JaneiroHospital Tavares Macedo, Adão Pereira Nunes, Eduardo Rabello, Azevedo Lima01/2010
Fortaleza / CearáHospital Albert Sabin01/2003
Recife / PernambucoCasas de Apoio01/2003
Brasília / Distrito FederalFEPECS07/2008
Rio de Janeiro / Rio de JaneiroHospital Santa Maria01/2009
Rio de Janeiro / Rio de JaneiroHospital Tavares Macedo, Adão Pereira Nunes, Eduardo Rabello, Azevedo Lima01/2010
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Profissionais de Saúde
Adulto
Médicos
Gestores Públicos
Quantidade: 0
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
formadores2
assistente para dar suporte na logística1
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

1 aparelho de TV, 1 aparelho de DVD, 1 aparelho de Data Show, 30 máquinas fotográficas, 10 colchonetes.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Para realização de uma oficina Boas Misturas, o valor estimado é de R$ 8.000,00.

Forma de Acompanhamento

Os formadores avaliam a produtividade das oficinas, o retorno de cada participante, em debates e reuniões ao fim de cada programa, de onde saem ideias, inovações, percepção de resultados nas ações e falas, observação dos materiais em arte produzidos pelos participantes, elaboração de relatório etc.; Relatório com avaliações e descrições do programa, que é apresentado ao órgão financiador; São realizadas reuniões periódicas de supervisão e aprimoramento do trabalho.

Forma de Transferência

Essa metodologia já é aplicada em outros estados desde março de 2003, dada a associação ao Ministério da Saúde e patrocínio do POMMAR. Em Recife, além de enfermeiros, médicos e assistentes de enfermagem, contou com a participação de representantes de entidades, associações, de projetos e programas de voluntários. A migração dos programas em âmbito nacional é pertinente, graças à observação das diferenças na formação dos profissionais e suas carências, bem como pela consideração do modo de organização dos hospitais de outras regiões, muitos nunca atravessados por práticas de humanização. Verificando carências, utilidades, viabilidade das técnicas artísticas etc., fatores que tornaram o Programa interessante para o Ministério da Saúde e outros financiadores.