Pneus usados: eficiência das barragens subterrâneas

certificada 2001

Instituição
Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
Endereço
Av. Aprígio Veloso, 882 - Universitário - Campina Grande/PB
E-mail
geraldobaracuhy@yahoo.com.br
Telefone
(83) 2101-1491
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
José Geraldo de Vasconcelos Baracuhy(83) 2101-1491geraldobaracuhy@yahoo.com.br
Soahd Arruda Rached Farias(83) 2101-1572soahd@ig.com.brsoahd.rached@gmail.com
Resumo da Tecnologia

A construção da Barragem Subterrânea tipo lona plástica é realizada por abertura de trincheiras em riachos temporários até a camada impermeável. O barramento com pneus usados e os cordões em contorno com tiras de pneus em curva de nível no entorno são feitos para contenção de solo e água.*{ods6},{ods13}*

Tema Principal

Recursos Hídricos

Tema Secundário

Meio ambiente

Problema Solucionado

Por ser uma região semiárida, a pouca chuva e a alta evaporação faz com que a produção agrícola seja restrita. Normalmente toda propriedade agrícola possui um pequeno riacho onde no momento da chuva ocorre uma convergência das águas superficiais. Esse riacho, por possuir uma textura média ou grossa, ou seja, normalmente arenosos, possuem boa porosidade, possibilitando acumular água; assim, é realizado em um ponto mais estreito desse riacho um corte transversal até a região impermeável onde é colocada uma lona plástica (PVC 200 micras) interrompendo o fluxo de água subsuperficial, fazendo com que o mesmo fique armazenado, pois acima desse corte são colocados pneus usados arrumados tipo alvenaria no sentido côncavo para diminuir a velocidade da água que passa no riacho no momento da chuva, fazendo com que a água infiltre no solo. Esses pneus também ajudam para segurar a erosão que ocorre no entorno, fertilizando a própria barragem. Tiras de pneus são cortadas e colocadas em curva de nível na região vizinha à bacia para melhorar a infiltração da água e minimizar a erosão. Essas tiras ou cordões em contorno são colocadas com certo espaçamento, dependendo da declividade do terreno.

Objetivo Geral

Melhorar as tecnologias agrícolas de conservação de recursos hídricos para convivência com o semiárido.

Objetivo Específico

1) Construção de Barragens Subterrâneas tipo lona plástica; 2) Construção de barramento com pneus usados; 3) Construção de curva de nível utilizando pneus cortados.

Solução Adotada

A primeira parte consiste na escolha do local onde o riacho seja mais estreito como forma de economizar material na construção. Abre-se uma vala transversal à direção do curso do rio, riacho ou à linha de drenagem, sendo sempre escavada em linha reta (podendo ser feita manual ou mecânica). O material retirado da escavação é acumulado sempre do lado da montante da vala, nunca no lado jusante para não atrapalhar o movimento de colocação da lona. A escavação da vala normalmente é feita através de retroescavadeira, mas também pode ser de forma manual. Após a escavação, na parede que fica a jusante (abaixo) coloca-se uma lona plástica com espessura de 200 micras tendo o seu comprimento e profundidade em função das limitações das características da barragem. Após a abertura da vala, deve-se ter alguns cuidados na colocação da lona para uniformizar o corte do talude, principalmente tencionando, para evitar dilatação e perfuração da lona através de pontas de pedra, raízes etc., por isso faz-se necessário a limpeza do fundo da vala, reduzindo assim os riscos de perda de água. Coloca-se pedras ou pneus usados para sustentação da lona na parte da face superior. A marcação do local onde é colocado o poço amazonas deve ficar afastada 7m à montante (riacho acima) do barramento de lona plástica, com uma profundidade de 2,5 m, podendo a água ser bombeada, preferencialmente nos períodos pós-chuvas para melhorar o nível de sais retidos no local. A escavação do poço pode ser mecânica ou manual, abrindo um retângulo com 1m a partir do diâmetro do anel, de forma que se faça a retirada do material até a profundidade limite do trabalho até a camada impermeável. O poço facilitará a lavagem do perfil do solo, carreando os sais dissolvidos na água da barragem. O Barramento com Pneus Usados para Contenção de Solo e Água é confeccionado utilizando os pneus de carro ou caminhão; são distribuídos em camadas (4 ou 5) até 1m de altura. Esses pneus são arrumados na forma de alvenaria fazendo um semi-arco côncavo (no sentido fluxo da água); é importante nesse momento fazer uma seleção de pneus com as mesmas dimensões para um melhor arranjo dessa alvenaria, logo cada barragem pode ter a coleção de pneus arranjados de uma mesma dimensão, depois esses pneus são grampeados com vergalhão com diâmetro de 1/2 polegada para melhorar a sustentação. Deve-se colocar pedras dentro dos pneus no momento da confecção do barramento. O primeiro projeto executado com essa metodologia foi inicialmente implementado no Assentamento Pau Branco; a universidade tinha um projeto multidisciplinar naquela comunidade e depois de algumas reuniões e oficinas com 72 famílias sempre era evidenciada a limitação com recursos hídricos no assentamento. Esse assunto fez parte também de algumas oficinas internas na universidade, onde a equipe técnica sempre colocava em pauta essa discussão à procura de uma tecnologia que atendesse essa reivindicação, mas que fosse acessível economicamente; foi daí que surgiu a construção das barragens subterrâneas utilizando a já tradicional lona plástica e os pneus como complemento para garantir a eficiência do funcionamento da barragem. O aproveitamento de pneu é apenas pelo custo, ou seja, o custo do pneu é o transporte da cidade até o meio rural e, nesse momento, foi verificado que estávamos minimizando o efeito rural como também ajudando o meio urbano na questão dos resíduos sólidos.

Resultado Alcançado

O mais importante resultado foi viabilizar uma agricultura, notadamente forragem, para aquela comunidade. É muito comum no nordeste semiárido, durante o período seco, o pequeno agricultor vender parte do seu rebanho para comprar alimentação para a outra parte do rebanho. Quando foi iniciado esse trabalho há 10 anos naquele assentamento, essa prática de vender parte dos animais ocorria normalmente. Alguns agricultores ao utilizar essa tecnologia social triplicaram o seu rebanho e ainda venderam forragens excedentes, pois a importância do prêmio da Fundação Banco do Brasil ao Projeto, há 10 anos, contribuiu com a “chancela” do Projeto e hoje temos atuação direta em 10 outros municípios, e indiretamente já prestamos apoio a várias comunidades na aplicação dessa tecnologia. O próprio assentamento é semanalmente visitado por agricultores, técnicos, políticos, em relação à repercussão dessa tecnologia na pequena propriedade. Aproximadamente 100 barragens implantadas, e considerando 4 famílias, então 400 pessoas foram beneficiadas, e mais 400 pessoas receberam treinamento para implementarem essas tecnologias.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Campina Grande / Paraíba01/1998
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Famílias de baixa renda
Quantidade: 100
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
Agricultores2
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Lona plástica com 200 micras, 6 m de largura; Escavação e reaterro (mecanizado) de vala com 0,65 m de largura e 3 m de profund.; Anel pré-moldado com 1,5 m de diâmetro e 0,50 m de largura; Tampa de concreto, com abertura; Brita; Escavação mecanizada do poço com 2,5 m de diâmetro e 4 m de profundidade; Transporte para os anéis (variável de acordo com a distância); Pneus de caminhão usados modelos: 275; 80 x 22,5; 10 x 20; 11 x 22 ou similares; Varas de vergalhão de aço ? 1/2" cortadas a cada 2,4 m; Marcação da área, limpeza do terreno a ser trabalhado o barramento, escavação da vala na parte mais arenosa do riacho para colocação da primeira camada de pneu; Pneus de veículos aro 13, 14, 15, ... E similares após cortado em bandas e laterais; Marcação do terraceamento em curva de nível (mangueira de nível, pé de galinha etc.);

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Para construir uma só tecnologia faz-se necessário homem-máquina, portanto, como se necessita de 10h máquina para todas as tecnologias e o valor de cada uma é em torno de R$ 1.500,00, logo será mais viável aproveitar a máquina no local e executar todas as tecnologias em conjunto.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Prefeitura Municipal de Campina Grande -
Prefeitura Municipal de Caturité -
Prefeitura Municipal de Cabaceiras -
Prefeitura Municipal de Cubati -
Prefeitura Municipal de Pombal -
Prefeitura Municipal de Picuí -
Prefeitura Municipal de São João do Rio do Peixe -
Prefeitura Municipal de Boa Vista -
Prefeitura Municipal de São João do Cariri -
Prefeitura Municipal de Poço Dantas -
Conselho Nacional de Pesquisa- CNPq -
Banco do Nordeste - ETENE -
FUNASA -
Impacto Ambiental

Evitar que através dos barramentos o solo seja carreado, assoreando açudes e barreiras. Minimizar o efeito da escassez dos recursos hídricos no semiárido. Viabilizar uma utilidade para os pneus usados.

Forma de Acompanhamento

Monografias de estudantes, dissertação de mestrado, tese de doutorado, bem como visita técnica por parte da equipe e profissionais interessados em adotar a tecnologia, assim como entidades governamentais.

Forma de Transferência

Cursos, Cartilha informativa, Vídeos, Entrevistas em jornais, Publicações, Palestras educativas, Trabalhos em congressos, dentre outros.

Endereços eletrônicos associados à tecnologia