Arte Naturalista

certificada 2015

Instituição
Instituto de Pesquisas em Tecnologia e Inovação
Endereço
Avenida Principal, 272 - Povoado do Crasto - Santa Luzia do Itanhy/SE
E-mail
ipti@ipti.org.br
Telefone
(79) 3255-1664
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Renata Piazzalunga(11) 98314-3094
Saulo Faria Almeida Barretto(79) 8843-2171saulo@ipti.org.br
Resumo da Tecnologia

O Arte Naturalista busca associar jovens talentos locais em arte e os ativos imateriais da região para promover desenvolvimento social e econômico, em especial em regiões de baixa renda, através da criatividade e do protagonismo juvenil. A tecnologia foi desenvolvida no município de Santa Luzia do Itanhy, cujo patrimônio imaterial é o manguezal, e focou nas técnicas de ilustrac¸a~o. O projeto formou um núcleo altamente qualificado, cujos membros atuam profissionalmente como ilustradores e como instrutores de arte nas escolas municipais, re-aplicando a tecnologia social de forma contínua e construindo oportunidades inovadores de trabalho e renda para si e para outros jovens da região.*{ods4},{ods8}*

Tema Principal

Educação

Tema Secundário

Renda

Problema Solucionado

Regiões como Santa Luzia do Itanhy, localizada no sul de Sergipe e um dos municípios mais pobres do Brasil (IDH: 0,545) estão submetidas a um ciclo de perpetuação da pobreza, instaurado há décadas. Nestas regiões, dois importantes ativos econômicos, capazes de reverter este quadro, são constantemente negligenciados, que são a criatividade e o patrimônio imaterial. Regra geral, as opções para jovens talentos nestas regiões é migrar para algum grande centro ou acabar substituindo suas habilidades criativas pelas opções de trabalho tradicionais, quase sempre de baixa renda, desperdiçando preciosa oportunidade de promover alguma transformação na realidade local. Alguns fatores que contribuem negativamente para que ações de valorização destes ativos sejam implantadas tais como o tempo necessário para tangibilizar os resultados, o acesso ao mercado, tanto para comercialização quanto para alinhamento dos produtos, e os custos para assegurar escala.

Objetivo Geral

Qualificar jovens talentos em técnicas de ilustração para atuarem profissionalmente e como professores de arte nas escolas, tendo como referência estética o manguezal, principal patrimônio ambiental da região de Santa Luzia do Itanhy.

Objetivo Específico

Estruturar um núcleo qualificado em ilustração (aquarela, pontilhismo, grafite e pastel), capaz de atuar profissionalmente. Capacitar este núcleo de ilustrac¸a~o para atuar na disseminação das técnicas de ilustração, atuando como professores de arte nas escolas dos respectivos povoados, tendo como referência estética o manguezal, principal patrimônio ambiental da região de Santa Luzia do Itanhy. Estruturar um modelo de negócios baseado na criatividade e na estética do manguezal, que permita gerar trabalho e renda qualificados para jovens talentos locais Melhorar a consciência ambiental das crianças e adolescentes dos povoados beneficiados pelo projeto, a partir da ressignificação estética dos elementos que compõem o manguezal.

Descrição

A construção da Tecnologia Social Arte Naturalista teve início com um processo de seleção de jovens talentos em desenho (grafite e lápis de cor), de todos os povoados de Santa Luzia do Itanhy, com idade entre 11 e 17 anos. A divulgação deste processo de seleção contou com o apoio das escolas municipais, numa estratégia de articulação visando a re-aplicação futura da tecnologia. Um total de 97 alunos se candidataram para processo de seleção, que durou uma semana e selecionou os 20 adolescentes mais talentosos. Na primeira fase do projeto, estes 20 alunos receberam uma formação em técnicas de ilustrac¸a~o, tais como aquarela, pontilhismo e grafite, num total de 13 aulas, ao longo de 13 meses. Estas aulas ocorriam na sede do IPTI, no povoado do Crasto, sempre aos finais de semana (sábado e domingo), ministradas por um experiente professor de ilustrac¸a~o e disponibilizando para os alunos os melhores materiais de arte disponíveis, na medida em que eles iam evoluindo no domínio das técnicas. Ao longo do curso 10 alunos acabaram desistindo, alguns deles por terem se mudado para grandes centros, principalmente na região sudeste, atraídos por convites de parentes, porque esta ainda parece ser a mais promissora oportunidade de trabalho e renda para moradores de regiões como esta. Em abril de 2013 realizamos uma exposição no Museu da Gente Sergipana, em Aracaju, com 24 dos melhores trabalhos dos alunos formados, que foi para eles a primeira experiência de frequentar um museu, juntamente com os seus familiares. A fase seguinte da Tecnologia previa a continuidade no desenvolvimento das técnicas, incluindo pastel, a elaboração do material de re-aplicação, totalmente baseado na estética do manguezal, principal ecossistema local, e na capacitação dos alunos em ilustrac¸a~o digital, técnica com maior potencial para a prestação de serviços para clientes remotos, via Internet, e também para a elaboração de produtos voltados ao mercado de design. A proposta de re-aplicação da Tecnologia Social consistia em elaborar cartilha de apoio ao ensino de ilustrac¸a~o com grafite e lápis de cor, que são os recursos que os alunos da rede municipal dispõem. Estas cartilhas foram elaboradas de forma participativa, envolvendo os alunos e o professor do Arte Naturalista, sob a supervisão da equipe de pesquisadores do IPTI. O objetivo era chegar num material simples e eficaz de apoio ao ensino de ilustrac¸a~o, levando em conta a inexperiência do grupo em lecionar, já que a maioria tinha acabado de concluir ou estava concluindo o ensino médio. A cartilha de grafite ficou pronta no final de 2013 e no início de 2014 começamos a re-aplicar a tecnologia em 4 escolas municipais, duas delas (povoados Rua da Palha e Riacho do Marco) com os ilustradores atuando como instrutores, remunerados pelo Programa Mais Educação, do MEC, e duas (Crasto e Pedra Furada) onde eles atuaram como voluntários, por ainda não preencherem os requisitos exigidos pelo Mais Educação. Em 2014 a cartilha de lápis de cor ficou e ao longo deste ano foram beneficiadas mais de 500 adolescentes, destas 4 escolas, sendo que 12 novos jovens com talento para ilustrac¸a~o foram identificados e integrados ao grupo principal, para aprenderem as técnicas mais sofisticadas. Em 2015 as experiências de re-aplicação foram ampliadas, agora incluindo a escola do povoado Taboa, e a ampliação de 6 para 10 turmas, na escola da Rua da Palha. Também neste início de ano, elaboramos a metodologia para a re-aplicação do Arte Naturalista em outros municípios. Esta outra forma de re-aplicação consiste em implantar a tecnologia desde o início, levando em conta que estes novos municípios ainda não contam com um núcleo qualificado de ilustrac¸a~o. Ou seja, a re-aplicação consistirá na divulgação do processo seletivo de talentos (20 no final), formação destes jovens talentosos nas técnicas de ilustrac¸a~o, ao longo de 12 meses (24 horas mensais), qualificando o grupo para atuarem como ilustradores e também na re-aplicação da tecnologia nas escolas dos seus respectivos povoados. Quanto ao desenvolvimento de produtos, o grupo principal de ilustradores de Santa Luzia do Itanhy se especializou em ilustrac¸a~o digital e tem atuado de duas formas distintas. Primeiro como apoio técnico a projetos do próprio IPTI, na área de educação, que requer muitas ilustrações digitais, tanto para material impresso quanto digital (tablets). A outra forma é se especializando em estamparia digital. Para isso, realizamos uma parceria com um estúdio de Campinas, que realizou oficinas, quando foram produzidas as primeiras 3 camisetas usando estampas baseadas nos desenhos dos ilustradores. Em função da qualidade do trabalho, estamos negociando parcerias com 3 grupos privados, dos ramos de louça, moda feminina e jóias, para apoiarem a formação profissional dos jovens ilustradores de Santa Luzia do Itanhy, que por sua vez estão num processo de abertura de uma produtora comercial, algo que deve estar formalizado até julho de 2

Resultado Alcançado

Em abril de 2013, 10 alunos do projeto realizaram uma exposição com 24 trabalhos de ilustração no Museu da Gente Sergipana, em Aracaju. A partir desta exposição, conseguimos apoio financeiro para seguir adiante, com a fase de qualificação em ilustração digital e de preparação destes alunos para atuarem como professores de arte nas escolas dos seus respectivos povoados, e estabelecemos parceria com uma empresa do setor privado, de São Paulo, para desenvolver habilidades profissionais dos alunos, em ilustração digital. Em 2014, os alunos do projeto beneficiaram mais de 500 crianças e adolescentes das escolas dos povoados Rua da Palha, Pedra Furada, Crasto e Riacho do Marco, em alguns casos atuando como instrutores do Programa Mais Educação, o que implica em remuneração. Destes novos alunos, 6 talentosos foram identificados e incorporados ao grupo principal de ilustração, que é responsável por ensinar as técnicas mais sofisticadas de ilustrac¸a~o. Em 2015 esta ação foi ampliada e nossa expectativa é de beneficiar mais de 600 alunos da rede municipal de ensino. Neste início de 2015 o grupo conclui um catálogo científico ilustrado, com textos em português e inglês e 32 ilustrações de elementos do manguezal de Santa Luzia do Itanhy, e o CNPq aprovou a impressão de 2.000 unidades deste catálogo, algo que deve ocorrer no segundo semestre de 2015. Graças a uma parceria com um estúdio de estamparia digital de Campinas, os ilustradores produziram 3 modelos de camisetas, as quais estão sendo produzidas e devem ser lançadas até agosto de 2015, configurando o primeiro produto comercial do grupo. No momento, estamos negociando parcerias com 3 grupos privados, dos ramos de louça, moda feminina e jóias, para apoiarem a formação profissional dos jovens ilustradores de Santa Luzia do Itanhy e lançarem coleções baseadas nas ilustrações de elementos do manguezal, contribuindo para a geração de trabalho e renda e também para uma melhor conscientização sobre importância da preservação deste importante ecossistema. Por fim, as obras dos jovens ilustradores foram expostas por 2 vezes em Brasília, durante o Fórum Mundial de Direitos Humanos (Dez/13) e da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (Out/14), ambas a convite do MCTI, que também financiou a presença de alguns dos ilustradores nestes eventos. As atividades do projeto estão documentadas num blog: http://arte-naturalista.blogspot.com.br/

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Santa Luzia do Itanhy / SergipeCrasto, Rua da Palha, Riacho do Marco, Pedra Furada, Taboa02/2012
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Adolescentes
Afrodescendentes
Alunos do ensino fundamental
Alunos do ensino médio
Assentados rurais
Crianças
Famílias de baixa renda
Jovens
População Ribeirinha
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

A Tecnologia Arte Naturalista pode ser re-aplicada de 2 maneiras. Ou nas escolas, quando já há um núcleo de ilustrac¸a~o estruturado, ou nos municípios, neste caso para estruturar um núcleo. No caso da re-aplicação nas escolas os recursos materiais se restringem a grafite, lápis de cor e papel sulfite, recursos usualmente já disponíveis para os alunos. No caso da re-aplicação da Tecnologia Social em municípios os recursos materiais se referem ao material de ilustrac¸a~o, composto por: 3 tipos de blocos de desenho, estojos de nanquim, aquarela e grafite e 4 tipos de pincéis para aquarela. O valor total deste material, por aluno, é de R$ 500,00, valor que permite adquirir um kit completo, semi profissional.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

No caso da implementação da tecnologia nas escolas, o valor pago por cada turma do Mais Educação é de R$ 1.200,00 (10 meses, 80 horas), sendo que praticamente não há custos relacionados aos recursos materiais. No caso da implantação em municípios o valor total é de R$ 52.500,00, que inclui 288 horas de aula, viagens e os materiais para 20 alunos pré-selecionados, quantidade ideal de uma unidad

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
AMBEVapoiadora
Instituto OI Futuroapoiadora
Secretaria Municipal de Educação de Santa Luzia do Itanhyapoio logístico
Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Grafitedownload
Lápis de cordownload
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

Gostaríamos de acrescentar um aspecto do projeto, relacionado ao fato das crianças e adolescentes estarem tendo aulas de arte com jovens do próprio povoado, que atingiram um grau de qualidade nas técnicas de ilustração antes inimaginável. Isso tem proporcionado uma relação interessante entre instrutores e alunos, aqueles percebendo o reconhecimento e admiração dos alunos, ao passo que estes últimos vêm uma possibilidade real de atingirem nível de excelência, mesmo residindo em povoados de extrema pobreza e longe dos grandes centros. Nossa parceria com as escolas municipais aposta no poder transformador que a formação de elites intelectuais tem para quebrar ciclos de perpetuação da pobreza, da passividade e de assistencialismo instaurados há décadas em regiões como Santa Luzia do Itanhy