Banco Comunitário Verde Vida

certificada 2015

Instituição
Instituto Verde Vida
Endereço
Rua Euclides da Cunha, nº 47 - Ataíde - Vila Velha/ES
E-mail
institutoverdevida@hotmail.com
Telefone
(27) 3289-6785
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
João Manoel Ribeiro dos Santos(27) 3339-6785joao.ataide@hotmail.com
Priscila Batista da Silva(27) 3289-7129
Resumo da Tecnologia

O Banco Comunitário Verde Vida consiste em um espaço de troca de resíduos recicláveis (Plástico, óleo saturado, papelão e alumínio) por alimentos provenientes da cesta básica e/ou a moeda social Verde, conveniada com comércios da região. Tem como princípios a autogestão, consumo responsável, preservação do meio ambiente, combate à fome e à miséria e geração de trabalho e renda. O Banco Verde Vida e a Troca Solidária possibilitam a conscientização ambiental, o consumo sustentável e a inclusão social, ao passo em que o morador, com seu próprio trabalho consegue garantir seu sustento, pois muitas famílias atendidas pela Troca Solidária estão em situação de vulnerabilidade financeira.*{ods8},{ods12},{ods13}*

Tema Principal

Meio ambiente

Tema Secundário

Renda

Problema Solucionado

A região da Bacia do Rio Aribiri engloba 22 (vinte e dois) bairros e 75 (setenta e cinco) mil habitantes, compreendendo os seguintes bairros da cidade de Vila Velha – ES: Alecrim, Ataíde, Argolas, Aribiri, Atalaia, Cavalieri, Chácara do Conde, Capuaba, Dom João Batista, Garoto, Ilha da Conceição, Ilha das Flores, Paul, Pedra dos Búzios, Planalto, Primeiro de Maio, Santa Rita, Sagrada Família, Vila Batista, Vila Garrido e Zumbi dos Palmares, sendo aproximadamente 95% destes bairros cortados pelo Rio Aribiri, que outrora, já foi uma das principais opções de lazer e de geração de renda dos moradores. Com o processo de crescimento desordenado, representado pela pressão de projetos economicistas, deficiência no sistema de esgotamento sanitário e carência de ações voltadas à gestão participativa e à educação ambiental, o Rio Aribiri vem perdendo suas características. Os moradores nas diferentes comunidades da região vêm se movimentando para minimizar esses impactos, mobilizando a construção conjunta do Banco Comunitário Verde Vida, gerenciado pelos próprios moradores, visando o maior sonho da comunidade que é rever o Rio Aribiri como fonte de vida novamente.

Objetivo Geral

Projeto de desenvolvimento local com inclusão social, voltado ao meio ambiente e geração de renda na perspectiva da economia solidária, preservação do meio ambiente, autogestão e consumo responsável.

Objetivo Específico

- Fortalecer as capacidades de ação coletiva e o capital social do Banco Comunitário Verde Vida; - Fomentar a participação ativa da comunidade como forma de atuação direta nos processos de gestão e tomada de decisões; - Estabelecer novas relações com o meio ambiente e incentivar a coleta de resíduo sólido e líquido na Região; - Estimular a participação das famílias nas atividades e oficinas do projeto, como espaço de troca e geração de trabalho e renda.

Descrição

O Banco Comunitário, inaugurado há 6 anos, dispõe de uma moeda social, intitulada “moeda Verde”, com circulação nos bairros abrangentes da Bacia do Rio Aribiri e nos comércios credenciados, podendo ser resgatada na forma de Troca Solidária, na sede do Banco Verde Vida. A Troca Solidária tem como iniciativa promover a troca de materiais recicláveis (alumínio, plástico e óleo saturado) pela moeda social e/ou por alimentos dispostos no Supermercado Solidário presente na própria sede do Banco Comunitário. Cada reciclável é pesado e revertido em um valor simbólico em moeda social: o alumínio equivale a V$2,50 o quilo; o plástico, comumente garrafa PET, equivale a V$ 0,50 o quilo, o papelão equivale a V$0,10 o quilo e o óleo saturado equivale a V$0,30 o litro. Os resíduos trocados por alimentos de valores correspondentes no Banco Verde Vida posteriormente são vendidos à empresas de reciclagem, que pagam o mesmo valor que o resíduo foi vendido, resultando assim em um processo de circulação de capital, já que o dinheiro é usado nas despesas da sede do Banco, assim como a compra de insumos para o Supermercado Solidário. O Óleo saturado recolhido do meio ambiente, posteriormente, é destinado para a fabricação de sabão ecológico e fabricação de biodiesel por meio de parcerias com empresas. O Banco Comunitário Verde Vida é um instrumento de integração e possibilidade de tornar tangíveis as várias iniciativas comunitárias, porém, de forma inovadora e emancipatória, já que as decisões para o investimento comunitário são definidas no Fórum de forma coletiva, garantindo a todos integrantes a oportunidade de decidir, de fortalecer e de se apropriar dos resultados obtidos pelas diferentes soluções criadas pelos cidadãos coletivamente, além de contribuir para maximizar os resultados sociais oriundos de investimentos do setor governamental, do privado e da sociedade civil. Vale destacar que o Banco Comunitário Verde Vida não é uma instituição financeira, ele valoriza o capital social, que possibilita que um número maior de pessoas possam ser envolvidas, gerenciado pela comunidade.

Resultado Alcançado

O Banco Verde Vida está atuando na região da Bacia do Rio Aribiri há anos, com a participação ativa da comunidade. Muitos moradores afirmam que depois do projeto, puderam guardar dinheiro em uma poupança, ou investir em melhorias da sua casa. Esse trabalho propicia à comunidade qualidade de vida pelo seu próprio trabalho, sem assistencialismo, fortalecendo o trabalho em equipe e a sustentabilidade do meio-ambiente, assim como incentivo para as próximas gerações. Durante esses seis anos, o trabalho na Troca Solidária do Banco Verde Vida trouxe grandes melhorias na região. Juntamente com a comunidade, retiramos do meio ambiente, de janeiro a maio de 2015, uma quantia de 22.998 kg de PET; 1084 kg de papelão; 450kg de alumínio e 3.472L de óleo saturado. Em relação aos atendimentos no Supermercado Solidário, somamos 668 famílias atendidas neste período de 6 meses, com o total de 3.060kg de alimentos trocados pela comunidade. Com a execução desse projeto, pretendemos aumentar o número de toneladas retiradas do meio-ambiente, assim como mais pessoas atendidas e participantes ativas no Banco Comunitário Verde Vida.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Vila Velha / Espírito SantoRegião da Bacia do Rio Aribiri, reigão de Paul, Aribiri, Santa Rita e Grande Cobilândia.08/2008
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Adulto
Analfabetos
Artesãos
Catadores de material reciclável
Desempregados
Empreendedores
Famílias de baixa renda
Lideranças Comunitárias
Organização não Governamental
População em geral
População em situação de rua
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

O resursos materiais necessários para a implementação do Banco Comunitários são os seguintes: Primeiro passo: fazer um diagnóstico junto com a comunidade para ver se é viável a construção do banco; Segundo passo: É necessário que tenha uma entidade formal para dar abrigo jurídico ao banco Terceiro passo: Encontrar o local para a implementação do banco e comprar equipamentos usados nas atividades Estrutura física: Uma área de no mínimo 300m², uma sala para o Supermercado Solidário juntamente com o escritório de 200m², uma cozinha de 9m² e um banheiro de 2,5m². Locação do local: R$1.200,00 Equipamentos utilizados: 2 balanças (uma grande no valor de R$2.200,00, para a pesagem dos resíduos, e uma pequena de R$100,00 para a pesagem de alimentos), 5 prateleiras (R$250,00), mesa para escritório (R$300,00), 2 computadores (R$3.000,00), 1 impressora (R$600,00), um armário de cozinha (R$350,00), 1 fogão (R$700,00), 1 botijão de gás (R$80,00), 1 geladeira (R$1.200,00), acessórios para cozinha (R$ 200,00), uma pia de cozinha (R$200,00), bebedouro (R$150,00), 3 mesas (R$150,00), 50 cadeiras (R$1.500,00), insumos de escritório (R$125,00). Recurso financeiro: R$2.000,00 em moeda social, R$2.000,00 para o fundo de lastreamento da moeda, R$2.000,00 para a compra de alimentos (troca solidária).

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Valor total dos equipamentos: R$10.980,00 Valor total mensal financeiro: R$11.525,00 (manutenção da moeda social) Valor total da implementação da tecnologia: R$22.505,00

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Movimento Vida Nova Vila Velha - MOVIVE -
Nossa Casa Senhora de Lourdes -
Fundação Otacílio Coser -
Rede Capixaba de Bancos Comunitários -
Escelsa -
Instituto Federal do Espírito Santo - IFES -
Grupo Comunidade em AcãoAssessoria de apoio e fomento
Fábrica de Sabão Ecológico Verde Vida -
Marca Ambiental -
Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Lista de presença (reunião especificada na foto)Baixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

O Banco Comunitário Verde Vida atua em nossa comunidade da região da Bacia do Rio Aribiri há 6 anos. Com a execução deste projeto poderemos dar continuidade a este trabalho tão importante para revitalização ambiental de nossa cidade. Pretendemos, com isso, fortalecer o uso da moeda social em grande escala a partir das trocas, aumentar a quantidade de moedas utilizadas nos comércios credenciados e aumentar o número de circulação, além da exemplificação da importância da coleta seletiva; destinação correta dos resíduos; reciclagem para uso doméstico e reutilização e acomodação de resíduos recicláveis e não-recicláveis, atuação da comunidade em diversos âmbitos do projeto, como a coleta de resíduos, grupos produtivos, reuniões mensais e reconhecimento da moeda social.