Equipamentos de baixo custo e fácil fabricação para pessoas com deficiência

certificada 2015

Instituição
Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)
Endereço
Av. Sete de Setembro n.º 3165 - Centro - Curitiba/PR
E-mail
godke@utfpr.edu.br
Telefone
(41) 3310-4652
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Francisco Gödke(41) 3310-4659godke@utfpr.edu.br
Resumo da Tecnologia

Em parceria estabelecida entre a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e Escolas Especiais de Curitiba e Região Metropolitana, os alunos do Departamento Acadêmico de Mecânica (DAMEC), em conjunto com pais, professores e profissionais de saúde das escolas parceiras, vem atuando desde 2010, no desenvolvimento de diferentes soluções tecnológicas em apoio à reabilitação, melhora de qualidade de vida e inclusão social das pessoas com deficiência. Assim, equipamentos de baixo custo e envolvendo baixa mecanização, o que permite que pessoas leigas possam facilmente reproduzi-los, foram projetados, construídos, testados e disponibilizados para escolas especiais e comunidade em geral.*{ods3},{ods8}*

Tema Principal

Saúde

Tema Secundário

Renda

Problema Solucionado

Inúmeros são os recursos tecnológicos existentes em apoio a reabilitação ou melhora de qualidade de vida das pessoas com deficiência. No entanto, poucas são as pessoas que dispõe de recursos financeiros para acessá-las. E ainda, em muitos casos, há a necessidade de se customizar a tecnologia para atender um determinado caso específico, fato este que dificulta ainda mais o seu acesso, seja porque os custos passam a ser significativos para o desenvolvimento de uma unidade, seja em função do não interesse das empresas em investir nesse viés de desenvolvimento. Por outro lado, mesmo as instituições que atendem pessoas especiais também carecem de um parque tecnológico mais amplo principalmente em função do alto investimento necessário. Desta forma, em sendo a universidade uma instituição pública e geradora de conhecimentos, torna-se viável, através de uma ação integrada entre diferentes instituições que atendem pessoas com deficiência e os alunos da universidade, um trabalho conjunto no sentido de se gerar ou atender demandas específicas em termos de desenvolvimento de equipamentos customizados ou não, objetivando o atendimento das pessoas especiais.

Objetivo Geral

Desenvolver soluções que permitam que as Escolas Especiais e familiares de pessoas com deficiência tenham acesso a diferentes tecnologias, de baixo custo e baixa mecanização, em apoio as atividades diárias que desenvolvem junto a essas pessoas.

Objetivo Específico

- Possibilitar que a própria comunidade desenvolva parte dos recursos tecnológicos necessários ao atendimento diário das pessoas com deficiência; - Permitir o acesso das pessoas com deficiência a diferentes recursos tecnológicos em apoio a sua reabilitação e/ou melhora de qualidade de vida; - Possibilitar que profissionais da saúde, que atendem pessoas com deficiência, possam contar com o apoio de diferentes equipamentos no desenvolvimento de suas atividades de reabilitação; - Permitir que um novo horizonte, no que se refere ao desenvolvimento de equipamentos de baixo custo e fácil fabricação para pessoas especiais, seja formado principalmente por meio de troca de experiências e conhecimentos das técnicas já desenvolvidas; - Permitir o surgimento de células de reprodução dos equipamentos já projetados nas próprias Escolas Especiais e/ou comunidade; - Possibilitar que um mesmo equipamento seja customizado a medida que seu usuário passe por mudanças físicas (ex, crescimento);

Descrição

Inicialmente foi criada uma disciplina optativa intitulada "Tecnologia Assistiva" junto a grade do Curso Técnico de Mecânica da UTFPR. Como condição de aprovação na disciplina, os alunos envolvidos deveriam projetar, desenvolver e testar todas as concepções criadas em sala de aula, junto às escolas especiais que seriam parceiras do projeto. E ainda, objetivando o fácil acesso por parte da comunidade aos equipamentos desenvolvidos, foram estabelecidos alguns requisitos de projetos: fácil obtenção da matéria prima, baixo custo, não necessidade do uso de maquinários específicos para sua construção e permitir assepsia. Para definição dos projetos a serem desenvolvidos, os alunos se deslocavam às escolas especiais e em conjunto com os profissionais de saúde e professores das escolas, "pinçavam" os casos a serem trabalhados. A aquisição das matérias primas para confecção dos protótipos ficava a cargo do Departamento de Mecânica. Ao final do semestre, os equipamentos que se mostravam confiáveis e seguros para serem testados, eram doados para as escolas que se encarregariam de informar à universidade sobre os resultados alcançados ou mesmo problemas encontrados durante utilização. Desta forma, foi possível também reformular alguns projetos por meio das novas turmas de alunos envolvidos. Outra ação tomada ao longo do processo foi a criação de um site para divulgação dos trabalhos e, principalmente, para permitir os downloads dos equipamentos que se mostraram funcionais. Desta forma, através da ação conjunta entre alunos e profissionais das escolas especiais, foi possível estabelecer uma metodologia que permitisse o surgimento de equipamentos objetivando atender alguns anseios da comunidade que atende diariamente pessoas com deficiência.

Resultado Alcançado

Já no segundo ano de existência da disciplina de Tecnologia Assistiva, surgiu o Laboratório de Tecnologia Assistiva, a fim de permitir que os alunos desenvolvessem seus protótipos. Alem disso, também passaram a ser vinculados a esse laboratório, estagiários do curso técnico em mecânica, engenharia mecânica e mestrandos em engenharia biomédica, o que corroborou sobremaneira com a qualidade dos trabalhos desenvolvidos. Um site específico para apresentar os trabalhos também foi criado e manuais didáticos foram desenvolvidos para permitir que a comunidade tivesse acesso aos equipamentos que se mostraram funcionais. Ao longo de 5 anos da existência deste trabalho, 7 instituições são parceiras no que se refere ao uso e avaliação dos equipamentos desenvolvidos: - Associação Erceana de Campo Largo; - Centro Educacional Municipal de Atendimento Especializado Professora Lindamir Terezinha Ferreira Ribeiro; - Escola Viviam Marçal; - Escola de Educação Especial 29 de Março; - Pequeno Cotolengo Paranaense; - APAE de Colombo; - Associação de Pessoas Deficientes de Colombo. Embora os equipamentos, quando projetados, são vinculados a um único caso, quando da entrega do equipamento nas instituições outras pessoas passam também a utilizá-lo. Assim, a estimativa atual é de que mais de 60 pessoas foram beneficiadas com os 35 protótipos desenvolvidos. A própria comunidade também foi atendida: 6 famílias procuraram o laboratório e 10 equipamentos foram desenvolvidos de forma customizada para atendê-las. Atualmente, em parceria com o Rotary Club de Curitiba Oeste, financiador do projeto, está sendo implantada uma célula de reprodução de equipamentos na APAE de Colombo. Uma segunda célula de reprodução também está sendo implantada no Pequeno Cotolengo Paranaense por iniciativa da própria instituição. Em ambos os casos, a ideia é de que pessoas das instituições e voluntários da comunidade ajudem na reprodução de equipamentos. E ainda, em função da disponibilização de manuais de 9 equipamentos no site de tecnologia assistiva ações voluntárias de reprodução já se concretizam. Um exemplo concreto pode ser encontrado no próprio site onde, jovens da cidade de Astorga, Paraná, após realizaram um levantamento de quantos cadeirantes existiam nas escolas da cidade e, articulando doações de matéria prima, confeccionaram 10 mesas para cadeirantes (projeto disponibilizado no site) e que foram posteriormente doadas às instituições.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Campo Largo / ParanáAssociação Erceana de Campo Largo06/2010
Campo Largo / ParanáCEMAE06/2011
Campo Largo / ParanáFamília da comunidade10/2012
Curitiba / ParanáEscola de Educação Especial 29 de Março07/2013
Curitiba / ParanáFamília da comunidade03/2013
Curitiba / ParanáFamília da comunidade05/2013
Curitiba / ParanáFamília da comunidade06/2013
Curitiba / ParanáFamília da comunidade11/2014
Curitiba / ParanáEscola Viviam Marçal03/2014
Colombo / ParanáAPAE09/2014
Colombo / ParanáAssociação de pessoas deficientes de Colombo03/2015
Curitiba / ParanáPequeno Cotolengo Paranaense04/2015
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Famílias de baixa renda
Portadores de deficiência
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Para a reprodução dos equipamentos disponibilizados no site , nos manuais de confecção, são necessários, além da matéria prima específica para cada equipamento, os seguintes ferramentais de apoio: - uma bancada pequena (mesa) para fixação de uma morsa, - uma morsa para fixação dos materiais a serem serrados; - um arco de serra para corte de metais; - laminas de serra para metais; - uma furadeira manual pequena, - 1 jogo de brocas de 2mm a 13mm; - uma rebitadeira manual; - 1 chave de fenda tamanho médio; - 1 jogo de chaves de boca (6mm a 13mm); - 1 alicate universal;

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Em relação aos ferramentais de apoio, que poderão ser utilizados para a confecção de diferentes equipamentos, seu custo médio estimado é de R$ 900,00 reais; Em relação ao custo da matéria prima que envolvem os diferentes equipamentos, estes passam a variar de acordo com a quantidade de material a ser empregado, podendo variar de R$ 30,00 (mesa de atividades) a R$ 400,00 (Mesa Estabilizadora)

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Associação Erceana de Campo LArgoUtilização, avaliação e fomentadora de novas propostas de desenvolvimento.
CEMAEUtilização, avaliação e fomentadora de novas propostas de desenvolvimento.
Escola de Educação Especial 29 de MarçoUtilização, avaliação e fomentadora de novas propostas de desenvolvimento.
Escola Viviam MarçalUtilização, avaliação e fomentadora de novas propostas de desenvolvimento.
APAE de ColomboUtilização, avaliação e fomentadora de novas propostas de desenvolvimento.
Pequeno Cotolengo ParanenseReprodução de equipamentos
APAE de ColomboReprodução de equipamentos
Rotary Club de Curitiba OesteFomentadora de recursos materiais
Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Manual da Mesa de AtividadesBaixar
Manual da mesa estabilizadoraBaixar
Manual da Mesa para usuários de cadeira de rodasBaixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

O principal resultado dos trabalhos desenvolvidos até agora é a disponibilização de diferentes tecnologias sociais para comunidades que carecem de recursos financeiros. Além disso, em função das características das matérias primas envolvidas, passa a ser possível que o mesmo equipamento possa ir sendo readequado dimensionalmente quando, por exemplo, houver um crescimento do usuário, ou ainda ter essa matéria prima reaproveitada quando o mesmo perder sua função original para o qual foi projetado. No tocante ao processo de fabricação, pela sua simplicidade, há uma substancial economia de energia já que a confecção passa a envolver uma baixíssima mecanização. Nesse contexto, é maximizada sua produção no mesmo local de consumo, tornando muito mais rápido o acesso ao equipamento.