Bomba D'água Trampolim

certificada 2015

Instituição
Centro de Educação Popular e Formação Social (CEPFS)
Endereço
Rua Felizardo Nunes de Sousa, 7 - Centro - Teixeira/PB
E-mail
cepfs@uol.com.br
Telefone
(83) 3472-2449
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
José Dias Campos(83) 9961-1361cepfsjd@bol.com.br
Resumo da Tecnologia

Certificada também em 2009, 2011 e 2013. A bomba trampolim tem uma estrutura fixa adequada e maior capacidade e qualidade na coleta de água das cisternas. A interação das famílias beneficiadas da tecnologia social bomba d’água bola de gude, cujo custo era alto, portanto, de difícil acesso por parte das famílias rurais, deu origem uma nova tecnologia social.*{ods3},{ods6}*

Tema Principal

Recursos Hídricos

Tema Secundário

Saúde

Problema Solucionado

As famílias do médio sertão da Paraíba, quando conquistam a cisterna de placa, precisam de orientação e ferramentas para o manejo adequado da água captada e armazenada nas cisternas. Sem as ferramentas adequadas muitas delas usam mecanismos inadequados que contaminam a água, deixando-a imprópria para o consumo humano. As primeiras orientações em relação ao tratamento e gerenciamento de água, quando do surgimento das cisternas, foram quanto a separação de um único balde para coleta da água, além dos procedimentos de clorar, ferver, filtrar, etc. Em alguns casos também se orientava que, próximo a cisterna, houvesse um local para manter o balde, de forma a deixá-lo suspenso, sem contato com o solo (ambiente de provável contaminação). Depois de algum tempo surgiu a bomba bola de gude, que facilitou o processo de coleta de água das cisternas, tornando-o mais eficiente. Seu problema, porém, decorria de aspectos de fragilidade em sua estrutura e conseqüente uso inadequado do equipamento por parte das famílias. Havia um grave problema: por não saberem usá-lo, as famílias danificavam a bomba e acabavam voltando a fazer uso do balde como forma de coleta de água das cisternas.

Objetivo Geral

Desenvolver uma bomba (ferramentas de manejo), através de um processo de inovação, capaz de melhorar a coleta da água armazenada em cisternas em residências rurais no semiárido da Paraíba, com custos acessíveis para as famílias de baixa renda.

Objetivo Específico

Reduzir os riscos de contaminação da água captada e armazenada em cisternas ou poço; - Diminuir a força mecânica para o bombeamento, permitindo o uso por mulheres, crianças e idosos; - Proporcionar processos de aprendizado, mediante interações originadas por informações, troca de experiências, etc., de modo a permitir o acesso à construção de ferramentas adequadas para a coleta de água das cisternas, sem contaminação, por famílias de baixa renda; - Promover inovações a partir da experiência de bomba d'água aro trampolim, já desenvolvida anteriormente, com possibilidade de diminuição de custo e avanço em escala; - Melhorar as condições de saúde de famílias de baixa renda contempladas com cisternas de placas a partir da implantação da tecnologia social bomba Trampolim, permitindo um manejo adequado da água de chuva captada e armazenada em cisternas, com custos compatíveis com suas condições de vida; - Fortalecer as experiências de Fundos Rotativos Solidários existentes

Descrição

A partir da experiência da bomba bola de gude e das informações sobre os seus problemas (limites e fragilidades), deu-se início a um processo de inovação que culminou com a criação de uma nova tecnologia social, denominada bomba d’água aro trampolim. A nova bomba foi desenhada com uma estrutura mais adequada e com maior capacidade de coleta de água das cisternas. A bomba do tipo aro trampolim tem maior capacidade de coleta de água do que a bomba de água de cisternas ou de poços do tipo amazonas (poços de grande diâmetro, com um metro ou mais, escavados manualmente e revestidos com tijolos ou anéis de concreto, neste caso com profundidade de até seis metros). A nova bomba nasceu com uma estrutura mais simplificada e adequada, com capacidade semelhante as demais para a coleta de água das cisternas. Seu custo é mais baixo e há maior possibilidade de ganhos de escala, uma vez que é acessível para uma amplo espectro de famílias de baixa renda. Com esta inovação foi possível baixar o custo do produto mantendo sua qualidade e aspectos de relevância, como a durabilidade e eficiência no manejo da água de chuva armazenada nas cisternas. Em avaliação feita pelas famílias beneficiadas, a bomba d'água trampolim tem-se constituído uma ferramenta importante que facilita a retirada de água das cisternas, sem contaminação. No processo de implantação da tecnologia social, as famílias que recebem apoio financeiro assumem o compromisso de devolver o apoio que receberam fortalecendo o Fundo Rotativo Solidário existente na comunidade ou, quando ainda não existe, são estimuladas a criar um Fundo com a finalidade de que outras famílias possam também ter acesso a oportunidade de instalar em sua cisterna uma tecnologia semelhante, com custos acessíveis, melhorando a saúde de sua família e a economia doméstica. Essa dinâmica permite o exercício da solidariedade e a corresponsabilidade dos participantes no processo de construção do desenvolvimento local. A gestão participativa permite outro olhar e construção de um novo comportamento em relação aos recursos necessários à promoção de melhor qualidade de vida. As famílias não são beneficiárias passivas, mas sujeitas que interagem entre si, com a comunidade e além, contribuindo com a reaplicação da experiência em outras comunidades, municípios, regiões, etc.

Resultado Alcançado

O processo de aprendizado permitiu a construção de ferramentas para coleta adequada da água da chuva armazenada em cisternas, beneficiando 145 famílias, 870 pessoas entre crianças, jovens, adultos e idosos. Aliado a isso, permitiu o acesso à coleta de água de boa qualidade à custos mais acessíveis para as famílias rurais de baixa renda, com eficiência e efetividade. Também foram fortalecidas nove experiências de Fundos Rotativos Solidários. O processo de inovação desta tecnologia social permitiu que a coleta adequada de água fosse também acessível a famílias de baixa renda, mantendo aspectos de relevância do processo, como a durabilidade, eficácia e efetividade da ferramenta em questão. A experiência foi difundida entre jovens filhos de agricultores, alunos, professores, técnicos de ONGs e agricultores, somando um público de 320 pessoas (144 mulheres e 176 homens). Esta Tecnologia Social foi também certificada pela Fundação Banco do Brasil na premiação de 2009 e 2011, conquistou do 3º Lugar na categoria Tecnologia do Prêmio Von Martius de Sustentabilidade em 2009 e participou da Exposição na Mostra de Tecnologias sustentáveis do Instituto Ethos em 2010. Conquistou menção honrosa no prêmio AEA de Meio Ambiente na categoria Ação Social, edição de 2013. Conquistou o terceiro lugar na categoria Ação Social do Prêmio Von |Martius de Sustentabilidade, edição 2014.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Teixeira / ParaíbaRiacho Verde04/2010
Teixeira / ParaíbaCoronel05/2010
Cacimbas / ParaíbaSerra Feia04/2010
Cacimbas / ParaíbaCipó05/2010
Cacimbas / ParaíbaJardim05/2010
Cacimbas / ParaíbaSão Sebastião05/2010
Teixeira / ParaíbaBoa vista06/2010
Cacimbas / ParaíbaSanta Fé03/2011
Cacimbas / ParaíbaMonteiro04/2011
Teixeira / ParaíbaCoronel04/2011
Teixeira / ParaíbaSanto Agostinho05/2012
Maturéia / ParaíbaPedra D'água03/2013
Maturéia / ParaíbaPedra D'água04/2013
Maturéia / ParaíbaCatolé05/2013
Teixeira / ParaíbaSanto Agostinho10/2013
Imaculada / ParaíbaLagoa do Rufino10/2013
Imaculada / ParaíbaBarriguda10/2013
Teixeira / ParaíbaCatolé da Pista11/2013
Imaculada / ParaíbaMatinha11/2013
Imaculada / ParaíbaBatedor11/2013
Teixeira / ParaíbaLivramento12/2013
Teixeira / ParaíbaFlores de Baixo12/2013
Imaculada / ParaíbaAmaro12/2013
Imaculada / ParaíbaAçudinho12/2013
Teixeira / ParaíbaSanto Agostinho04/2014
Teixeira / ParaíbaLivramento04/2014
Teixeira / ParaíbaSanto Agostinho09/2013
Teixeira / ParaíbaSão Francisco01/2014
Teixeira / ParaíbaPoços de Cima01/2014
Teixeira / ParaíbaSão José de Belém01/2014
Teixeira / ParaíbaSão José de Belém05/2014
Maturéia / ParaíbaPedra D'água01/2014
Teixeira / ParaíbaCoronel01/2014
Teixeira / ParaíbaCoronel05/2014
Maturéia / ParaíbaTauá01/2014
Teixeira / ParaíbaFava de Cheiro01/2014
Teixeira / ParaíbaFava de Cheiro02/2014
Teixeira / ParaíbaPoços de Baixo01/2014
Maturéia / ParaíbaPedra Lavrada01/2014
Teixeira / ParaíbaSanto Agostinho01/2014
Teixeira / ParaíbaSanto Agostinho02/2014
Teixeira / ParaíbaCatolé dos Machados02/2014
Teixeira / ParaíbaRiacho Verde02/2014
Maturéia / ParaíbaSão João08/2014
Maturéia / ParaíbaCafundó08/2014
Maturéia / ParaíbaMonte Belo08/2014
Teixeira / ParaíbaFlores de Baixo08/2014
Teixeira / ParaíbaGuarita08/2014
Teixeira / ParaíbaSão Fracisco07/2014
Cacimbas / ParaíbaSão Sebastião07/2014
Cacimbas / ParaíbaSão Gonçalo08/2014
Cacimbas / ParaíbaChã e Aracati08/2014
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Adolescentes
Adulto
Agricultores Familiares
Analfabetos
Assentados rurais
Crianças
Desempregados
Famílias de baixa renda
Gestantes
Idosos
Jovens
Lideranças Comunitárias
Mulheres
Quilombolas
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Os recursos necessários: Tubo metalon 20X40 (chapa 18): 1,80 metros; - Barra de 1.1/2:x 1/8 0,6 metros; - Cantoneira U de 3 polegadas: 0,6 metros; - Barra cha de 2 x 1/8 polegadas 0,5 metros, Barra cha de 10/2 x 1/8 0,45 metros, parafusos soberba 1/4x50 sextavado/bucha 04, parafusos sextavado 1 x 1/4 com porca sextavado 01, buchas número 10 04, parafusos 3/8 x 3 1/2 com porca e ruela, sextavado 01, parafusos 5/16x2, com porca e ruela, sextavado 01, parafusos 5/16 x 1 1/2, com porca e ruela, sextavado 01, Eletrodo 2,50 150 grama, tubo industrial de 1/2 0,10 metros, Cano galvanizado de 3/4 1 metro, Tee de 50mm marroom (água) 01, Redução de 50x32mm, marrom (água) 01, luva de 50mm marrom (água) 01, cola d'água grande 01 redução de 32X25mm , marrom (água) 01, m tampão de 25mm, liso, marrom (água) 01, luva de redução 40X32mm, marrom (água) 01, joelho de 25mm, com rosca; marro (água) 01, adaptador de 25X3/4 , marca tigre 01, válvula de poço de 3/4 01, cano de 50mm, marca MISSU: 03 metros; cano de 25mm, marca Kep: 01 metro, canos de 32mm marca kep 1 metro, registro de 25mm 01, luva de 40mm de esgoto 01, redução de 40x25mm marrom (água 01, redução de 50x25mm, marrom (água) 02, latinha de tinta óleo de 100ml 01, adaptador de 25 para 3/4 de mangueira 01.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

A implantação da tecnologia tem um custo total médio de, R$ 226,50 (duzentos e vinte e seis reais e cinquenta centavos) por família beneficiada.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
União das Associações Comunitárias do Município de Teixeira - UNACTMobilização social das famílias beneficiárias
Central das Associações comunitárias do Município de Cacimbas e Região CAMECMobilização Social das famílias beneficiárias
BrazilFoundationApoio financeiro para o desenvolvimento da tecnologia
Fundo Finlandês de Cooperação Local da Embaixada da FinlândiaApoio financeiro para o desenvolvimento da tecnologia
IABS Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e SustentabilidadeApoio financeiro através do prêmio Mandacaru para o desenvolvimento da tecnologia
OI FuturoApoio para o desenvolvimento da tecnologia
PetrobrasPatrocínio através do programa Socioambiental
Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
SemiáridoBaixar
Bomba AroBaixar
ApresentaçãoBaixar
Anexo IBaixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

A bomba d'água trampolim constitui-se uma ferramenta eficaz no processo de coleta de água das cisternas para o consumo humano, com custo acessível para famílias rurais de baixa renda. Pode ser útil não só para coleta de água para beber, mas, também para pequenas irrigações, facilitado o bombeamento da água permitindo sua otimização do ponto de vista de racionamento. Pode ser uma referência a ser incorporada pelas políticas públicas governamental para o atendimento de demanda em larga escala, no semiárido brasileiro.