Sistema de Acesso à Água Pluvial para Consumo das Comunidades Extrativistas

vencedora 2015

Instituição
Associação dos Produtores Rurais de Carauari (ASPROC)
Endereço
Rua Castelo Branco, 380 - Centro - Carauari/AM
E-mail
asproc.associacao@gmail.com
Telefone
(97) 3491-1023
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Antonio Adevaldo Dias da Costa(92) 99104-2622adevaldo13@hotmail.com
Clodoaldo Ramos Pontes(92) 99264-6243clodoaldo.amazonia@gmail.com
Resumo da Tecnologia

Trata-se de um sistema de saneamento e captação de água de chuva - telhado das casas - e fonte complementar (rios ou poço artesiano), construção de unidade sanitária domiciliar (placa pré-moldada ou madeira) e com dispositivo de tratamento. O processo de instalação física da tecnologia social se baseia na captação de água de chuva, em reservatório familiar de água com capacidade de 1.000 litros e unidade de reservação e tratamento comunitário com capacidade de 15 mil litros. O sistema comunitário consiste na captação, tratamento e rede distribuição comunitária.*{ods3},{ods9},{ods13}*

Tema Principal

Saúde

Tema Secundário

Meio ambiente

Problema Solucionado

1) Alto índice de contaminação das crianças extrativistas por doenças transmitidas pela água; 2) Ausência de água potável aos extrativistas para o consumo humano humano e higiene pessoal; 3) Completa falta de saneamento básicos em comunidades ribeirinhas da Amazônia;

Objetivo Geral

Promoção de acesso a água para o consumo humano e saneamento básico em comunidades extrativistas da Amazônia, por meio da disponibilidade das tecnologias sociais sistema de acesso à água pluvial.

Objetivo Específico

1) Redução de parasitose nas crianças de 0 a 12 anos; 2) Disponibilização de água potável as famílias extrativistas durante o ano inteiro; 3) Provimento de saneamento básico em comunidades extrativistas da Amazônia.

Descrição

O componente para captação da água de chuva (posicionamento das calhas de coleta de água de chuva) é construído ao longo das duas águas do telhado, viabilizado o uso da área total do telhado para a captação da água de chuva. As calhas de coleta da água de chuva são construídas com tubos de 100 mm. Esses devem ser cortados ao meio e encaixados nas duas águas do telhado. As braçadeiras de ferro são anexadas à parede e dão suporte aos tubos de 100 mm cortados. O posicionamento das braçadeiras se dá a cada 50 cm de tubo. Uma vez instalado o componente para captação de água de chuva, ajusta-se a instalação do componente de descarte da primeira água, que fica localizada nas proximidades da caixa d´água de 1000 litros. O componente para captação da água de chuva (posicionamento das calhas de coleta de água de chuva) é construído ao longo das duas águas do telhado, viabilizado o uso da área total do telhado para a captação da água de chuva. O sistema de abastecimento de água complementar é necessário a construção de uma estrutura de proteção (abrigo) do ponto de captação que pode ser flutuante ou fixo no solo. A parte hidráulica é composta por componentes que levam a água, por bombeamento elétrico, da fonte de água até o sistema de tratamento de água. O componente de descarte da primeira água chuva é composto por uma tubulação vertical de 100 mm e um registro na base. Como etapa subsequente ao tratamento simplificado de descarte da primeira água, recomenda-se o uso de um filtro para separação de material particulado finos. Assim, a água armazenada na caixa de 1000 litros é filtrada por um filtro de geossintético, para remoção de sólidos suspensos finos. Esse filtro está localizado na saída da caixa de 1000 litros. Esse filtro é roscável na saída da caixa e é facilmente removido para limpeza. Os geossintéticos não tecidos são mantas fabricadas pela deposição aleatória de fibras poliméricas (monofilamentos contínuos ou cortados), principalmente poliéster e polipropileno. As principais vantagens proporcionadas pelos geossintéticos como elemento filtrante, em relação a outros meios convencionais, como a areia: menor espessura do filtro;• características controladas e regulares por se tratar de um produto• industrial; facilidade de instalação e manutenção; e• baixo custo.• Essas características foram utilizadas para a escolha do uso desse produto como meio filtrante da água de chuva. Desenho da planta baixa em anexo. 9 Tabela 7: Descrição dos itens que compõem o componente de captação da água de chuva. Código SINAPI Descrição do Item Unid. Quant. Instalações Hidrosanitárias 9836 Tubo Pvc Serie Normal - Esgoto Predial Dn 100mm - Nbr 5688 m 22,00 1970 Curva Pvc Longa 90g P/ Esg Predial Dn 50mm unid 3,00 20179 Te Pvc Serie R P/ Esg Predial 100 X 100mm unid 2,00 20088 Cap Pvc Serie R P/ Esg Predial Dn 100 Mm unid 3,00 83 Adaptador Pvc Soldável Flanges Livres P/ Caixa D' Água 75mm X 2 1/2' unid 1,00 11033 Suporte Para Calha De 150 Mm Em Fg unid 8,00 Serviços Diversos 12868 Marceneiro H 16,00 242 Ajudante Especializado (Marceneiro) H 16,00 Esse conjunto de estruturas físicas devem ser construído dentro de um mesmo período. Assim, a implantação desse conjunto de componentes físicos já garante o acesso à água ao longo da maior parte do ano para as famílias beneficiadas. Para a parte do ano (época de verão) quando as taxas de precipitação na região amazônica são reduzidas o sistema de abastecimento de água complementar é acionado.

Resultado Alcançado

Do ponto de vista da execução física foram instaladas 39 tecnologias sociais para os moradores das comunidades de São Raimundo e Imperatriz. 1) Em relação a saúde, redução em 80% as doenças de natureza hídrica nas crianças de 0 a 12 anos e o tratamento e controle de 20% de crianças com verminoses e parasitoses; 2) Em relação a educação, melhora em 95% do rendimento escolar das crianças em idade escolar; 3) Aumento da produção extrativista com a qualidade de vida dos moradores das comunidades; 4) Melhora da formação e organização comunitária em virtude da participação das famílias no processo de construção social, física e ambiental da tecnologia social. Um grande resultado foi o reconhecimento desta tecnologia pelo INCRA, utilizando o modelos nos assentamentos extrativistas na região do Médio Juruá desde 2013. Em 2014 o Ministério de desenvolvimento Social e Combate a Fome também reconheceu esta tecnologia social e está implementando 2800 unidades em quatro estados da Amazônia.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Carauari / AmazonasComunidades de São Raimundo e Imperatriz04/2008
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Adolescentes
Agricultores Familiares
Crianças
Mulheres
População Ribeirinha
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Segue em anexo os recursos necessários.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Para a instalação de 39 tecnologias sociais foram gastos R$ 80.000,00 (oitenta mil reais), então cada tecnologia tem o valor aproximado de R$ 3.310,00 (três mil trezentos e dez reais).

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
UnBPlanejamento técnico e engenharia
PetrobrásRecursos financeiros
Conselho Nacional das Populações Extrativistas - CNSMobilização comunitária e participação social
ASPROCExecução física
Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Manual Digital da TS SANEARBaixar
Manual Impresso da TS SANEARBaixar
Recursos necessáriosBaixar
Apresentação da TSBaixar
Instrução da TS 1Baixar
Instrução da TS 2Baixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologia