Estação de Trabalho - Beneficiamento de Hortaliças

certificada 2015

Instituição
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Endereço
BR 060 Km 09 CP 218 - Gama - Brasília/DF
E-mail
Milza.Lana@embrapa.br
Telefone
(61) 3385-9000
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Milza Moreira Lana(61) 3385-9000Milza.Lana@embrapa.br
Resumo da Tecnologia

A ESTAÇÃO DE TRABALHO é uma estrutura para melhoria das condições de trabalho durante a colheita e beneficiamento das hortaliças na pequena propriedade rural. É composta de: 1) Unidade Móvel de Sombreamento (UMS) ou Casa de Embalagem de Lona 2) Mesa para seleção 3) Carrinho para colheita e transporte das hortaliças .*{ods2},{ods3}*

Tema Principal

Alimentação

Tema Secundário

Saúde

Problema Solucionado

A disponibilidade de infra-estrutura adequada para o preparo pós-colheita das hortaliças está relacionada tanto ao rendimento do trabalho quanto à saúde dos trabalhadores rurais. Também está relacionada à qualidade das hortaliças ao contribuir para a redução de danos físicos e de estresses causados pela exposição a condições ambientais adversas após a colheita. Na maioria das pequenas propriedades rurais, as operações de colheita e beneficiamento são realizadas em condições precárias. Dois grupos de doenças relacionadas ao trabalho são comuns nesta situação: distúrbios osteomusculares e doenças causadas pela exposição ao sol e a altas temperaturas. Os principais danos causados às hortaliças são a aceleração da senescência e da perda de água devido à exposição ao sol e a ventos; comprometimento da aparência devido a sujidades e danos físicos; contaminação do produto em contato com o solo ou com superfícies sujas ou contaminadas com fitopatógenos e /ou com dejetos de animais domésticos e silvestres. O rendimento do trabalho é baixo devido à desorganização do espaço e do fluxo de trabalho e ao cansaço físico e o desconforto térmico sentido pelo trabalhador.

Objetivo Geral

Melhorar a infra-estrutura para colheita e beneficiamento de hortaliças em pequenas propriedades rurais através da instalação de uma casa de embalagem, feita de materiais de baixo custo, facilmente encontrados no mercado local, e que possa ser facilmente transportada de um local para outro.

Objetivo Específico

1. Preservar a qualidade da hortaliça colhida, por meio da redução dos estresses abióticos (calor, deposição de orvalho, chuva e danos físicos) durante a colheita e beneficiamento, e consequentemente, aumentar a sua durabilidade e o tempo disponível para a sua comercialização. 2. Preservar a saúde do trabalhador rural através da redução do tempo de exposição ao sol e dos problemas osteo-musculares devidos ao carregamento de cargas pesadas e/ou distribuídas assimetricamente e devidos a estresses na coluna, nos membros superiores e nos joelhos causados por operações repetitivas e /ou posturas inadequadas. 3. Aumentar o rendimento do trabalho de colheita e beneficiamento de hortaliças através da eliminação de etapas repetitivas, redução do cansaço causado pela sobrecarga do sistema músculo-esquelético, redução do desconforto térmico e pela possibilidade de execução do beneficiamento das hortaliças sob condições de chuva.

Descrição

A ESTAÇÃO DE TRABALHO é uma estrutura composta basicamente de 3 equipamentos que facilitam e aumentam o rendimento das operações de colheita e beneficiamento de hortaliças. O conjunto é adequado para pequenas propriedades rurais, onde não seja viável economicamente a construção de uma casa de embalagem de alvenaria e para meeiros e arrendatários que podem facilmente transportar os equipamentos quando se mudarem para uma nova área de plantio. Propriedades maiores também podem se beneficiar do uso da estrutura para sombreamento como um equipamento de apoio junto à lavoura, onde as hortaliças são mantidas sombreadas até o transporte a casa de embalagem onde são executadas operações mais complexas de beneficiamento, embalagem e armazenamento. A estrutura é adequada a volume de colheita de até 150 caixas de hortaliças/dia, que passam por um processo de seleção e classificação manual não rigorosa (p.ex. separação do produto extra, médio e refugo) e embalagem. Operações de limpeza com pano seco ou úmido também podem ser realizadas neste ambiente. Partes componentes: 1) Unidade Móvel de Sombreamento (UMS) ou Casa de Embalagem de Lona - Compreende uma estrutura de tubo de ferro, leve e desmontável, com cobertura de lona. A estrutura metálica é composta de três arcos unidos na parte superior por uma barra por meio de parafusos. Os arcos são encaixados aos pés fixados no solo e cobertos por lona plástica. O módulo possui 4,85 m de comprimento por 3,5 m de largura e cerca de 2,4 metros de pé-direito na parte mais alta do arco. A estrutura é leve e móvel, o que permite a sua instalação próxima à lavoura, de modo que a hortaliça seja removida para a sombra imediatamente após a colheita. O tamanho da estrutura pode ser ajustado ao volume de produção através da anexação de módulos adicionais, formando uma Casa de Embalagem de Lona. 2) Mesa para seleção com tampo de compensado - Os pés da mesa são feitos de metalon e têm altura regulável, permitindo que o trabalhador ajuste a a altura da mesa mais confortável em função de sua própria altura. Também é possível ajustar a inclinação do tampo, facilitando o alcance das hortaliças a serem selecionadas. As paredes laterais podem ser arranjadas para se obter uma mesa com cocho (depósito de contenção) ou com bica (calha para direcionar as hortaliças). O tampo da mesa é coberto com filme de plástico para evitar danos físicos às hortaliças e facilitar a limpeza. Com o uso da mesa, a seleção das hortaliças é feita de maneira mais rápida e mais eficiente, pois o trabalhador consegue executar o trabalho em posturas mais confortáveis além de visualizar adequadamente os produtos a serem selecionados. 3) Carrinho para colheita e transporte das hortaliças entre a lavoura e a estrutura de sombreamento: - O carrinho é feito de metalon e tubo de ferro e permite o carregamento de até 6 caixas de hortaliças. O mesmo carrinho pode ser usado durante a colheita e para o transporte de hortaliças no mercado. Por ter o encosto dobrável, o carrinho pode ser facilmente transportado juntamente com a carga de hortaliças. Ele permite a movimentação de cargas mais pesadas, comparativamente ao carregamento das caixas e baldes cheios, em postura menos danosa à musculatura e à coluna vertebral e diminui o número de vezes que o trabalhador precisa se abaixar e se levantar para carregar o contentor de colheita. O uso de carrinhos também evita que os contentores de colheita entrem em contato com o solo, facilitando sua manutenção e limpeza e aumentando sua durabilidade, além de evitar que as hortaliças se sujem em contato com o solo 4) Equipamentos adicionais - Por ser uma estrutura móvel construída próxima à lavoura, a UMS e a Casa de Embalagem de Lona são montadas sob chão batido. Recomenda-se o uso de paletes de madeira ou de plástico, piso de plástico ou equivalente para evitar o contato das caixas de hortaliças com o solo.

Resultado Alcançado

A estrutura (com todos, dois ou um dos equipamentos) foi validada em 14 propriedades produtoras de hortaliças do Distrito Federal e entorno. Na primeira fase do trabalho (somente a Unidade Móvel de Sombreamento) o índice de adoção foi de 50%. Na segunda fase (Casa de Embalagem de Lona + carrinho + mesa de seleção) a adoção foi de 90 %. Atualmente a estrutura está em uso em 9 propriedades do DF. Em 1 propriedade que utilizou a UMS por mais de 2 anos, ela foi substituída por uma área sombreada de alvenaria. Em outra propriedade que recebeu a UMS, os vizinhos passaram a utilizar a estrutura por ver seu benefício na conservação das hortaliças. A UMS foi transferida para um dos vizinhos e substituída na primeira propriedade por uma Casa de Embalagem de Lona. Temos pedido de instalação de 2 Casas de Embalagem em MG e 2 em Goiás. As principais razões para a satisfação com adoção dos equipamentos são, segundo os próprios usuários: - Facilitou o trabalho e proporcionou uma melhor qualidade dos produtos após a colheita porque a estrutura "não esquenta a mercadoria" e "ventila bem"; o "produto não murcha"; "melhora a qualidade da verdura: não tá molhada na hora de carregar"; "colhe de manhã e coloca na sombra". - Maior rendimento do trabalho porque a Casa de Embalagem de Lona permitiu trabalhar na sombra com maior conforto para o produtor, assim como “ajudou na chuva” por permitiu classificar a hortaliça enquanto continuava a chover. - A UMS "não tem ponto negativo" e a estrutura é resistente pois “ocorreram fortes ventanias e chuvas na região e que a UMS não foi afetada.” - Menor tempo de trabalho e redução da dor nas costas quando a classificação é feita na mesa ao invés de na caixa. - Seleção mais bem feita na mesa porque “ dá para ver melhor o produto”. - Simplificação do trabalho com o carrinho devido à diminuição do número de viagens (da lavoura para área coberta) e redução da dor nas costas devido ao carregamento das caixas. - Utilização do carrinho para descarregar no mercado porque por ter o encosto dobrável ele é facilmente carregado junto com a carga de hortaliças no transporte.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Planaltina / Distrito FederalChácara 11, Capão Grande, Núcelo Rural Taquara07/2012
Planaltina / Distrito FederalChácara 53, Fazenda Larga, Planaltina07/2012
Planaltina / Distrito FederalChácara 40, Núcleo Rural Taquara07/2012
Planaltina / Distrito FederalChácara 13A, Núcelo Rural Taquara07/2012
Planaltina / Distrito FederalChácara Cristo Rei, Núcleo Rural Taquara,07/2012
Planaltina / Distrito FederalChácara 29, Núcleo Rural Pipiripau07/2012
Planaltina de Goiás / GoiásChácara F5, Assentamento Ouro Verde, Brasilinha07/2013
Planaltina / Distrito FederalChácara 143, Núcleo Rural Pipiripau07/2013
Planaltina / Distrito FederalChácara 7, Pré-Assentamento Oziel Alves 3, Núcleo Rural Pipiripau07/2013
Planaltina / Distrito FederalChácara 2, Fazenda Larga, Núcleo Rural Pipiripau,07/2013
Planaltina / Distrito FederalChácara 90D, Núcleo Rural Rio Preto07/2013
Planaltina / Distrito FederalLote 90, Núcleo Rural Rio Preto11/2013
Planaltina / Distrito FederalChácara 49, Colônia Agrícola São José01/2014
Planaltina / Distrito FederalChácara 90A, Núcleo Rural Rio Preto01/2014
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Agricultores Familiares
Assentados rurais
Produtores rurais - Pequenos
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Para a construção da Unidade Móvel de Sombreamento ou Casa de Embalagem de Lona são utilizados barras de tubo de ferro 1” chapa 18; barra de ferro 5/8 ” frisado redondo; parafuso 1 ½ ” (cabeça francesa); ferro chato 1” x 3/16”; Lona tecido ráfia de polietileno de alta densidade revestido com polietileno de baixa densidade na dimensão de 5 x 7 m; corda de nylon ¼”; ilhoses para lona. Para construção da estrutura metálica é preciso serviço de serralheria. Para a construção do Carrinho para Transporte de Hortaliças são utilizados barras de metalon 40 x 20 mm; ferro chato 1 ¼” x ¼”; ferro maciço redondo ½”; tubo de ferro redondo 1 ¼” , chapa 18; tubo de ferro redondo 1”, chapa 18; esmalte sintético; fundo de acabamento; pneu com roda completo, para carrinho de mão; mola de tração com diâmetro de cerca de 3/4” e comprimento de 12 a 15 cm; Ponteira externa redonda de plástico para tubo de 1 ¼”. Para construção é preciso serviço de serralheria. Para a construção do tampo da mesa são utilizados compensado 15 mm; prego 13 x 15; sarrafo 3 cm x 2 cm; madeira redonda com 2 cm de diâmetro; cola para madeira. Para o cavalete são utilizados eletrodo 2,5 de solda elétrica; metalon 20 x 20 chapa 18; metalon 15 x 15 chapa 18; metalon 30 x 20 chapa 18; parafuso 5 x16”, 3 cm de comprimento; ferro redondo ¼” para fazer as borboletas; tinta esmalte sintético; tiner. Para construção é preciso serviço de serralheria e de marcenaria.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Custo de material (de acordo com mercado de Brasília –DF 2013/14): 1)UMS= R$ 315,00 2)Casa de Embalagem de Lona= R$ 630,00 3)Mesa= R$ 346,00 4)Carrinho= R$ 185,00 Custo UMS = (1) + (3) + (4) = R$ 846,00 Custo CElona = (2) + (3) + (4) = R$ 1.161,00 Caso a lona tenha ilhós a cada 1 metro, será preciso uma máquina de ilhós (balancim) para perfurar a lona a cada 50 cm = R$ 100,00.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Estruturas Metálicas Mineira – Quadra 8 , Lote 25, Núcleo Rural Taquara – Planaltina – DFCo-autoria no projeto da Unidade Móvel de Sombreamento e do Carrinho para Transporte de Hortaliças
Emater - Distrito FederalCo-autoria no projeto da Unidade Móvel de Sombreamento
Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Passo a passo e custo para construção e instalaçãoBaixar
Passo a passo e custo para construção e instalaçãoBaixar
Passo a passo e custo para construção e instalaçãoBaixar
Passo a passo e custo para construção e instalaçãoBaixar
Benefícios para a qualidade da hortaliça, saúde do trabalhador e rendimento do trabalhoBaixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

A Estação de Trabalho é uma tecnologia simples e de baixo custo que contribui para a melhoria da qualidade pós-colheita das hortaliças, ao reduzir a exposição do produto ao sol e a incidência de danos físicos a partir da colheita. Com isso, contribui para a redução das perdas pós-colheita de alimentos, que por sua vez apresenta altos custos financeiros, sociais e ambientais. Além das perdas quantitativas (hortaliças que vão para o lixo porque se deterioram antes do consumo) a melhoria do manuseio pós-colheita contribui para a manutenção da qualidade sensorial, nutritiva e microbiológica do alimento e portanto é componente importante da segurança alimentar do país. Os equipamentos também propiciam condições de trabalho mais saudáveis para o agricultor.