Estratégias de Convivência com o Semiárido

certificada 2015

Instituição
Associação de Apoio ao Desenvolvimento Social Sustentável - Mandacaru
Endereço
AV. Antônio Carlos Magalhães nº 2.501, Edf. Profissional Center sala 705. - Parque Bela Vista - Salvador/BA
E-mail
mandacaru.ong@gmail.com
Telefone
(71) 3491-1976
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Carlos Augusto Rodrigues de Sena(71) 8145-8266diretoriageral@ongmandacaru.org.br
Resumo da Tecnologia

Essa tecnologia é bem simples e de fácil reaplicação, consiste em disponibilizar um kit de equipamentos (triturador forrageiro e balança), Kit de sementes forrageiras (leucena, sorgo forrageiro, milheto e feijão gandu) e realizar curso de convivência com o semiárido. Cada Kit de equipamentos é disponibilizado em um empreendimento comunitário da agricultura familiar demandante, as sementes são distribuídas com os associados do empreendimentos que possuam criações e estejam mobilizados a participar para que com as sementes plantadas em suas propriedades para formação das reservas alimentares estratégicas para alimentação dos seus rebanhos através do conhecimento adquirido no curso.*{ods2},{ods3},{ods8}*

Tema Principal

Alimentação

Tema Secundário

Renda

Problema Solucionado

A falta de recursos e estrutura em comunidades do Semiárido que enfrentam os períodos de seca, fazem com que muitos dos agricultores familiares dessas comunidades, gastem os escassos recursos financeiros que possuem, para a aquisição de rações, na tentativa de evitar que os seus rebanhos sejam dizimados pela fome, muitos se individam para não perderem na maioria dos casos a sua única fonte de renda. A fim de minorar estes flagelos que são causados principalmente pela falta de estrutura e conhecimento, fatores estes mais nefastos do que a própria estiagem. A seca não é só um fator limitante, é também um ciclo natural que se repete e pode deve ser amenizada por um trabalho de informação e motivação que se fazem tão ausentes no semi-árido brasileiro. Estruturar as organizações comunitárias, adequar/ planejar a propriedade familiar com uma melhor infra-estrutura de produção, para que não se tenha a necessidade de vendê-los com baixos peso e preço, ou até mesmo a perda do rebanho, simplesmente pela ausência de uma mínima reserva alimentar e conhecimento que possibilitassem a atravessarem estes períodos de estiagem em melhores condições de convivência com a seca.

Objetivo Geral

Fortalecer os empreendimentos da agricultora familiar do semiárido com kit de equipamentos para uso comunitário com o objetivo de minimizar os efeitos da seca para suas criações, criando reservas alimentares nas propriedades dos agricultores familiares para seus rebanhos nestes períodos.

Objetivo Específico

*Fortalecer as organizações dos agricultores familiares com a entrega de kits de equipamentos (triturador forrageiro e balança) para uso comunitário dos associados; *Disponibilizar kit de sementes forrageiras (leucena, sorgo forrageiro, milheto e feijão guandu), além de estimulá-los a buscar outras alternativas como a palma e outras sementes crioulas, aos agricultores familiares plantarem em suas propriedades para formar reserva estratégica alimentar para os rebanhos em todo o período do ano, minimizando os efeitos dos períodos secos com a perda de peso ou até mesmo a mortalidade dos rebanhos; *Orientar a preservação e maximização da utilização dos recursos naturais disponíveis na caatinga; *Melhorar o entendimento de técnicas de manejo das criações e de melhor uso dos recursos naturais disponíveis no semi-árido; *Ampliar o quadro associação/ participação da(s) comunidade(s) na(s) organização(ões) atendida(s);

Descrição

A Mandacaru, desenvolveu essa tecnologia para execução do projeto Produzindo Desenvolvimento: Atividades Integradas para Agricultores Familiares do Semiárido Baiano, através do convênio com a Secretaria Estadual (BA) de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza - SEDES, conveniado em 2008 esse projeto foi executado durante o biênio 2009-2010, no município de Araci/BA onde aplicamos a tecnologia em 03 comunidades, atendendo um público de cerca 150 famílias de agricultores, que tinham como atividades principais caprinos e aves. Essa tecnologia é bem simples e de fácil reaplicação, primeiramente deve-se ter (ou buscar ter) articulação com o(s) empreendimento comunitário da agricultura familiar (associação, cooperativa, central, etc.) no município do semiárido a ser atendido, é disponibilizado um kit de equipamentos (triturador forrageiro e balança mecânica para pesagem da forragem triturada) para cada empreendimento participante que deve disponibilizar local fechado, seguro e coberto, é disponibilizado Kit de sementes forrageiras (leucena, sorgo forrageiro, milheto e feijão gandu) para cada agricultor familiar demandante mobilizado (associado, cooperado, filiado, etc. ao empreendimento) a participar da ação, é fornecido 01 quilo de cada uma das sementes para cada agricultor para formação de sua reserva estratégica em sua propriedade, o participante é estimulado a buscar outros tipos de sementes, raízes, palma, etc. buscando diversificar e ampliar sua reserva estratégica na propriedade, orientamos a formação de mutirão para o plantio das sementes na formação das reservas estratégicas, guardando sua semente para ampliar sua área caso considere necessário, a implantação das sementes (formação da reserva estratégica) será de base agroecológica, as técnicas serão aprendidas através do curso de convivência com o semiárido (01 curso / empreendimento) antes após o recebimento do(s) kit(s) de equipamento(s) no(s) empreendimentos da agricultura familiar para uso comunitário, e realizado antes de disponibilizar as sementes para formação da reserva estratégica. A operacionalização dessa tecnologia social se dá pela democratização no uso dos equipamentos na sede do empreendimento por seus agricultores familiares participantes de cada organização comunitária participante. O agricultor utilizará os equipamentos triturando a forragem produzida (no triturador forrageiro) e utilizará a balança para pesar cada tipo de forragem triturada (leucena, sorgo forrageiro, milheto, feijão guandu, etc.) e poder formular a ração de acordo com as forragens trituradas de acordo com o conhecimento adquirido em curso de convivência com o semiárido, na quantidade e periodicidade de acordo com sua necessidade. O curso de convivência com o semiárido tem o objetivo de orientar métodos que possibilitem a sobrevivência dos rebanhos na seca, melhorar o entendimento de técnicas de manejo das criações, de melhor uso dos recursos naturais disponíveis no semiárido, com duração de 24 horas, com uso de práticas de campo, possibilitando a troca de saberes da equipe técnica com a comunidade, nessa prática é interessante fornecer alimentação aos participantes para que não haja dispersão. A MANDACARU desenvolve uma metodologia para aplicação dessa tecnologia social, em que todos são considerados sujeitos da ação. Não se trata de identificar pessoas a serem beneficiadas, mas sim de construir com as pessoas o processo da resolução do problema/ dificuldade, de trabalho e de seu próprio desenvolvimento. buscando promover o indivíduo como um ser capaz de aprender e produzir conhecimento, acreditando na capacidade das pessoas mudarem a si mesmas e a realidade. Organizando-o e capacitando-o para produção coletiva do conhecimento e de sua autonomia em vista a sustentabilidade é o elemento fundamental deste processo. A mobilização comunitária, a socialização da tecnologia, a implantação da tecnologia no nosso entendimento se faz necessária uma assessoria técnica mínima com pessoal qualificado para tal, no caso da Mandacaru na aplicação da tecnologia social no projeto produzindo desenvolvimento, tínhamos um coordenador técnico, um consultor da área das ciências agrárias de nível superior e um profissional de nível técnico agropecuário (para cada empreendimento (considerando um grupo de até 100 participantes, incluindo ao menos 03 visitas a cada uma das propriedades) de preferência do próprio município. A comunidade é o sujeito do processo e torna-se importante trabalhar a dimensão de organização coletiva, atuando no questionamento, participando ativamente das atividades e na percepção dos resultados. Para a Mandacaru cada agricultor familiar participante não simboliza apenas um numero estatístico, mas sim uma realidade de miséria que pode ser convertida com a chegada de pequenas ações de entidades como a nossa e com apoio governamental no que diz respeito ao apoio financeiro para viabilizar cada vez mais a reaplicação da tecnologia social apresentada.

Resultado Alcançado

Melhorar o entendimento de técnicas simples de manejo das criações e de melhor uso dos recursos naturais disponíveis no semiárido, reduzindo o índice de mortalidade nas criações dos agricultores familiares atendidos no projeto. Conseguimos apresentar com essa tecnologia uma ação simples, de fácil reaplicação, aberta (pode ser melhorada e/ou adaptada com a inclusão de outros equipamentos no kit e outras sementes para diversificar ainda mais a reserva estratégica, sendo que nesse caso o custo de implantação aumentaria um pouco), no projeto atendemos 150 famílias (com criações de caprinos e galinha caipira), mas que após o encerramento do projeto a atividade teve continuidade, servindo para outras criações nas comunidades (bovinos, equinos, muares, etc.), ação autogerida pela organização beneficiada com suporte da Central de Associações de Desenvolvimento de Araci - CDA, parceira da Mandacaru no município de Araci/BA, a qual as organizações beneficiadas são filiadas, outro ponto positivo é que a tecnologia social ficou como modelo para outras comunidades do município, que vem demandando ampliação da ação às outras comunidades. Outros resultados alcançados foi o entendimento das técnicas produtivas divulgadas durante a capacitação e na visita às propriedades, propiciando aos produtores planejar melhor suas atividades e atravessar o período de estiagem sem tantos prejuízos e/ou perdas em seus rebanhos mantendo trabalho e renda no campo. Redução no desmatamento da caatinga local e aplicação de técnicas agroecológicas nas comunidades atendidas. Ampliar a infraestrutura das organizações atendidas e ampliar o quadro associativo destas organizações; Ampliação do interesse das organizações contempladas para projetos futuros da Mandacaru. A Mandacaru aplicou essa tecnologia social e percebeu que é uma ação modular que pode ser reaplicada nos cerca de 265 dos municípios da Bahia no semiárido (63% do total de municípios do Estado), e também em outros Estados com áreas no semiárido (Alagoas com 38 municípios ou seja 37%, Ceará com 150 municípios ou 81%, Minas Gerais 85 municípios ou 50%, Pernambuco 122 municípios ou 65%, Paraíba 170 municípios ou 76%, Piauí 127 municípios ou 56%, Rio Grande do Norte 147 municípios ou 88% e Sergipe 29 municípios ou 38%), quantidade de municípios e percentuais de municípios em área do semiárido em cada Estado segundo a SUDENE. Podendo essa tecnologia vir a se tornar uma política pública de ação de convivência com o Semiárido.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Araci / BahiaLagoa da Jurema06/2009
Araci / BahiaRibeira06/2009
Araci / BahiaTinguí06/2009
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Agricultores Familiares
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Considerando um único empreendimento da agricultura familiar do semiárido com 100 (cem) agricultores familiares associados, seriam necessário os seguintes materiais/ equipamentos: 01 triturador forrageiro elétrico a partir de 1,5 cv; 01 balança mecânica para médias pesagens; 100 kg de sementes de Leucena; 100 Kg de Semente de Sorgo Forrageiro; 100 Kg de Sementes de Milheto; 100 kg de Sementes de Feijão Guandu; 500 sacos de adubo orgânico 01 Notebook; 01 projetor multimídia; 01 flip chart (cavalete) 04 DVDs para auxiliar o treinamento nas temáticas da convivência com o semiárido Kit de material didático para o curso (papel metro p/ flip chart, piloto, lápis e borracha) 100 cartilhas sobre convivência com o semiárido com espaço para anotações Kit para práticas do curso de convivência com o Semiárido (ferramentas, baldes, regador, pulverizador, EPI e compostos naturais) Alimentação para grupo de participantes do curso de convivência com o semiárido (100 participantes x 3 dias)

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Materiais/ equipamentos para implantação = R$35.300,00 Equipe Técnica mobilização, curso e assessoria (12 meses) = R$68.400,00 Total = R$103.700,00 com a implantação e assessoria técnica para um período de 12 meses.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Central de Desenvolvimento das Associações de Araci - CDACessão de escritório administrativo e apoio na articulação com as comuidades
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

Nós da Mandacaru acreditamos nessa tecnologia social e percebeu que é uma ação modular que pode ser reaplicada nos cerca de 1.133 municípios do Nordeste e de Minas Gerais com área no semiárido, esperamos que instituições de apoio queiram patrocinar projetos que venham reaplicar essa tecnologia e que outras entidades também acreditem no potencial dessa tecnologia e queiram reaplicar a tecnologia, inclusive em parceria com a Mandacaru, a Estratégia de Convivência com o Semiárido com certeza é uma tecnologia social que tem condições de vir a se tornar uma política pública de ação de convivência com o Semiárido.