EXPANSÃO DA “METODOLOGIA MANDACARU” DE CONVERSÃO DE SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO

certificada 2017

Instituição
CODEVASF
Endereço
AV COMISSÃO DO VALE, S/N - PIRANGA - Juazeiro/BA
E-mail
rodrigo.franco@codevasf.gov.br
Telefone
(74) 9914-76267
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Douglas Nunes de Oliveira(87) 99927-5834douglas.nunes@codevasf.gov.br
FREDERICO ORLANDO CALAZANS MACHADO(61) 99674-3174frederico.calazans@codevasf.gov.br
MARIA DA PENHA RODRIGUES(87) 9999-89308maria.penha@codevasf.gov.br
Rodrigo Ribeiro Franco Vieira(74) 99147-6267rodrigo.franco@codevasf.gov.br
Resumo da Tecnologia

Após a comprovação de resultados animadores – economia de água, energia, aumento dos índices de produtividade, benefícios ambientais, dentre outros -, obtidos com o Projeto Piloto do Mandacaru, em Juazeiro, Ba, referente a conversão de sistemas parcelares de sulcos para irrigação localizada, nasceu a denominada “Metodologia Mandacaru”, que orienta detalhadamente as etapas e procedimentos, e é aplicável em qualquer local do Planeta no qual seja necessária. Assim, esta foi expandida de imediato para os perímetros públicos de irrigação de Maniçoba, Curaçá e Tourão, na Bahia, e Bebedouro, em Pernambuco, com resultados superiores aos obtidos no Projeto Piloto (70% de economia anual de água).*{ods2},{ods3},{ods6}*

Tema Principal

Recursos Hídricos

Tema Secundário

Alimentação

Problema Solucionado

Em 2006 a Codevasf elaborou um Estudo de Viabilidade sobre os resultados atingidos caso houvesse a conversão de sistemas de irrigação parcelares de sulcos para irrigação localizada, no Projeto Mandacaru, Juazeiro, BA. Este apontou uma redução do volume anual bombeado 52%, além da economia de energia de 36% na Elevatória Coletiva, além de benefícios ambientais, aumento da competitividade do produtor, redução dos custo de operação e a ocupação de 100 % da área, que antes gravitava entre 50 e 65%. A eficiência de irrigação era da ordem de 27%, ou seja, de cada 100 L de água aplicado, 77 eram perdidos, além da salinização, depauperação dos solos e contaminação da água que o método por gravidade infere. Em 2010 / 11, após ser agraciado com o Prêmio ECO 2009, o Projeto-Piloto foi implantado, dando início a uma mudança radical de mentalidade na eficiência de uso da água pelos pequenos produtores e os dados obtidos foram ainda melhores do que os calculados, dando origem a hoje denominada de “METODOLOGIA MANDACARU”, devidamente aprimorada e replicada em mais 04 perímetros irrigados: Curaçá, Tourão e Maniçoba em Juazeiro, na Bahia, e Bebedouro, em Petrolina, Pernambuco.

Objetivo Geral

A "Metodologia Mandacaru" visa e obtêm comprovadamente: - Economia de água; - Economia de energia; - Aumento da competitividade dos pequenos irrigantes via redução de custos de produção e aumento das receitas (índices de produtividade); - Conservação de água e solos; e, - Mudança de MENTALIDADE!

Objetivo Específico

Os objetivos específicos se traduzem nos passos necessários para a elaboração dos Estudos de Viabilidade e Projetos Executivos de Modernização dos sistemas de irrigação, com foco na conversão. Além disso, a Metodologia prevê a análise geral dos sistemas coletivos, e é aplicável em qualquer local onde haja irrigação por superfície, a mesma não tem caráter regional. São estes: a) Levantamento das Culturas Existentes em cada Lote ; b) Checagem via Imagens de Satélite; c) Elaboração de Testes de Bulbo; d) Elaboração do Balanço Hídrico (BH) de Cada Lote analisando as situações atual (sulco) e futura (localizada); e)Elaboração dos Dados Técnicos de Cada Lote (ajuste hidráulico entre o Calculado no Balanço Hídrico e os equipamentos disponíveis no mercado). Trata-se da mais difícil e trabalhosa etapa da “Metodologia Mandacaru”; f) Elaboração dos Projetos Hidráulicos de Cada Lote; g)Análise Geral dos Sistemas; e, h) Análise Financeira (B/C, TIR, VPL, PAY-BACK) com análise de sensibilidade.

Descrição

São premissas fundamentais da Metodologia - Irrigação localizada de alta freqüência; - Manutenção da infraestrutura original do perímetro; - Conhecimento do perfil de cultivo de cada lote; - Reservação individual para bombeamento individualizado, "on farm"; - Checagem das imagens de satélite (inovação da expansão); - Obrigatoriedade de hidrometria em cada lote convertido; e, - Definição do método de irrigação em função da cultura existente. Suas etapas compreendem: a) Levantamento das Culturas Existentes em cada Lote através de fichas cadastrais distribuídas e preenchidas, (indicando as culturas existentes, respectivas áreas, espaçamentos e mais informações, devidamente assinadas pelos produtores (responsabilização); b) Checagem do levantamento via Imagens de Satélite (inovação); c) Elaboração de Testes de Bulbo para determinação de espaçamento MÁXIMO entre emissores e Percentual de Área Molhada (PAM). Tratou-se de outra inovação da expansão, pela 1ª vez exigida no Serviço Público brasileiro; d) Elaboração do Balanço Hídrico (BH) de Cada Lote Com base nas fichas de campo, analisando as situações atual (sulco) e futura (localizada), o que estabeleceu as vazões unitárias (média ponderada de todas as culturas do lote) e totais para cada lote. Também foram calculados coeficientes redutores (KL), de modo a reduzir o volume necessário, ressaltando que o conceito da conversão é o de irrigação localizada de alta freqüência, ou irrigação proporcional, adotando-se um tempo máximo de 20 horas/dia, 30 dias/mês de operação; e) Elaboração dos Dados Técnicos de Cada Lote, onde é realizado o ajuste entre a vazão unitária mínima (em L/s.ha), calculada através do Balanço Hídrico, e aquela real resultantes das características dos emissores existentes no mercado, para todo o lote. Aí são definidas as características dos emissores para cada cultura (vazão, espaçamento, pressão), de forma que o tempo total de aplicação e a vazão unitária real não excedam o previsto no Balanço Hídrico. Esta foi primordial para o delineamento do sistema de irrigação. Trata-se da mais difícil e trabalhosa etapa da “Metodologia Mandacaru”; f) Elaboração dos Projetos Hidráulicos de Cada Lote, onde ocorre o dimensionamento hidráulico de cada setor e de cada lote ao final, e é caracterizado por: f.1) Determinação das vazões e pressões a montante e a jusante de todos os cavaletes; f.2) Determinação das válvulas “On-off / PR” (on-off e redutora de pressão) de cada setor; f.3) Análise da variação da curva e determinação da elevatória de cada lote, com cálculo do NPSH das bombas individuais; f.4) Cálculo do custo anual estimado com energia elétrica; f.5) Cálculo e quantificação de todas as redes, por setor; f.5) Elaboração dos quantitativos e orçamentos separados por item (emissores, tubulação, barriletes, sucção, conjunto moto-bomba, sucção, hidrômetro, quadro de comando, automação, cavaletes); f.6) Elaboração de desenhos detalhados, explodidos, por lote e por item; f.7) Detalhamento do projeto elétrico, automação e obras civis, inclusive reservatórios de pressurização. g) Comparativo de volume anual bombeado antes e depois da conversão por perímetro. Para o volume anterior à conversão, assumiu-se uma eficiência de 40%, muito superior à determinada em campo (Adriano, F.), de 20% em média; h) Análise financeira por perímetro, determinado Relação Benefício Custo (B/C), Taxa Interna de Retorno (TIR), Valor Presente Líquido (VPL) para as situações normal e com análise de sensibilidade, nas proporções equivalentes de 10%, 20% e 30% de redução de receitas e aumento de despesas; i) Cálculo do “pay-back” para períodos de carência de 02 e 03 anos, por perímetro; j) Análise geral do sistema de cada perímetro (hidráulica elétrica, operacional, etc.), com sugestões e soluções; k) Análise Geral dos Sistemas (economia de energia da elevatória comum e balanço de energia contabilizando as elevatórias individuais; economia de água antes e depois da conversão; efeitos sobre os custos de O & M dos perímetros; análise dos custos e receitas de produção; análise das alterações necessárias na rede elétrica para comportar as bombas individuais; cálculo da quantidade de energia elétrica a mais que será gerada nas hidroelétricas de Itaparica, Paulo Afonso e Xingó, com o volume de água economizado na irrigação; e, l) Análises Financeiras de cada perímetro, nas quais encontraram-se os índices econômicos clássicos (B/C, TIR e VPL) para as situações normal e de análise de sensibilidade (10%, 20% e 30%) e análise de “pay-back” (com 02 e 03 anos de carência utilizando-se o rédito máximo de 30% para amortização).

Resultado Alcançado

PERÍMETRO Nº de Lotes Vol. de Água Economizado (m3) Vol. Água Economizado (%) Economia anual (%) Energia Extra Energia EBP Gerada UHE´s jusante (Mw.h) TOURÃO 36 4.346.473,53 58,74 42 0,35 CURAÇÁ 203 28.808.010,16 57,53 35 1,26 BEBEDOURO 98 15.801.278,93 70,46 48 2,30 MANIÇOBA 191 30.262.634,47 69,02 34 2,41 TAXA DE JUROS 12% AO ANO Resumo da Análise Financeira - GERAL PERÍMETRO ÍNDICES I Normal I Análise de SENSIBILIDADE I I I 10% I 20% I 30% TOURÃO B/C I 1,66 I 1,37 I 1,13 I (0,92) TIR I 338,64% I 04,94% I 36,96% I (-10^10) VPL I 23 x10^6 I 14x10^6 I 5,3x10^6 I (-3.5x10^6) MANIÇOBA B/C I 1,78 I 1,47 I 1,21 I (0,98) TIR I 260,82% I 98,70% I 42,51% I (9,46%) VPL I197,7x10^6I 130x10^6 I 62,2x10^6 I (-5.5x10^6) CURAÇÁ B/C I 2,16 I 1,79 I 1,47 I 1,20 TIR I 1178,40 I 197,86 I 86,77 I 38,44 VPL I 210x10^6 I155 x10^6 I100,5x10^6 I 46 x10^6 BEBEDOUROB/C I 1,48 I 1,23 I 1,01 I (0,82) TIR I 185,31 I 59,40 I 13,31 I (-10^12) VPL I 96 x10^6 I 49 x10^6 I (1,6 x10^6) I (-45.5x10^6) - ( ) = VALORES INVIÁVEIS ENTRE PARÊNTESIS

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Juazeiro / BahiaPERÍMETRO DE IRRIGAÇÃO DE MANDACARU05/2011
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Agricultores Familiares
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

São necessários equipamentos de irrigação e obras civis em consonância com cada projeto executivo elaborado, devidamente detalhados com orçamentos, desenhos e especificações técnicas, únicas para cada unidade de produção. Os equipamentos são, em linhas gerais: - Tubulações; - Emissores; - Conexões; - Válvulas; - Controladores; - Bombas e acessórios; e, - Ligações de sucção e recalque As Obras civis se compõem de: - Ligações canal - reservatórios individuais; - Reservatórios individuais; - Casa de bomba; - Checagem e Complementação de rede elétrica parcelar; - Cavaletes hidráulicos - Escavação e reaterro; e, - Montagem das tubulações. Contudo, como poderá ser observado adiante, os valores ´para a expansão da "Metodologia Mandacaru" são bastante significativos, e sugere-se há muito tempo às instâncias superiores a busca por linhas de crédito diferenciadas para os pequenos produtores, haja vista a grande capacidade de pagamento dos projetos, conforme demonstrado no campo "Resultados Alcançados". Considerando todos os projetos, o "PAY BACK" MÍNIMO para 02 anos de carência foi entre 6,6 e 10,4 anos; para 03 anos de carência foi entre 7,5 e 12 anos, sendo o máximo de 20 anos. Foram considerados ainda: juros de 12% ao ano e amortização MÁXIMA equivalente a 30% DO RÉDITO!

Valor estimado para a implementação da tecnologia

PERÍMETRO I Nº de I Área Total I TOTAL (R$) I Lotes I (ha) I TOURÃO I 36 I 205,89 I 2.312.076,19 CURAÇÁ I 203 I 1.435,97 I 13.195.280,18 BEBEDOURO I 98 I 868,22 I 8.854.819,45 MANIÇOBA I 191 I 1.532,47 I 13.942.002,63 TOTAL I 528 I 4.042,55 I 38.304.178,45 BASE 2015

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL -
SENIR SECRETARIA NACIONAL DE IRRIGAÇÃOCONVÊNIO PARA FINANCIAR EXPANSÃO
Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
DOCUMENTOS DIVERSOSBaixar
Exempo de Projeto Entregue na ExpansãoBaixar
Monção de AplausoBaixar
Citação Câmara FederalBaixar
PREMIO SELO VERDE CATEGORIA OUROBaixar
PRÊMIO SELO VERDE CATEGORIA OUROBaixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

O objetivo é, em caso de vitória da "Expansão da Metodologia Mandacaru", no FBB, utilizar o prêmio para desenvolver um dos dois programas (ou ambos), a depender do montante: 1º- Elaborar SIPI, Sistema de Preços para Irrigação, complementar ao SINAPI e demais sistemas oficiais de preços, o que tem o apoio da ABIMAQ (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), Câmara Setorial de Irrigação, de modo que os processos de elaboração de orçamentos e aquisição serão facilitados, protegendo no Agente Público, haja vista ser este o grande problema encontrado pelos órgãos públicos; e/ou, 2º - Elaborar programa de conversão, com base na Metodologia, de forma a propagá-la para mais regiões, inclusive fora do país, haja vista que a mesma é replicável em qualquer lugar do Planet