ATER/ADRS PARA PROMOÇÃO DA AGROECOLOGIA E GERAÇÃO DE RENDA NO VALE RIO URUCUIA

certificada 2017

Instituição
COOPERATIVA DA AGRICULTURA FAMILIAR SUSTENTÁVEL EM BASE DA ECONOMIA SOLIDÁRIA LTDA - COPABASE
Endereço
RODOVIA MG 202, KM 406 GLEBA 21 D FAZENDA MANGUES, ZONA RURAL - ZONA RURAL - Arinos/MG
E-mail
copabase@gmail.com
Telefone
(38) 99908-7610
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
DIONETE FIGUEREDO BARBOZA(38) 9908-7610copabase@gmail.com
Resumo da Tecnologia

Assistência técnica continua as familias de agricultores familiares, extrativistas, jovens, mulheres e artesãos, para organização de cadeias produtivas, geração de renda, inovação para produção e produtividade, apoio a gestão de excelência, orientação para manejo agroecológico, boas praticas de manipulação, controles diversos , noções sobre politicas publicas e acesso à mercados, desenvolvida por equipe multidisciplinar contratada pela cooperativa e atuando de acordo com metodologia participativa de construção de conhecimento através da sabedoria popular tradicional e conhecimento técnico cientifico.*{ods8},{ods13}*

Tema Principal

Renda

Tema Secundário

Meio ambiente

Problema Solucionado

Falta de acompanhamento técnico especializado para as famílias de agricultores e artesãos tradicionais da região do Vale do Rio Urucuia, que já produziam de forma desorganizada, sem tecnologia, sem orientação, sem conseguir escoar esta produção para possíveis mercados, produtos sem valor agregado, pessoas atuando de forma isolada, competindo entre si, falta de acesso a informações das mais diversas.

Objetivo Geral

Promover o fortalecimento da base produtiva da região do Vale do Rio Urucuia- COPABASE, a mobilização e organização social dos agricultores familiares, o aumento e diversificação da renda dos agricultores familiares com participação do jovem e da mulher, a disseminação de práticas agroecológicas

Objetivo Específico

- Geração de Renda, - Inclsução (jovens e mulheres) - Acesso a mercados - Desenvolvimento de produtos inovadores - Disseminação das praticas agroecologicas - Organização Social - Diversificação Produtiva - Organização Institucional -Construção coletiva de conhecimentos

Descrição

Durante as visitas de ater, os técnicos seguem as seguintes premissas: respeitar os saberes e a cultura local; procurar diversificar a produção na propriedade; primar por práticas de conservação ambiental e agroecológicas; orientar sobre o que é o cooperativismo, incentivar para que o produtor participe das organizaçãoes da sociedade civil local; incentivar a produção e cooperação junto a Copabase para o beneficiamento, processamento e comercialização de seus produtos; identificar novos produtos com potencial comercial; orientar sobre Boas Práticas na manipulação e conservação de alimentos no campo; trabalhar com as cadeias produtivas da apicultura, mandiocultura, fruticultura, extrativismo e apoiar a bovinocultura de leite; minimamente implementar uma forma controle financeiro de sua propriedade; participação dos jovens e das mulheres no trabalho e na renda. Os técnicos realizam no mínimo uma visita ao produtor por mês, levando os informes da Copabase e orientando os produtores de acordo com suas necessidades, nas cadeias produtivas já ressaltadas. O coordenador também realiza visitas nas propriedades e promove reuniões mensais de avaliação e planejamento com os técnicos.

Resultado Alcançado

? Cercamento de mais de 160 nascentes na região; ? Alfabetização de jovens e adultos nas comunidades rurais com publico geral atendido de mais de 1580 pessoas; ? Palestras, oficinas e dias de campo nas escolas municipais e estaduais da região; ? Inicio da implantação de 300 barraginhas; ? 50 sistemas produtivos consorciados agroecológicos; ? Incentivo a produção de compostagem junto a todas as famílias. ? Vendas nos mercados, lanchonetes e outros a nível local e regional por meio de vendedores; ? Vendas para escolas estaduais da região por meio das Chamadas Publicas via PNAE; ? Vendas para prefeituras por meio de Chamadas publicas PNAE; ? Vendas de Castanha de Barú para distribuidores de lojas de produtos naturais em BH, SP, DF, indústria como a Mae Terra, Central do Cerrado DF/SP, outros clientes que tem demanda aguardando ampliar a produção; ? Atendimento mensal às famílias sendo que cada técnico agrícola atende em media 30 a 40 familias, com visitas e acompanhamento mensal; ? Orientações técnicas realizadas por agrônomos para manejos como poda, produtividade, fertilização orgânica, adubação, controle de pragas e doenças, analises de solos, etc; ? Equipe gerencial composta com função e habilidades de coordenação estratégica, contabilidade, administrativo, financeiro, gestão de projetos, controle interno e prestação de contas, elaboração de projetos. ? Fábrica com Selo de Inspeção Federal de processamento de frutas para produção de polpas com capacidade instalada de aproximadamente 12 toneladas mês; ? Fábrica com Selo de Inspeção Federal de processamento de mel com capacidade de processar até 10 toneladas mel mês; ? Fábrica de processamento de Castanha de Barú, sendo finalizada com capacidade de processamento de até 1000 kg/ castanha mês; ? Unidade de empacotamento de produtos secos como farinha de mandioca, açúcar mascavo, açafrão, de acordo com a produção e mercado disponível; ? Equipe treinada e especializada em manipulação de alimentos, registros sanitário, marca própria regional, código de barras, embalagens padronizadas; ? Logística realizada pela cooperativa com veículos próprios para coleta e distribuição da produção (caminhão, carro, motocicletas) ? Mais de 60 Unidades produtivas de frutas de 0,5 a 1,5 há implantadas com kit de irrigação, mudas, ater e garantia da comercialização da produção; ? Mais de 1000 colmeias apícolas, equipamentos de manejo e processamento distribuídos; ? Mais de 5000 mudas nativas e frutíferas produzidas e doadas.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Arinos / Minas GeraisVale do Rio Urucuia03/2010
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Adulto
Agricultores Familiares
Artesãos
Assentados rurais
Idosos
Mulheres
Povos Tradicionais
Produtores rurais - Pequenos
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

- Custo Operacional para logística das visitas (gasolina, manutenção veículos) - Diárias para alimentação.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

150.000,00 para atuação de 5 ADRS, 1 coordenador em 12 meses para 150 famílias diretas, sendo então um custo de R$ 1000,00 ano/ família ou R$ 83 por mês/ família.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
SebraeFormação para agentes (ADRS)
Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Documento sobre publico beneficiárioBaixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

Depoimento do técnico Antônio Marcos Lopes: “ Para mim o meu trabalho como técnico é uma oportunidade de crescimento pessoal e técnico e social porque eu contribuo para o desenvolvimento das famílias.” Depoimento de Adriana de Oliveira Rocha, engenheira agrônoma, coordenadora do projeto durante os cinco anos iniciais: “O trabalho de ater não é fácil...mais... mesmo com as dificuldades que passamos, é muito gratificante ver que de alguma forma o seu trabalho contribuiu para melhoria de vida de alguém que está no campo”. Depoimento da produtora Elane Gonçalves: “Ser atendida pelo projeto ADRS foi de grande importância, de grande proveito. Foi através do projeto que eu descobri o que é ser agricultora familiar ...”