Colostro Bovino: A redescoberta de um alimento humano funcional e nutracêutico

certificada 2017

Instituição
Ascar
Endereço
Rua Félix da Cunha 626 - Centro - Pelotas/RS
E-mail
msaalfeld@emater.tche.br
Telefone
(53) 3225-7700
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Mara Helena Saalfeld(53) 98118-0108msaalfeld@emater.tche.brFacebook Mara Saalfeld
Resumo da Tecnologia

Aproveitamento do colostro bovino na alimentação humana. Alimento de alto valor nutricional desprezado no Brasil devido a uma proibição equivocada do consumo humano na legislação Brasileira desde 1952. O colostro é produzido pela vaca por 5 dias em volume superior ao que o bezerro pode consumir sendo o excedente, (media de 50 litros) era jogado no lixo. Descobrimos que o colostro é utilizado no mundo inteiro como alimento funcional e nutracêutico, suplemento alimentar e medicamento. Assim, começamos o trabalho de estudar, divulgar e apresentar formas de utilizar este valioso alimento. Paralelo a isso trabalhamos politicamente na mudança da legislação brasileira que ocorreu em 29/03/2017.*{ods1},{ods2},{ods3},{ods4},{ods8},{ods10}*

Tema Principal

Alimentação

Tema Secundário

Renda

Problema Solucionado

Um sétimo da população do mundo passa fome. Enquanto isso no Brasil 2 bilhões de litros de colostro bovino são jogados no lixo anualmente. Desde 1952 o produtor descarta o leite dos 5 primeiros dias de produção da vaca por não ter valor comercial. Isso se deve a um problema industrial e a uma legislação equivocada. A Legislação proibiu o consumo de colostro no Brasil por 65 anos causando inestimáveis prejuízos ao país.O Colostro é um alimento de alto valor nutricional. Possui os mesmo constituintes que o leite tendo 5 vezes mais proteínas, contém anticorpos, substâncias bioativas, lactobacilos probióticos, lactose, sais minerais e lipídios. Colostro e leite são alimentos diferentes, e que devem ter processos tecnológicos diferenciados. Inicialmente começamos a estudar o colostro como alimento para bezerros e descobrimos que é um alimento usado para humanos no mundo inteiro com renda maior que do leite. Desenvolvemos produtos, elaboramos cursos, palestras, oficinas de preparo, análise sensorial, dias de campo e exposições com degustação de produtos a base de colostro. Para viabilizar o uso humano no Brasil foi necessário mudar a legislação vigente em 29/03/2017 (RIISPOA- MAPA).

Objetivo Geral

Desenvolver produtos a base de colostro bovino para alimentação humana, desmistificando e comprovando que o colostro é um leite mais concentrado e que pode e deve ser consumido por seres humanos. Proporcionar geração de alimento saudável e promotores de saúde, renda, emprego e tributos no Brasil

Objetivo Específico

- Desenvolvimento de produtos funcionais e nutracêuticos a base de colostro bovino para alimentação humana. - Divulgação nos mais diversos meios de comunicação sobre o potencial de utilização do colostro na alimentação humana e consequentemente na saúde, demonstrando aos produtores e população em geral que este é um alimento seguro para humanos e que serve como promotor de saúde, geração de renda e segurança alimentar para as famílias de nossa região e país. - Realização de oficinas, cursos, exposições e palestras com alimentos a base de colostro - Analise bromatológica do colostro bovino para conhecer constituição nutricional. - Analise microbiologia do colostro para garantir segurança do produto - Identificação de lactobacilos probióticas do colostro - Elaboração de proposta Técnica para Modificação da legislação brasileira datada de 29 de março de 1952 , retirando do RIISPOA a proibição de uso de colostro por seres humanos no Brasil o que aconteceu dia 29 de março de 2017.

Descrição

Uso do colostro bovino para alimentação de seres humanos. Aproveitar o colostro é valorizar o manejo sustentável, valorizando os produtos tradicionais e produzir alimentos em harmonia com a natureza e a cultura local. No Brasil existe um alimento de alto valor nutricional que foi descartado por não ter valor comercial por mais de 65 anos que é o Colostro bovino. Em nosso trabalho de Extensionista começamos a estudar este alimento e constatamos que antigamente o colostro era usado na alimentação das famílias por povos imigrantes e ancestrais e que passou a ser proibido pela legislação brasileira de 1952. Embora proibido industrialmente muitas famílias continuaram a consumir por tradição familiar, por necessidade financeira ou por não terem recurso para outro tipo de alimentação. Esta proibição criou um preconceito dos agricultores e no povo Brasileiro em relação ao colostro, que por ter sido proibido, passou a ser considerado um alimento inadequado, choco, e que deveria ser descartado no lixo. Assim começamos a estudar o colostro bovino. Começamos um experimento processando o colostro bovino, testando temperaturas de pasteurização e produzindo derivados como queijo, iogurte, doces, bolachas e etc. Todos alimentos eram saborosos e com aroma delicioso. Assim sendo passamos a estudar os motivos de ter na legislação brasileira uma proibição de uso. Infelizmente nem o MAPA - Ministério da Agricultura e Pecuária e Abastecimento e ANVISA - Agencia Nacional de Vigilância Sanitária, não tinham razões do surgimento desta proibição. A partir desta falta de informações foi realizada uma extensa revisão de literatura existente mundialmente para elencar países que usam o colostro e legislações existente bem como formas de utilização. Ficando comprovada que em todo o mundo o colostro é utilizado para produção de alimentos, suplementos e medicamentos. O colostro é utilizado mundialmente como adjuvante de tratamento de doenças gastro intestinais, AIDS e Câncer e muitas outras doenças. A União Europeia importa colostro de vários países, mas não do Brasil por não ter uma legislação favorável. A partir desta constatação o colostro foi avaliado bromatologicamente e micro-biologicamente para testar a segurança do produto para consumo humano. Comprovando a segurança do alimento foram desenvolvidos estudos para produção de alimentos derivados do colostro. Todos os derivados produzidos foram avaliados microbiologicamente e por análise sensorial. Também avaliamos os lactobacilos presentes no colostro, constatando que são bactérias probióticas de valor nutricional e em saúde. Posterior a esta etapa começamos a realizar oficinas de produção de derivados de colostro, palestras, programas de rádio e televisão e publicação de artigos em revistas técnicas e populares para divulgação do trabalho. Foram realizados cursos de produção de alimentos para uso humano a base de colostro bovino. Produção de Bolachas, pães, queijos, iogurtes, manteiga bebida láctea, pudim, bolo, refresco de soro. Todo produto que usa leite na sua elaboração pode ter o leite substituído por colostro, respeitando a diferença de temperatura de pasteurização. Para elaboração dos alimentos o colostro foi coletado durante os 5 primeiros dias após o parto. O colostro foi pasteurizado a 60ºC por 30 minutos e depois resfriado rapidamente. Após a pasteurização foram elaborados os produtos derivados e a receita de cada um consta nos anexos. Podem ser produzidos, e agora comercializados queijos, iogurtes, colostro em pó, manteiga, bebida láctea, sobremesas , bolachas e panificados em geral. Esta tecnologia proporcionou o aproveitamento de um alimento de alto valor nutricional. Com isso temos mais uma alimento disponível no Brasil e mais uma fonte de renda aos nossos agricultores. Assim sendo o colostro deixa de ser descartado no meio ambiente minorando problemas de contaminação ambiental. Este era um grande problema nas propriedades rurais, visto que por não poder ser aproveitado acabava por contaminar os arredores das casas e córregos e rios. Precisamos ainda um amplo trabalho de divulgação desta tecnologia, visto que esteve cercada de preconceitos por 65 anos. Muitos grupos de produtores já estão consumindo o alimento e começando a produção de derivados para venda na agroindústria familiar. O SESI de Sertãozinho São Paulo participou da Olimpíada de Robótica em 2016 com o Tema Colostro na alimentação Humana, com a finalidade de produção de bolachas para a alimentação escolar, sob coordenação do professor Eduardo Mansur. Além de um alimento nutricionalmente importante, derivados de colostro são alimentos considerados funcionais, probióticos e nutracêutocos. A retirada da proibição do uso do colostro por Humanos pelo RIISPOA e ANVISA , graças a nossa tecnologia, oportunizara a criação de agroindústrias de suplementos e medicamentos no Brasil. Com isso teremos produção de alimentos, geração de trabalho e renda e consequentemente tributos para o Brasil.

Resultado Alcançado

- Participação em 2 audiências públicas em Brasília. Dias 19 \11\2015 e 23\08\2016 defendendo a liberação do colostro para consumo Humano no Brasil. - Apresentação de proposta técnica ao MAPA ( em anexo) em 29 de novembro de 2016 com proposta de mudança do Decreto Lei 30691 de 29 de março de 1952 em cujo artigo 479 proibia o colostro para consumo humano. - Aprovação do consumo humano através do decreto nº 9013 de 29\03\2017 que regulamenta o novo RIISPOA- Regulamento da Inspeção Industrial e sanitária de Produtos de Origem animal- MAPA retirando a proibição de uso de colostro para humanos no Brasil. Locais de implantação da Tecnologia já efetuadas pela própria instituição: CETAC- Centro de treinamento de agricultores de Canguçu - Oficinas de produção de derivados de colostro bovino com a Extensionista Social Regina Medeiros. Departamento de Química de alimentos da UFPel colaboração da Prof. Marcia Gularte-Elaboração de produtos para alimentação humana a base de colostro. UFPel -Análise microbiológica de alimentos derivados de colostro colaboração da Dra Daniela Pereira. UFPel -Avaliação genotípica de lactobacilos presentes no colostro e em alimentos produzidos com colostro bovino, e identificação de lactobacilos probióticas colaboração do Dr Fabio Leite. EMATER Três Passos/RS-Teste de análise sensorial de bebida láctea a base de colostro com a Extensionista Laurice Gelati - e fornecimento de bebida láctea a base de colostro para Idosos - Dr Geolar Ávila. Arroio do Padre/RS Festa Municipal e Encontro De 450 Produtoras - Oficinas de colostro bovino (degustação de queijo pudim, iogurte, bolachas, manteiga, ambrosia)- Com Extensionistas Angela Velinho e Paula Fonseca. São Lourenço do Sul\RS- Exposição de Produtos a base de colostro durante a Festa do Colono. Degustação de pudim, iogurte, bolachas, manteiga, ambrosia) Extensionista Laila Arruda. Santa Vitória do Palmar\RS- Oficinas de produção de alimentos a base de colostro bovino durante Reunião de produtoras de leite. Elaboração e degustação de produtos (pudim, iogurte, bolachas, manteiga, ambrosia). EXPOAGRO São Lourenço do Sul RS Oficina de produção de biscoitos, degustação e venda de bolachas, petiscos e ambrosia com extensionista Elizabeta Aguiar e produtoras e agroindústrias rurais(500 pessoas). Publicação de artigos e participação em programas de rádio e televisão divulgando a tecnologia. Até o momento através destas atividades atingimos aproximadamente 20000 pessoas (fotos, filmes anexos)

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
São Lourenço do Sul / Rio Grande do SulInterior do município07/2012
Arroio do Padre / Rio Grande do SulArroio do Padre II11/2016
Santa Vitória do Palmar / Rio Grande do SulProdutores de leite Chamda do Leite05/2016
Morro Redondo / Rio Grande do SulINterior do município07/2017
Canguçu / Rio Grande do SulCentro de treinamento de agricultores06/2016
Três Passos / Rio Grande do Sulposto de saúde da cidade05/2013
São Lourenço do Sul / Rio Grande do SulGrupo de produtoras de leite07/2012
Lavras do Sul / Rio Grande do SulSede do município03/2010
Canguçu / Rio Grande do SulCETAC- Centro de Treinamento de Agricultores Sede do municipio02/2009
Arroio do Padre / Rio Grande do SulSede do município04/2017
Sertãozinho / São PauloSede do município03/2016
Sertãozinho / São PauloGrupo de alunos do Curso de Robnótica do SESI07/2016
São Lourenço do Sul / Rio Grande do SulSanta Isabel - Agroindustria Pomersch11/2016
São Lourenço do Sul / Rio Grande do SulPrado Novo Agroindustria FLAPS11/2016
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Adolescentes
Adulto
Afrodescendentes
Agricultores Familiares
Assentados rurais
Criadores bovinos
Crianças
Idosos
Mulheres
População em geral
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Para implementar o uso do colostro em segurança alimentar, para alimentação da família rural e uso doméstico podem ser usado os equipamentos que o agricultor tem em casa e não tem custos a implementação da Tecnologia Social. Para geração de renda: Agroindústria familiar - produção de derivados Equipamentos de panificação: Maquina da amassar, sovar R$ 3 300,00 Formas - 1 500,00 Fornos para assar = 3 000,00 energia eletrica = 200,00 Custeio de produção = 2000,00 Equipamentos para lácteos pasteurizador 6000,00 envasador 6000,00 fogão industrial 1000,00 tanques para coagulação do colostro 700,00 formas de queijos 300,00 prensas 1000,00 Produção de material de divulgação 10 000,00 Capacitação e treinamentos = 15 000,00

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Para panificação= R$ 10 000,00 Para lácteos = R$ 15 000,00 Produção de material de divulgação 10 000,00 Capacitação e treinamentos = 15 000,00 Total 50 000,00

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Laboratorio de Microbiologia Universidade Federal de PelotasAvaliação microbiológia dos dereivados de colostro bovino
Laboratório de Análise sensorial do Curso de Quimica de alimentos da Universidade Federal de PelotasAvaliação nutricional e análise sensorial de produtos a base de colostro
Centro de Treinamento de Agricultores de Canguçu - EMATER-RS-ASCARElaboração de produtos a base de colostro. Cursos e oficinas para Agricultores familiares.
Laboratório de Imunologia da Universidade federal de PelotasAvaliação imunológica e caracterização genotipica das bactérias probioticas do colostro
tecnologia em agroindústria UERGS – Universidade Estadual do RS pôlo de Três PassosProdução de bebida lactea e análise sensorial dos alimentos
Grupo de Produtoras de Lavras do Sul RSCurso de derivados de colostro Bovino.
SESI S~ertaozinho São Paulo - Professor Ediardo MansurOficina de Robótica utilizando o colostro bovino na produção de bolachas para consumo humano
Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Uso de colostro na alimentação humanaBaixar
Avaliação nutricional de colostro bovinoBaixar
Uso de silagem de colostro como alternativa de alimentoBaixar
Relatório tecnico para mudança da legislação de uso do colostro no BRasilBaixar
Apresentação Comissão de Agricultura em Brasilia mudança da legislação brasileira que proibe uso de Colostro por seres humanos desde 1952.Baixar
Defesa de mudança na legislação sobre consumo humano de colostrodownload
Depoimento de produtora sobre produção de queijo de colostro bovinodownload
Texto do RIISPOA de 1952 que poroibia o uso de colostro por humanos no BrasilBaixar
Artigo revista Agroecologia - uso de colostro para alimentação humanaBaixar
Receitas de uso humano com Colostro bovinoBaixar
Novo RIISPOA publicado em 29 março 2017 sem proibição uso do ColostroBaixar
Carta de recomendação do trabalho e importância da EMATER no RS.Baixar
Depoimento de instrutora de curso de Derivados de colostrodownload
Depomento sobre uso de colostro na alimentação humanadownload
Depoimento de instrutora de cursos de derivados de colostrodownload
Produtora da Agroindustria de bolachas de colostrodownload
Produtora Ruaral que faz ambrosia com colostro bovinodownload
Agroindustria de biscoitos como colostrodownload
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

Possibilitar a volta do consumo de um alimento de alto valor nutricional, como o colostro bovino, no Brasil tem um valor imenso. Agora o produtor não vai mais descartar a produção de 5 dias de suas vacas, tendo mais renda e qualidade de vida. Isso nos dá a certeza que tecnologias simples podem fazer a diferença na vida do povo brasileiro. Por 65 anos tivemos inestimáveis prejuízos. Mais de 2 bilhões de litros de colostro foram descartados por conta de uma legislação equivocada de 1952. Depois de muita luta, estudos, testes de produção de alimentos, avaliação sensorial e elaboração de relatório técnico ao MAPA e ANVISA com duas audiências publicas em Brasília conseguimos mudar o texto da Lei e desde 29 de março de 2017 o colostro passou a ser usado no Brasil como alimento para humanos.