Fast Food da Política - Educação Política Acessível e Lúdica

vencedora 2017

Instituição
FAST-FOOD DA POLÍTICA
Endereço
Rua Newton Prado 24 - Bom Retiro - São Paulo/SP
E-mail
contato@fastfooddapolitica.com.br
Telefone
(11) 97506-9677
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Júlia Fernandes de Carvalho(11) 9750-69677julia.carvalh8@gmail.com
Lays Harumi Morimoto(11) 9510-73842lmorimoto@fastfooddapolitica.com.brhttps://www.facebook.com/lays.morimoto
Resumo da Tecnologia

Já pensou em aprender as regras do Sistema Político Brasileiro de forma rápida e divertida? A Fast Food da Política desenvolve ferramentas educacionais abertas, para promover o entendimento das regras que regem a Política, sua estrutura, processos e personagens. A partir de jogos e metodologias dialogamos sobre diversos temas que envolvem a compreensão das bases constitucionais, gestão pública e relações sociais. Já jogamos com mais de 3 mil pessoas e recentemente lançamos o Molho Especial, nosso projeto que aborda as regras (visíveis e invisíveis) entre Gênero e Política. Nossos jogos são de utilidade pública, abertos e disponíveis para que cada vez mais pessoas possam disseminá-los.*{ods4},{ods17}*

Tema Principal

Educação

Problema Solucionado

A Fast Food da Política nasceu em agosto de 2015, durante uma manifestação Pró-Impeachment em Brasília, Júlia Carvalho, que já desenvolvia jogos sobre Política, decidiu aplicar jogos com os manifestantes para compreender o entendimento deles sobre as consequências legais de suas reivindicações: "Se a Presidente saísse, quem ficaria no lugar dela?".
Mais tarde, foram aplicados jogos também nas manifestações contra o Impeachment, em ambas ficou evidente: a urgência de aproximar o debate acerca dos mecanismos formais da política; e a eficácia dos jogos como linguagem de disseminação de conhecimentos. O conceito da organização foi criado com o intuito de facilitar processos lúdicos de educação política, aprofundando esse debate complexo, de forma simples.
Hoje, existem mais de 40 jogos com temáticas como: três poderes, três esferas, sistema eleitoral, STF, mobilidade, e muitos outros. Nosso mais novo projeto, que aborda Gênero e Política, foi lançado no final de 2016 e, ao jogarmos com mulheres, percebemos o aumento do autoconhecimento acerca de sua realidade social, reconhecimento de seus direitos, da estrutura social vigente e de seu papel no exercício da cidadania.

Objetivo Geral

Promover a aproximação entre cidadãos e Estado, despertando um novo olhar para a Política a partir de um aprendizado lúdico acerca das estruturas e processos do Sistema Político, formando multiplicadores que disseminarão essas e outras ferramentas, a serem desenvolvidas por eles mesmos.

Objetivo Específico

Catalogar e disponibilizar todos os jogos e metodologias já desenvolvidos pela Fast Food da Política. De forma a acessibilizar nossa tecnologia para que possa ser utilizada, até o final de 2019, por 1 milhão de pessoas.
Desenvolver e lançar a metodologia Slow Food da Política - Formação Cívica, reunião de jogos e dinâmicas já desenvolvidas pela Fast Food e complementadas com novas ferramentas, para garantir uma formação política aprofundada e lúdica, tendo de 8 a 10 módulos.
Hoje, temos como principal objetivo a efetivação dos nossos jogos e metodologias como ferramentas educacionais abertas, tendo aplicabilidade e escala de disseminação, para que assim seja viável sua implementação e uso livre dentro do sistema educacional e no setor público, servindo como uma política pública inovadora que garanta a acessibilidade da população sobre o funcionamento do Sistema Político Brasileiro, e as possibilidades de interação com ele.

Descrição

Inicialmente os primeiros jogos desenvolvidos pela TS foram concebidos com a proposta de traduzir uma/ou mais regra/s do Sistema Político na velocidade que se comeria um hambúrguer (de 5 a 15 minutos). Nosso primeiro jogo desenvolvido foi o Três Esferas: jogo que simula um basquete aonde as bolinhas representam competências governamentais, (como: Ensino Infantil, Polícia Militar, Metrô, Concessão de Mídia, A.M.A., S.U.S. e outros) cada uma delas deve ser colocada na cesta correspondente, sendo: “Esfera Federal”, “Esferal Estadual” e “Esfera Municipal”. Ao fim do jogo, jogadores descobrem a responsabilidade de cada uma das esferas de governo, entendendo de quem eles devem cobrar o que.
O nosso segundo jogo desafiava os manifestantes que pediam para o governo sair (ou ficar), montar o governo. No jogo "Monte Seu Governo", os políticos deveriam ser encaixados em seus respectivos cargos. Após essa etapa, o Impeachment acontecia, e o jogador era desafiado a dizer quem assume na cadeia sucessória. Com papelão, fotos e canetinhas, esses e muitos outros jogos foram confeccionados para serem multiplicados, por quem desejasse jogar.
Nossos jogos são sempre confeccionados a partir de uma demanda específica, alguma dúvida ou ruído em relação a algum tema político que aparece pelo momento político que o País vive, seja nas ruas, nas redes sociais e nas oficinas que aplicamos. Prototipamos a partir de uma longa pesquisa sobre um tema, atrelando mecânicas de jogos conhecidas, para que a experiência do usuário seja a mais fluída possível, muitas vezes adaptando lógicas que as pessoas já estão familiarizadas, potencializando o aprendizado absorvida durante os jogos. Após alguns meses aplicando os jogos sobre bases constitucionais em manifestações, eventos culturais, escolas, coletivos, movimentos sociais, empresas, ongs e espaços públicos, a assertividade dos jogos como uma potente ferramenta de educação política se tornou cada vez mais nítida, e entendemos que o próprio processo de desenvolvimento de jogos, poderia ser gamificado e disseminado para que mais pessoas criassem seus próprios jogos para desvendar temas relacionados ao Sistema Político Brasileiro.
Em 2016, a Fast Food da Política teve sua primeira experiência como política pública, sendo selecionada para o Edital Agentes de Governos Aberto da Secretaria de Relações Internacionais da Pref. de São Paulo. Nesse tempo, foi aplicada a metodologia de Criação de Jogos Políticos com mais de 800 pessoas por aparelhos públicos de toda São Paulo, desde Marsillac - Parelheiros (extremo sul), Tiradentes (zona leste) e Casa Verde (zona norte). Entre jovens, adultos e idosos, foram desenvolvidos mais de 80 jogos entre grupos, alguns deles: abordavam o caminho para se criar um partido político no Brasil; o funcionamento do sistema de saúde; os direitos que os políticos possuem vs os direitos que os cidadãos possuem; o Andando a Cidade era um tabuleiro sobre as políticas públicas disponíveis para serem acionadas em caso de violência contra mulher; A Cruzadinha da Desigualdade Social, denominava alguns dos vários sistemas de opressão que podem ocorrer na nossa sociedade; O Caça palavras da Ditadura Militar, traduzia alguns dos principais acontecimentos dessa época na história do Brasil; Um jogo da memória sobre os Presidentes da História do Brasil, desafiava os jogadores a ordenar os nomes e os principais feitos dos nossos presidenciais; e muitos outros.
Ao fim de 2016, lançamos nossa linha de jogos sobre Eleição, aplicando nas ruas durante o período de campanha, explicando como funciona o Sistema Eleitoral Brasileiro, a partir de jogos rápidos. Demos também início ao Molho Especial, projeto que a partir de 5 jogos rápidos, aborda a relação entre Gênero e Política a partir dos seguintes temas: Direitos e Silêncios - Legislações que impactam as mulheres brasileiras, avanços e retrocessos; "Mulheres na Política" - Conheça as mulheres que construíram e estão construindo a história do Brasil; "Jogo das Vozes" - Sistema Eleitoral e Gênero, quais são os dispositivos formais que impedem a entrada das mulheres no mais simbólico espaço de poder para a conquista de direitos?; "Feminismo Indefinido" - Entre tantos feminismos, o que cada teoria e movimento atribuída ao Feminismo diz?; e o "Queda do Patriarcado" - Jogo simula a atual estrutura social, simulando suas regras sociais e políticas traduzida-as a partir de estatísticas que destacam cada elemento social, o seu desafio é reconhecer essas nuances e modificá-las.
Hoje, a Fast Food da Política se organiza para dar cada vez mais passos em direção a uma tecnologia que possa servir como política pública, ampliando o conhecimento do Governo de dentro para fora e de fora para dentro. Trazendo uma maior abertura e transparência dos processos governamentais, incentivando a participação e a otimização no seu funcionamento, tanto pelos próprios funcionários públicos, quanto pelos cidadãos que não são servidores.

Resultado Alcançado

Desde Agosto de 2015, já jogamos com mais de 3 mil pessoas, realizamos cerca de 60 oficinas e aplicação de jogos, que resultaram na criação de em torno de 80 jogos, tanto pela organização quantos pelos participantes dos processos. Grande parte das aplicações de jogos foi realizada em espaços abertos e eventos culturais, o que inviabilizou a quantificação e aplicação de questionários de feedback.
Em relação às atividades desenvolvidas com grupos fechados, os participantes puderam expor suas opiniões, que apoiaram a nossa iniciativa, mostrando surpresa e muito entusiasmo diante do processo vivenciado. A principal crítica que já recebemos foi que ficava a curiosidade e necessidade de continuar o processo de formação sobre as temáticas, diante de um tempo que era demasiado curto. Participantes trouxeram a demanda de outras metodologias que pudessem aprofundar, aumentando as horas das atividades, mas utilizando a mesma dinâmica lúdica e inovadora (este projeto está em desenvolvimento e se chama Slow Food da Política).
Pudemos aplicar um formulário de feedback online - respondido voluntariamente - com alguns grupos fechados de pessoas que participou de algumas das nossas atividades. Os resultados quantitativos indicaram que, em média, 75% do respondentes concordaram parcial ou totalmente que aprenderam dados sobre o sistema político. No Agentes de Governo Aberto 88% dos participantes avaliaram nossa Oficina de Criação de Jogos Políticos como boa e muito boa, classificando o aprendizado e o conteúdo como “muito coerente”.
No Molho Especial, hoje já aplicado com mais de 130 pessoas, todas disseram que jogariam de novo e recomendaram os jogos como ferramentas para facilitarem o aprendizado sobre Gênero e Política.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Brasília / Distrito Federal08/2015
São Paulo / São PauloButantã09/2016
Campinas / São Paulo09/2016
São Paulo / São PauloMST - Base Leste 108/2016
São Paulo / São PauloCEDESP CENLEP08/2016
São Paulo / São PauloCEU Aricanduva08/2016
São Paulo / São PauloCEDESP Kairós08/2016
São Paulo / São PauloCEDESP Tabor08/2016
São Paulo / São PauloEMEF Profº Antônio Duarte de Almeida08/2016
São Paulo / São PauloAssembleia Legislativa do Estado de São Paulo05/2017
São Paulo / São PauloCEDESP Ave Maria10/2016
São Paulo / São PauloCEDESP Neusa Avelino10/2016
São Paulo / São PauloCasa Dom Macário10/2016
São Paulo / São PauloPinheiros02/2017
São Paulo / São PauloColégio Padre Anchieta - Brás03/2017
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Adolescentes
Adulto
Afrodescendentes
Alunos do ensino fundamental
Alunos do ensino médio
Alunos do ensino superior
Gestores Públicos
Jovens
Lideranças Comunitárias
Mulheres
Organização não Governamental
Professores do Ensino Médio
Professores do Ensino Superior
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Em termos de recursos materiais, é necessário que a pessoa interessada tenha acesso à internet para fazer o download de um ou mais jogos. As informações necessárias para jogá-los estão presentes nos manuais de cada um dos jogos.
O valor para impressão dos materiais é variável de acordo com a qualidade da impressão e papel. A critério de referência, os 5 jogos da linha Molho Especial impressos pela organização em gráfica de São Paulo, papel couchê e coloridos custaram em torno de R$ 550,00. Podendo ser adicionados também custos referentes à cola, tesoura e demais peças de jogos específicos, como: baldes, bolinhas de piscina, EVAs, peças de madeiras e outros.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Mesas portáteis: R$ 60;
Confecção dos jogos: R$ 50 a 100;
Impressão do manual de jogos: R$ 100;
Transporte dos jogos: Kombi, carro ou transporte público (varia conforme jogos)
Oficina de Criação de Jogos: Necessário Wi-Fi, dispositivos eletrônicos para pesquisa e materiais recicláveis.
Total: Média de 465 reais por linha de jogos

Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Relatório de Atividades 2016Baixar
Carta de Recomendação da Ruth Goldberg (Gestora Fundação Arymax)Baixar
A organização, formatos de atuação e linhas de jogos.Baixar
Exemplos de materiais e dinâmicas para facilitação de processos.Baixar
Exemplos dos primeiros jogos desenvolvidos pela Fast Food da Política (manual e facas gráficas)download
jogos sobre Gênero e Política (facas gráficas e manual)download
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

Na contramão dos estereótipos das brigas das redes sociais, a Fast Food da Política desenvolve um trabalho fundamental para que as pessoas saiam de um espaço manipulável para o campo do entendimento, faz um trabalho complexo e necessário na tradução da Política, capaz de ativar aprendizados inclusive para pessoas que, como eu, têm muita experiência na Política. Conhecer esse trabalho me deu de novo entusiasmo e frescor de propostas inovadoras, que buscam um país justo. A Política é um jogo de poder, e a Fast Food tem a capacidade de gamificar tal fenômeno, sem enclausurá-lo em limites técnicos, ao contrário, pondo essa tecnologia a serviço da ampliação de horizontes e consciências.
Tania Rodrigues Mendes, Analista Legislativa da ALESP por mais de 25 anos e agente de formação política