Projeto De Olho nos Olhos - Proteção e Recuperação de Nascentes

certificada 2017

Instituição
Grupo Dispersores
Endereço
Rua Silvestre Ferraz, n° 245 - Centro - Brasópolis/MG
E-mail
dispersores@dispersores.org
Telefone
(35) 99117-6954
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Evandro Mendonça Negrão(35) 99117-6954evandro@dispersores.org
Resumo da Tecnologia

O projeto “De Olho nos Olhos – Proteção e Recuperação de Nascentes”, trata-se de um processo de recuperação da vegetação nativa em áreas de preservação permanente de nascentes, através do isolamento da área com cerca de arame farpado e o plantio de mudas nativas na área isolada. A restauração destas áreas busca proporcionar o equilíbrio do ecossistema e a conservação dos recursos hídricos quantitativamente e qualitativamente, beneficiando diretamente os produtores rurais ao terem nascentes em sua propriedade recuperadas sem nenhum custo. Este processo ainda beneficia toda a população a jusante destas nascentes recuperadas, pois esta ação conserva e produz água para o abastecimento humano

Tema Principal

Recursos Hídricos

Tema Secundário

Meio ambiente

Problema Solucionado

O Projeto “De Olho nos Olhos” iniciou em 2007, implantando um processo de preservação e recuperação da vegetação nativa de nascentes. Esta iniciativa surgiu após um estudo realizado pela instituição o qual foi constatado através de atividades de sensoriamento remoto, que 68% das áreas de preservação permanente de nascentes da região estavam degradadas, estando a paisagem ocupada em sua maior parte por pastagens, bananais e alguns remanescentes de floresta nativa. Sabendo da importância de se preservar os recursos hídricos, através da revitalização dos rios, preservando a vida e garantindo água de qualidade para o abastecimento humano, com este propósito o projeto busca recuperar as nascentes degradadas que na maioria ficam localizadas em zonas rurais, e ao lidar diretamente com os produtores rurais proprietários de terras em que têm nascentes em suas propriedades, surgiu a necessidade de conscientizar estas pessoas sobre a importância de se preservar uma nascente, conservando assim os recursos hídricos da propriedade e garantindo o abastecimento dos rios. Uma nascente degradada tem como conseqüência a diminuição dos cursos d’água, a escassez de água na propriedade.

Objetivo Geral

Elevar o número de nascentes protegidas na região, através da proteção e recuperação da vegetação nativa no entorno destas, proporcionando a conservação dos recursos hídricos quantitativamente e qualitativamente, contribuindo desta forma na reversão do processo de degradação dos recursos hídrico

Objetivo Específico

- Formalização de parcerias com instituições locais e regionais; - Cadastro de proprietários de imóveis rurais interessados em recuperar nascentes degradadas em suas propriedades; - Visita técnica às propriedades para demarcação da área a ser isolada, trabalhando a conscientização do produtor rural e familiares; - Cercamento da área com moirões e arame farpado, isolando uma área de aproximadamente 7.800m²; - Plantio de 650 mudas de árvores nativas (por área isolada), buscando reconstituir a cobertura vegetal no local; - Após alguns anos esta área cercada estará regenerada e neste período outras espécies aparecerão na área isolada, através da dispersão de sementes por vento de fragmentos próximos ou pela fauna silvestre. Com objetivo principal de recuperar nascentes degradadas até o final de 2018 o projeto terá recuperado mais de 190 hectares de Mata Atlântica, através da recuperação de mais de 240 nascentes, tendo plantado aproximada 160.000 mil árvores.

Descrição

Com intuito de atingir os seus objetivos, partindo da identificação de proprietários de áreas rurais, nos 10 municípios de atuação do projeto, os quais tenham interesse em recuperar nascentes degradadas em suas propriedades, sem nenhum custo para o proprietário/produtor, utilizamos da seguinte metodologia: - Formalização de parcerias com instituições chave, atualmente foram formalizadas parcerias / apoio com o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Sapucaí, Instituto Estadual de Florestas - IEF através da APA Fernão Dias, EMATER e Secretarias municipais de Meio Ambiente dos 10 municípios de atuação do projeto, para ajudarem a divulgar o projeto e a identificar possíveis beneficiados; - Divulgação do projeto através da internet, redes sociais, rádio, folders, cartilhas, TV, entre outros meios de comunicação; - Após divulgação e identificação de interessados a aderirem ao projeto, inicia-se o Cadastro de proprietários de imóveis rurais interessados em recuperar nascentes degradadas em suas propriedades; – Visita técnica às propriedades – Após identificar proprietários cadastrados que tenham interesse em preservar nascentes em sua propriedade, é feito uma visita técnica na nascente a ser manejada, com o apoio da equipe técnica do projeto, onde a área de intervenção é classificada como sendo nascente, fonte ou vereda, sendo pontual ou difusa e sua vazão perene, intermitente, temporária ou efêmera, trabalhando ainda nesta etapa a conscientização dos produtores rurais e familiares; - Após visita a propriedade e esclarecimentos quanto ao tamanho da área a ser recuperada, o proprietário estando de acordo, é assinado o termo de compromisso com o Grupo Dispersores para o recebimento dos benefícios; – Demarcação da área a ser isolada – Nesta etapa é demarcado a área de recarga de influência na nascente, que é a delimitação da área a ser isolada com cerca de arame farpado, para tanto são considerados os parâmetros de APP`s definidos pelo Código Florestal Brasileiro, aspectos particulares a cada nascente como relevo, tipo da nascente (pontual ou difusa), fluxo (perenes, intermitente e temporárias) e aspectos da vegetação bioindicadora; – Cercamento da área – Para o isolamento da área em um raio de 50 metros será utilizado uma cerca de arame farpado com 3m de espaçamento entre moirões de eucalipto, total de 108 moirões (9 dúzias), com 4 fios de arame farpado, total de 3,5 rolos de arame de 400m e 4 quilos de grampo para fixar o arame e 1 esticador (balancim) a cada espaço entre moirões, total de 105 balancim. Considerando a cerca em um raio de 50m de área protegida para cada nascente, a área isolada será de aproximadamente 7.800m². Seguindo estas medidas será construído uma cerca de aproximadamente 314 metros; – Combate às formigas cortadeiras – O combate às formigas cortadeiras é feito com o uso de isca formicida granulado e em pó, seguindo as recomendações técnicas de cada produto deve ser executado com pelo menos 3 meses antes do plantio das mudas, controlando as formigas cortadeiras, reduzindo assim a perda de mudas devido a ação destas formigas, este trabalho pode ser realizado simultaneamente ao cercamento das áreas; – Plantio de mudas de espécies arbóreas nativas e adubação - O método de reflorestamento adotado consiste no plantio de mudas de espécies nativas (pioneiras, secundárias iniciais e clímax), são utilizadas até 50 espécies diferentes, com espaçamento de aproximadamente 3x4, é recomendado o plantio de 650 mudas por nascente se a área isolada for de aproximadamente 7.800m², este plantio serve como incentivo à regeneração natural (plantio de enriquecimento) com intuito de acelerar a recuperação da área degradada. Parte das mudas são produzidas pelo próprio viveiro florestal do Grupo Dispersores; - Para adubação no plantio utiliza-se o NPK 6-30-6, aproximadamente 75g por muda, e após 60 dias do plantio, faz a adubação de cobertura com NPK 20-0-20 na mesma proporção, podendo ser substituído por esterco e matéria orgânica. As atividades de plantio devem ser realizadas no inicio da época das chuvas, aproveitando as condições climáticas da época favoráveis ao plantio, reduzindo assim a perda de mudas; – A manutenção, limpeza da área e coroamento das mudas são realizadas em parceria com os proprietários rurais beneficiados, aumentando assim o seu envolvimento no projeto e comprometimento na manutenção da área após encerramento das atividades. A manutenção na área isolada deve ser realizada pelo menos 4 vezes ao ano, até que as mudas atinjam um porte maior, não correndo assim mais riscos de perda das mudas. Vale lembrar que espécies com “assa-peixe” entre outras que vierem a surgir na área isolada devem ser preservadas no local; – Após alguns anos esta área cercada estará regenerada e neste período outras espécies aparecerão na área isolada, através da dispersão de sementes por vento de fragmentos próximos ou pela fauna, através de pássaros e animais silvestres de pequeno porte.

Resultado Alcançado

O projeto De Olho nos Olhos tem como objetivo proteger e recuperar nascentes, tendo como resultado esperado a contribuição na conservação dos recursos hídricos, buscando garantir água em quantidade e qualidade para o abastecimento dos rios e da população. Este trabalho contribui diretamente com a melhoria da água na Bacia Hidrográfica do Rio Sapucaí (GD5), área da atuação do projeto, formada por 48 municípios que direta e indiretamente também passam a ser beneficiados com o projeto. As parcerias institucionais com o projeto proporcionam ao produtor rural, a recuperação de nascentes em sua propriedade sem nenhum custo. Todo material, insumos e assistência técnica são fornecidos gratuitamente pela instituição através do projeto De Olho nos Olhos. Iniciado em 2007 o projeto já vem colhendo frutos, até o momento mais de 50 nascentes já foram recuperadas, são mais de 390.000m² de Área de Preservação Permanente de nascente protegidas e reflorestadas pelo projeto, mais de 32.000 mil mudas de árvores nativas já foram plantadas. Até o final de 2018 os resultados serão ainda maiores, tendo recuperado mais de 190 hectares de Mata Atlântica, através da recuperação de mais de 240 nascentes, tendo plantado aproximadamente 160.000 mil árvores. Em paralelo o trabalho de educação ambiental e mobilização social desenvolvidas pelo projeto, já envolveu mais de 4.000 alunos em suas atividades, além do trabalho de mobilização social realizado com diversas famílias na zona rural e urbana dos 10 municípios de atuação do projeto, onde diretamente aproximadamente 240 famílias estão sendo beneficiadas pelo projeto. Esta iniciativa começou atuando apenas no município de Brasópolis - MG e hoje o projeto se expandiu atendendo atualmente 10 municípios da região, localizados no sul de Minas Gerais, são eles: Brasópolis, Paraisópolis, Gonçalves, Piranguinho, Pedralva, Santa Rita do Sapucaí, Piranguçu, Itajubá, Delfim Moreira e Wenceslau Braz. Com a divulgação do projeto na região e as atividades de sensibilização com a população pelas questões referentes a conservação dos recursos hídricos, hoje os produtores rurais e/ou proprietários de imóveis rurais, vão até o Grupo Dispersores manifestando interesse em participar do projeto, mantendo assim uma demanda constante pela recuperação das nascentes.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Brasópolis / Minas Gerais11/2007
Paraisópolis / Minas Gerais11/2016
Gonçalves / Minas Gerais11/2016
Piranguinho / Minas Gerais11/2016
Pedralva / Minas Gerais11/2016
Santa Rita do Sapucaí / Minas Gerais11/2016
Itajubá / Minas Gerais11/2016
Piranguçu / Minas Gerais11/2016
Delfim Moreira / Minas Gerais11/2016
Wenceslau Braz / Minas Gerais11/2016
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Agricultores
Agricultores Familiares
Alunos do ensino fundamental
Alunos do ensino médio
Criadores bovinos
Famílias de baixa renda
Lideranças Comunitárias
Produtores rurais - Médios
Produtores rurais - Pequenos
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Para a recuperação de 1 (uma) nascente isolando uma área com raio de 50 metros o que corresponde a uma área isolada de aproximadamente 7.800m², são utilizados os seguintes insumos descritos abaixo: - Moirões de eucalipto, total de 108 moirões (9 dúzias), valor total R$720,00; - Fazendo uma cerca de aproximadamente 314m, com 4 fios de arame farpado, usa-se um total de 3,5 rolos de arame de 400m, valor total R$700,00; - Grampo para fixar o arame, utiliza-se 4 quilos, valor total R$28,00; - Esticador (balancim), 1 a cada espaço entre moirões, total de 105 balancim, valor total R$241,50; - As mudas podem ser compradas ou produzidas pela própria comunidade, atores envolvidos ou pela instituição que desenvolve a tecnologia. Por nascente isolada são plantadas 650 mudas, valor total (quando compradas) R$1.300,00. - A mão de obra para construção da cerca e para o plantio das mudas podem ser fornecidas pelos próprios proprietários/agricultores beneficiados ou por mutirões feito pela comunidade ou por atores envolvidos com o projeto, envolvendo assim mais pessoas ao projeto e reduzindo custos com mão de obra.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Cada nascente isolada nos padrões e medidas utilizados pelo Grupo Dispersores tem um custo total com insumos de aproximadamente R$2.989,50. Podendo este valor variar conforme produzam suas próprias mudas nativas diminuindo assim os custos ou aumentando os custos caso precise contratar mão de obra para realizar o serviço de cercamento e plantio de mudas.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
CODEMIG – Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas GeraisApoio Financeiro
Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Sapucaí - GD5Apoio Institucional e Divulgação
IEF - Instituto Estadual de Florestas, através APA Fernão DiasApoio Institucional e Divulgação
Secretarias Municipais de Meio Ambiente (Prefeituras)Apoio Institucional e Divulgação
EMATER - Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas GeraisApoio Institucional e Divulgação
Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Relatório de Atividades parcial 2016_2017Baixar
Carta de recomendação Declaração PrefeituraBaixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

Acreditamos que essa tecnologia social da maneira e métodos em que o Grupo Dispersores esta promovendo de forma continua e progressiva seja de fundamental importância para a conservação dos recursos hídricos e para a consciência ambiental dos produtores rurais e famílias envolvidas. Sempre buscamos difundir nossa metodologia para reaplicação desta tecnologia em outras bacias e regiões, visando a conservação da Água. Será de grande importância para o nosso projeto e para o Grupo Dispersores ser uns dos finalistas e se Deus quiser, com um passo a mais teremos a honra de ser um dos vencedores deste importante Prêmio concedido pela Fundação Banco do Brasil.