Apropriação de tecnologias sustentáveis em habitação por cooperativas populares

certificada 2013

Instituição
FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ
Endereço
Estrada Rodrigues Caldas, nº 3.400 Pavilhão Agrícola - Jacarepaguá - Rio de Janeiro/RJ
E-mail
gilsonsilva@fiocruz.br
Telefone
(21) 2448-9001
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Ailton de Oliveira(21) 8644-5527
Alexandre Pessoa Dias(21) 9430-1601apessoadias@gmail.com
Arnobio Nobrega de Almeida(21) 9872-7335monicabn@globo.com
Flavia Passos Soares(21) 2448-9048flaviapsoares1@gmail.com
José Vicente Ferreira(21) 9236-4027
Josemir Ferreira(21) 9695-7511
Luis Barros de Almeida(21) 7872-9209
Marcos Moisés Alves de Albuquerque(21) 8135-6114marcos@cedacnet.org.br
Mauro Lerer(21) 8867-2337mauro@solarize.com.br
Olivio Bonna(21) 9729-9913bonnafamiliabonna@gmail.com
Ricardo Bonnet Alvarenga(21) 3209-3088bonnetsintese@terra.com.br
Silvio Lopes de Lima(21) 8255-7879
Resumo da Tecnologia

Processos formativos com apropriação de conhecimentos sobre tecnologias ecoeficientes a partir do protagonismo de coletivos de trabalhadores visando a construção de melhores condições de vida e trabalho em um dado território, em sua interrelação com a saúde, o meio ambiente e a sociedade.*{ods4},{ods8},{ods12}*

Tema Principal

Educação

Tema Secundário

Renda

Problema Solucionado

A partir da parceria entre a Cooperativa de Trabalho Constrói Fácil (Jacarepaguá/RJ) e a Fiocruz Mata Atlântica em torno da minimização de riscos no processo de trabalho da construção civil, surgiu a demanda de apropriação de conhecimentos, pelos trabalhadores, sobre procedimentos e técnicas com vistas a melhores condições de trabalho e aprimoramento da qualidade do ambiente construído segundo critérios de sustentabilidade, reduzindo o impacto ambiental negativo e promovendo conforto ambiental, eficiência energética com aproveitamento de recursos naturais, racionalização do uso dos materiais e etapas construtivas, gerando economicidade de tempo e recursos na produção e posterior operação da edificação. E ainda atender à demanda por conhecimentos sobre tecnologias sustentáveis de baixo custo para moradias populares. Destaca-se o fato de que esta cooperativa é uma iniciativa da economia solidária dos anos 1990 que reuniu e capacitou trabalhadores para geração de trabalho e renda em sistema de autogestão com o lema "Produzir e Partilhar", fortalecendo a autonomia do grupo frente à exploração da mão de obra no mercado da construção civil.

Objetivo Geral

Promover a apropriação e disseminação de tecnologias sustentáveis por setores populares organizados em associações ou cooperativas de autoconstrução de moradias e serviços de construção civil para melhoria da qualidade de vida no entorno do Parque Estadual da Pedra Branca – Zona Oeste do RJ.

Objetivo Específico

OE1: Realizar a gestão coletiva com os parceiros no planejamento, acompanhamento e avaliação das ações realizadas pelo projeto; OE2: Promover a adoção pela cooperativa de trabalho Constrói Fácil de procedimentos para a gestão racionalizada da construção e tecnologias sustentáveis na prestação de serviços de construção civil em Jacarepaguá, desde a elaboração preliminar de projetos de arquitetura e complementares estendendo-se no gerenciamento de sua implantação e desenvolvimento de sistema de qualidade/melhoria continuada; OE3: Promover a apropriação de tecnologias sustentáveis de baixo custo por trabalhadores da cooperativa, comunidades e grupos populares organizados no entorno do Parque Estadual da Pedra Branca.

Solução Adotada

A metodologia utilizada foi definida pelos próprios trabalhadores, que indicaram a necessidade de um processo de aprendizado contínuo ancorado na aplicação de novas técnicas e métodos de trabalho (alvenaria estrutural, uso de aditivos para argamassas, aquecimento solar e aproveitamento de água da chuva, entre outros), visando a racionalização do uso dos materiais e etapas construtivas, gerando economicidade de tempo e recursos, além de eficiência energética e aproveitamento de recursos naturais (água de chuva, energia solar). O aprendizado ocorreu durante a construção de uma residência unifamiliar de padrão médio alto de 170m2 de área construída, já contratada, com inserção das tecnologias propostas enquanto modelo de aprendizado prático demonstrando resultados visíveis. Para viabilizar os recursos necessários à construção desta “casa modelo” foi estabelecida parceria com um cliente antigo da cooperativa e o projeto viabilizou o processo formativo de co-gestão e a assessoria técnica especializada desde a concepção dos projetos de modulação da alvenaria e instalações prediais até o processo de formação contínuo para os trabalhadores no canteiro da obra e em visitas técnicas. No processo de construção com alvenaria estrutural as instalações prediais são inseridas durante a execução da alvenaria, exigindo projetos específicos e detalhados, evitando-se quebras e retrabalho, que gerariam resíduos e perda de economia. Adicionalmente, foi concebida instalação complementar para coleta, filtragem e uso de águas pluviais, além da implementação de sistema de aquecimento solar de água. Para promover a apropriação e interpretação destes projetos específicos contou-se com o acompanhamento e a orientação de um especialista que pudesse repassar esses conhecimentos durante o processo construtivo, de uma forma dinâmica e ativa, utilizando apresentações práticas e técnicas audiovisuais. Para tornar mais efetivo o aprendizado pelos trabalhadores era importante realizar a experiência na própria obra, demonstrando os novos procedimentos, apresentando a diferença de resultado, ouvindo os trabalhadores sobre sua percepção e dúvidas. Após a realização de assembléias para discutir o projeto com todos os trabalhadores, foi definida estrategicamente uma equipe mais interessada, aberta e flexível à inovação para participar do processo formativo e depois repassar para o restante do grupo. Além das mudanças de procedimentos e técnicas dos cooperados em sua atuação profissional, foram desenvolvidas oficinas sobre tecnologias sociais sustentáveis de baixo custo visando disseminar seu uso, tanto para os trabalhadores da cooperativa instalarem em suas próprias casas, quanto para outras comunidades, escolas e movimentos sociais. Estas oficinas trataram do aquecimento solar de baixo custo (ASBC) desenvolvido pela Sociedade do Sol e sistemas de captação e aproveitamento de água da chuva abordando a gestão, manutenção e cuidados necessários no uso destes sistemas a partir da instalação de um modelo demonstrativo para o aprendizado na casa de um dos participantes. Para tanto, foi desenvolvida uma metodologia específica com a definição de critérios técnicos e sociais, que contribuíssem para uma escolha justa dentre o perfil dos participantes, das casas a serem avaliadas a priori - em termos de viabilidade e condições de segurança - para definição do local de instalação dos sistemas construídos como parte do processo pedagógico e como modelo demonstrativo. Após as visitas técnicas in loco do especialista e seu parecer, era então agendada a instalação do sistema construído pelo grupo, com o acompanhamento de todas as fases. Para facilitar o aprendizado da turma durante as aulas, antes da instalação, foi construído um protótipo de cada sistema (ASBC e AAC), ou seja, uma versão reduzida, fácil de transportar, capaz de demonstrar o funcionamento do sistema e sua operação.

Resultado Alcançado

Até a finalização da construção foi possível constatar em relatos e entrevistas com os trabalhadores, redução significativa de retrabalho e das atividades com maior desgaste físico, melhor qualidade da obra e retorno financeiro para os trabalhadores com a redução de 30% no tempo de execução e nos custos, o que contribuiu para o fortalecimento do grupo que objetiva ser uma referência no mercado da construção civil. Além disso, constatou-se a eliminação de revestimentos tradicionais e redução do uso de materiais como ferro e cimento, redução do desperdício e de 80% do volume de entulho, além de mudanças na qualidade visual da obra, tornando o ambiente mais saudável, limpo e agradável de se trabalhar. Com o aprendizado coletivo propiciado pelo projeto, a cooperativa realizou uma profunda modificação em sua forma de atuação profissional ao incorporar efetivamente os conceitos, técnicas e procedimentos aprendidos, o que se refletiu em melhores ganhos financeiros e melhores condições de trabalho e renda para os trabalhadores, conquistando um diferencial em termos de sustentabilidade nos processos construtivos associado ao reconhecimento de sua experiência no mercado. Além da casa modelo que serviu para a capacitação ao longo do projeto e que já tinha sido vendida antes de seu término em 2011, já foram finalizadas e vendidas vinte e duas casas em Jacarepaguá com a utilização das tecnologias aprendidas, e há uma lista de espera de clientes interessados em realizar obras com a cooperativa, demonstrando a efetividade deste processo formativo, planejado e realizado, a partir da perspectiva de coletivos de trabalhadores organizados. Após este projeto, o grupo amadureceu a idéia de modificar seu status jurídico devido à carga tributária pesada que incide sobre as cooperativas, tomando a forma do sistema Simples de Micro e Pequena Empresa e estimulando outros grupos a se organizarem da mesma forma e repassando os conhecimentos aprendidos. Em relação à apropriação de tecnologias sociais sustentáveis pelos trabalhadores e outros grupos organizados, foram implantadas 6 unidades demonstrativas de aquecimento solar de água de baixo custo e 3 de aproveitamento de água da chuva em moradias populares durante oficinas realizadas em diversas comunidades localizadas em Jacarepaguá e Rio da Prata/Campo Grande.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Rio de Janeiro / Rio de JaneiroConstrução da casa modelo em terreno na rua Araticum 219, lote 10 - Anil (já vendida e ocupada)12/2011
Rio de Janeiro / Rio de JaneiroEstr. de Jacarepaguá 5091 quadra 6 casa 30, Rio das Pedras (ASBC na casa de Pedro Conceição)08/2011
Rio de Janeiro / Rio de JaneiroRua 13 Quadra 13 - Santíssimo (ASBC na casa de Ailton de Oliveira)08/2011
Rio de Janeiro / Rio de JaneiroRua Herveira 10 – Curicica (ASBC na casa de Valeria Nascimento)12/2011
Rio de Janeiro / Rio de JaneiroRua Sampaio Correa s/n - Jacarepaguá (AAC e ASBC na casa e no barracão do Grupo Esperança)09/2011
Rio de Janeiro / Rio de JaneiroEstrada da Batalha 211 – Rio da Prata (ASBC e AAC na casa de Lourdes das Graças Ferrari)10/2011
Rio de Janeiro / Rio de JaneiroRua Sampaio Correia 18 casa C – Colonia Juliano Moreira (AAC na casa de Janaína Rodrigues)02/2012
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Famílias de baixa renda
Lideranças Comunitárias
Operários da Construção civil
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
Arquiteto com conhecimentos em gestão e aplicação prática de critérios de sustentabilidade no setor da construção civil, aliando conhecimentos acadêmicos e de mercado à experiência em processos formativos junto a grupos populares organizados.1
Profissional com experiência em ministrar oficinas teórico-práticas e instalar sistemas de aquecimento solar de água de baixo custo e aproveitamento de água da chuva em moradias populares1
Prático de obra com conhecimento e experiência na execução de alvenaria estrutural e tecnologias sustentáveis1
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Os recursos para viabilizar a obra de construção de uma residência unifamiliar concreta enquanto modelo de aprendizado prático com a demonstração de resultados visíveis - desde a elaboração do projeto até sua finalização - foram obtidos a partir de uma parceria da cooperativa com um cliente antigo que abraçou a idéia. O terreno, os materiais e o pagamento da mão de obra eram realizados pelo cliente da cooperativa, e os recursos do projeto pelo edital Faperj viabilizaram o aprendizado de co-gestão executiva e financeira dos recursos e a assessoria técnica especializada a um processo de formação contínuo para os trabalhadores no canteiro da obra e em visitas técnicas, além das oficinas sobre tecnologias sociais sustentáveis de baixo custo (ASBC e AAC) para trabalhadores e grupos populares com a instalação de 9 unidades modelo demonstrativas nas casas de participantes escolhidas a partir de critérios técnicos e sociais.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

O projeto recebeu em 2010 o financiamento de R$ 94.990,00 do edital de Apoio ao Desenvolvimento de Modelos de Inovação Tecnológica Social - FAPERJ, para realizar em 18 meses o processo formativo dos cooperados na construção de uma casa modelo (compra de ferramentas, assessoria especializada, cursos e visitas técnicas), além das oficinas sobre tecnologias sustentáveis para grupos populares.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Cooperativa de Trabalho Constrói FácilEsta cooperativa surgiu nos anos 1990 com o objetivo de gerar trabalho e renda para trabalhadores excluídos do mercado da construção civil e demandou acesso aos conhecimentos necessários para gestão e aplicação prática de critérios de sustentabilidade no setor da construção civil, ajudando a elaborar e sendo o proponente de um projeto com este objetivo
Bonnet Sintese Soluções AmbientaisRealização de processo formativo com os operários da cooperativa para gestão e aplicação prática de critérios de sustentabilidade no setor da construção civil, aliando conhecimento de acadêmico e de mercado à experiência em processos formativos junto a grupos populares organizados.
Canteiro Experimental de Tecnologias Sociais em Saneamento e Saúde (CETESA) - EPSJVOficinas teórico-práticas sobre captação e aproveitamento de água da chuva (AAC)
Solarize: Serviços em Tecnologia AmbientalOficinas teórico-práticas sobre sistema de aquecimento solar de água de baixo custo (ASBC)
Associação Comunidade Ecológica Pedras do Prata -ECOPRATAParceria no projeto e nas ações realizadas em Campo Grande
Grupo EsperançaGrupo de autogestão na construção de moradias populares parceiro nas oficinas sobre tecnologias sustentáveis de baixo custo
Impacto Ambiental

Sendo o setor da construção civil responsável por impactos negativos ao meio ambiente, as tecnologias e procedimentos apropriados pelos trabalhadores desta cooperativa na construção das casas revelaram uma redução significativa de materiais e do desperdício, a eliminação de revestimentos tradicionais, uma drástica redução no volume de entulho estimada em 80%, além de promover o uso sustentável de recursos naturais e um ambiente de obra mais saudável, limpo e agradável de se trabalhar.

Forma de Acompanhamento

O acompanhamento do processo formativo ocorreu na própria obra durante o trabalho de construção, sendo verificados os resultados com os trabalhadores, além de reuniões mensais para o planejamento e avaliação com os parceiros e definição de estratégias. O grupo revela atualmente que, nas 22 casas construídas após o projeto, a execução seguiu esta nova forma de trabalho, com valorização da mão de obra, fortalecimento do grupo e melhores condições de trabalho, renda e conforto para as famílias.

Forma de Transferência

O processo de aprendizado junto a trabalhadores da construção civil deve estar indissociavelmente ligado à prática e por este motivo a construção coletiva do conhecimento se dava durante a assessoria técnica na própria obra, com a verificação e análise de cada novo aprendizado e dos resultados obtidos. Após o projeto, vem ocorrendo a multiplicação do conhecimento para outros grupos populares da construção civil da mesma forma. No caso do processo de aprendizado e gestão das tecnologias sociais sustentáveis instaladas, foram produzidos protótipos e fichas resumo com a descrição do objetivo, materiais, modo de construir, instalar e manter/gerenciamento do cuidado (analise de riscos), além de desenhos esquemáticos para facilitar a visualização do funcionamento do sistema.

Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Ficha resumo sobre a tecnologia social ASBC desenvolvida neste projeto com as principais informaçõesBaixar
Ficha resumo com as principais informações sobre o sistema AAC desenvolvida neste projetoBaixar
Tabela com critérios técnicos e sociais para seleção prévia das moradias a receberem a visita técnica de avaliação para instalação dos sistemadownload
Apresentação do projeto no Encontro Nacional e Latinoamericano de Edificações e Comunidades SustentáveisBaixar
Notícia veiculada no portal Fiocruz sobre este projetoBaixar
Informativo da Cooperativa Constroi Facil contando a historia do grupo (fl1)Baixar
Informativo da Cooperativa Constroi Facil contando a historia do grupo (fl2)Baixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

Arnóbio Nóbrega/Cooperativa de Trabalho Constrói Fácil -"Mudou completamente o sistema de trabalho na execução da obra, reduziu o tempo, a mão de obra, os materiais, o entulho.Outro benefício foi se apropriar de uma tecnologia que só as grandes construtoras possuíam e a gente como grupo popular não tinha conhecimento. Não dá nem pra falar, na prática é que a gente sabe. A redução de desperdício é uma coisa muito visível. As coisas são feitas definitivas. Outra grande vantagem é que o pessoal se corrigiu em muitos costumes que achava que estava certo e também a mentalidade das pessoas mudou. E o trabalho ficou mais leve, porque o sistema é como um quebra-cabeça, você monta ele. Os benefícios estão aí e estão sendo multiplicados pelos trabalhadores, fortalecendo e ampliando o grupo."