Casa do Chá: Método para Implementação da Política Pública de Fitoterápicos

certificada 2019

Instituição
Prefeitura Municipal de Rio Rufino
Endereço
José Oselame - Centro - Rio Rufino/SC
E-mail
carlosaugustoantunes@gmail.com
Telefone
(49) 4999-95686
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Carlos Augusto Antunes(49) 9999-5686carlosaugustoantunes@gmail.com
Suzete Souza Oselame(49) 9910-51333suzioselame@hotmail.com
Resumo da Tecnologia

1) Coleta de ervas e informações do saber popular: Os profissionais da Casa do Chá vão até os agricultores, para a coleta das ervas e de informações do uso tradicional. 2) Preparo: Os Profissionais da Casa do Chá fazem o beneficiamento das ervas, resultando em tinturas, cremes e sabonetes. A partir das normas sanitárias e indicações científicas. 3) Divulgação: São encaminhadas para as unidades de saúde, informativos dos produtos. Os profissionais indicam o uso e repassam as demandas da comunidade.4) Distribuição: Os usuários vão até a Casa do Chá com a indicação dos profissionais de saúde, e, então o farmacêutico faz a orientação e entrega gratuita do produto.*{ods3},{ods13}*

Tema Principal

Saúde

Tema Secundário

Meio ambiente

Problema Solucionado

Erosão cultural pela desvalorização do conhecimento tradicionais, bem como falta de sistematização desse conhecimento relacionado ao consumo de fitoterápicos; Custo elevado para o ente público, para aquisição de medicamentos convencionais; Demandas de saúde não atendidas relacionadas as atividades laborais ou as questões climáticas do território; Uso indiscriminado de fitoterápicos, devido a falta de orientação para o consumo e preparo das ervas medicinais.

Objetivo Geral

Promover a melhoria na qualidade de vida das pessoas e estimular o resgate do conhecimento tradicional, por meio da sistematização dos processos envolvidos na politica pública de fitoterápicos.

Objetivo Específico

Garantir à população o acesso seguro e uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos; Resgatar e valorizar o conhecimento cultural e tradicional; Responder as demandas da comunidade em relação enfermidades vinculadas as atividades e perfil do território; Garantir a Sustentabilidade do serviço, como patrimônio social e cultural da comunidade; Reduzir os custos com aquisição de medicamentos alopáticos, bem como com o tratamento dos fatores adversos relacionados a utilização dos mesmos.

Descrição

A Casa do Chá em Rio Rufino nasce da necessidade de valorizar as pessoas do meio rural e seus conhecimentos sobre as plantas medicinais, e aliviar as doenças comuns da comunidade desse território. Teve o seu marco inicial no ano de 2001, quando o município foi contemplado com o PRONAF infraestrutura devido ao baixo índice de desenvolvimento humano e social. Foi sugerida inicialmente pela agricultora e benzedeira Lorena de Souza e acatada pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural (CMDR) que coordenava o destino dos recursos recebidos.Com o passar do tempo houve a necessidade de sistematizar o processo (resultado da metodologia proposta) a modo que independente das pessoas que ficassem a frente da gestão do município, seria garantida a continuidade do serviço. A Casa do Chá faz parte da Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Rio Rufino e os produtos são distribuídos gratuitamente à população, as plantas medicinais são usadas como recurso auxiliar na rede de saúde pública como alternativa na solução das demandas da comunidade, em acordo com as especificações técnicas em conjunto aos saberes tradicionais. Para a viabilização dessa tecnologia é necessário que sejam satisfeitos alguns fatores antecedentes, que denominamos como configurações mínimas. 1) Canais de participação e controle social; 2) Regulamentação a cerca do uso e processamento de fitoterápicos nos níveis de estado (união, estados e municípios); 3) Infraestrutura básica (edificação e equipamentos); 4) Qualificação técnica da equipe executiva (funcionários da Casa do Chá). Casa do Chá: Método para Implementação da Política Pública de Fitoterápicos 1) Coleta de ervas e informações do saber tradicional. Elemento: Agricultores Os profissionais da Casa do Chá, se deslocam até as propriedades dos agricultores, para a coleta das ervas que são produzidas no local e informações do uso tradicional. 2) Preparo Elemento: Profissionais da Casa do Chá Os Profissionais da Casa do Chá fazem o beneficiamento das ervas, resultando em tinturas, cremes e sabonetes. Nessa etapa o acompanhamento é criterioso em relação às normas sanitárias e indicação científica ao modo de preparo, extração e uso dos compostos fitoterápicos. 3) Divulgação Elemento: Profissionais de Saúde São encaminhadas para as unidades de atendimento em saúde, informativos a cerca da utilização e disponibilidade dos produtos. Com essas informações os profissionais indicam o uso, bem como repassam para a Casa do Chá as demandas identificadas junto a comunidade. 4) Distribuição Elemento: População A População vai até a Casa do Chá com a indicação dos profissionais de saúde, e, então o farmacêutico faz a orientação e entrega gratuita do produto.

Resultado Alcançado

Melhoria da qualidade de vida da comunidade Valorização da sociobiodiversidade e do conhecimento tradicional. Redução do custo para a municipalidade na compra de medicamentos (em fase de quantificação) Sistematização do atendimento e utilização racional e orientada dos fitoterápicos. Resposta as demandas de saúde da comunidade. Alguns Exemplos Caso 1: Ferimentos nas mãos Rio Rufino é conhecida pela produção de Vime (salix), Essa planta é utilizada para artesanato de cestarias e mobília. A colheita e o manuseio dessa planta causa o ressecamento das mãos, dessa forma provoca ferimentos. Solução: A partir dessa demanda foram feitas pesquisas junto a comunidade e também na literatura cientifica, e então foi desenvolvido um produto (creme) para resolução dessa demanda, assim o creme tem sido usado principalmente pelos agricultores e artesãos com ótimo resultados. Caso 2: Doenças Respiratórias Rio Rufino localiza-se na região mais fria do Brasil, e esta questão climática provoca enfermidades respiratórias na população, principalmente em crianças e idosos, que consumiam grande quantidade de xaropes convencionais. Solução: Foi desenvolvido um xarope fitoterápico com plantas regionais e e compostos fitoterápicos, o que reduziu significadamente a utilização dos xaropes convencionas e é percebida pelos profissionais melhor efetividade no tratamento. Caso 3: Pediculose (piolho) Foi constatado nas escolas do município em determinados períodos uma incidência muito grande de piolho nas crianças, a população por sua vez utilizava produtos ou que não tinham efeito efetivo ou causavam intoxicação nas crianças. Solução: a casa do chá desenvolveu uma loção que é efetiva no controle dos piolhos e não causa intoxicação nas crianças. Caso 4: Inflamação muscular Havia uma demanda muito grande por pomadas anti-inflamatórias para utilização em tratamento fisioterápicos, bem como a queixa recorrente da população de dores musculares, principalmente os idosos. Solução: Foi desenvolvido um creme para dar conta dessa demanda, o custo é significadamente menor e tem se mostrado efetiva nas resolução da queixa, constatado pela avaliação técnica dos profissionais , bem como pelo relato dos pacientes.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Rio Rufino / Santa Catarina06/2001
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
População em geral
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Equipamentos: balança, destilador, fogão, estufa de desidratação, geladeira, computador, impressora e mobiliário. Infraestrutura: edificação 100,00m² Material de consumo: Insumos e material de uso geral.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Equipamentos: R$ 22.920,00 Treinamento: R$ 6.000,00 Infraestrutura R$ 140.000,00 Total R$ 168.920,00 Material de consumo: R$ 3.560,00 mensais Recurso humanos: R$ 7.000,00 mensais

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Programa Nacional da Agricultura Familiar (PRONAF Banco do Brasil)Financiamento do equipamento
Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS PELA POPULAÇÃO DE RIO RUFINO-SCdownload
Metodologia de implementaçãoBaixar
Lei Ordinária Criação Casa do CháBaixar
Orientação e informativodownload
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

O ecossistema de inovação em saúde e a regulamentação ( PNPIC no SUS portaria nº 971, de 20016, PNPMF Decreto nº 5813, de 2006 e em Santa Catarina LEI Nº 17.706, de 2019) possibilitou o avanço da utilização das plantas medicinais e fitoterápicos. com intuito de promover a melhoria na atenção à saúde na qualidade de vida das pessoas, além de estimular as produções locais bem como o resgate do conhecimento tradicional, dessa forma contribuindo para a sustentabilidade social, econômica e ambiental.