Catapoesia

certificada 2013

Instituição
Trilhas da Serra - Educação, Cultura e Cidadania
Endereço
Rua Francisco Waldemar Horta, 77 - Fundos - Posses - Serra Negra/SP
E-mail
ongtrilhasdaserra@gmail.com
Telefone
(19) 3892-5631
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Solange Moraes Barreto Borges(19) 3892-4426ongtrilhasdaserra@gmail.com
Resumo da Tecnologia

A metodologia Catapoesia tem o objetivo de formar coletivos juvenis para serem protagonistas da produção de livros com capas de papelão a partir da coleta de histórias em comunidades e em bairros, privilegiando os conteúdos de caráter cultural e social e tornando os jovens autônomos no trabalho.*{ods4},{ods13}*

Tema Principal

Educação

Tema Secundário

Meio ambiente

Problema Solucionado

O problema solucionado pela metodologia Catapoesia foi que, por meio da produção de livros com capa de papelão de uma maneira totalmente artesanal com impressoras não-profissionais, os jovens puderam dar vazão às suas produções textuais resultantes de entrevistas e das rodas de conversa para a coleta de histórias com os mestres e as mestras de bairros, comunidades tradicionais ou não. Os custos para a publicação desses livros são mínimos, se comparados à uma editora convencional, o que fez com que o trabalho se tornasse colaborativo e não competitivo, desde a coleta do papelão em comércios locais, a coleta das histórias, a transformação em textos, a digitação, a impressão, a publicação até a sua comercialização, com custo também reduzido. A metodologia Catapoesia tem um caráter de itinerância e é multiplicada também em escolas, bibliotecas, faculdades, centros culturais. Outro problema solucionado por essa metodologia é que ela leva a formação aonde o jovem está, evitando que este se desloque de sua comunidade para a capacitação, dando-lhe a oportunidade de se profissionalizar na área editorial e posteriormente inserir-se no mercado de trabalho gráfico.

Objetivo Geral

Formar coletivos jovens para serem protagonistas da produção de livros com capas de papelão a partir da coleta de histórias em comunidades, incentivando a leitura, a escrita, o patrimônio, o meio ambiente, as artes visuais e a cultura digital, privilegiando os conteúdos de caráter sócio-cultural.

Objetivo Específico

- Coletar histórias de vida, casos, memórias, saberes e fazeres nas comunidades para serem utilizados como mote para a escrita dos textos literários; - contos, minicontos, relatos e poemas; - para compor o conteúdo dos livros, estimulando a educação para a cultura e a educação patrimonial; - desenvolver com os coletivos oficinas de edição; - digitação, formatação e impressão dos textos em programas específicos de computador, num processo colaborativo e de conhecimento compartilhado; - desenvolver oficinas de produção de capas de papelão, estimulando as artes visuais; - multiplicar o processo de produção dos livros em espaços públicos, praças, escolas, cafés, centros culturais e bibliotecas, para o público em geral, para educadores e estudantes; - criar redes colaborativas entre os jovens das diversas comunidades por onde o projeto tenha sido desenvolvido; - criar redes colaborativas entre editoras cartoneras (brasileiras e estrangeiras); - organizar o lançamento e a distribuição.

Solução Adotada

A metodologia Catapoesia pretende ser uma ferramenta de registro/inventário das referências culturais da comunidade/bairro onde ela é aplicada por meio da troca intergeracional entre os jovens e os detentores dos saberes, dos fazeres, das manifestações e das celebrações da comunidade. A partir do momento em que o jovem ouve/registra, ele também passa a ser o detentor, reconhecendo e valorizando a referência cultural como um patrimônio a ser salvaguardado por meio do livro artesanal. A transposição de linguagens oral-escrita passa a ser o vínculo a partir da troca de conhecimento, ou seja, o jovem, ao realizar a produção textual do registro oral, passa a ser o protagonista, o autor, junto ao detentor, autoria que se torna coletiva, colaborativa. A metodologia acontece da seguinte forma: 1º – A coordenação pesquisa a comunidade em que o projeto possa ser desenvolvido, contacta lideranças e jovens, apresenta a proposta e faz a sensibilização para a realização do projeto. Se houver parceria, escolhem-se os jovens que se interessam pela proposta para dar início às atividades. Um jovem do coletivo é escolhido pelo grupo para ser o coordenador local na comunidade. 2º - Assim feito, são agendados os primeiros encontros de formação em que são trabalhados os temas: Metodologia Catapoesia, Cultura, Leitura e Produção Textual, Meio Ambiente, Gestão Cultural, Artes Visuais, Audiovisual e Fotografia – temas esses fundamentais para que os jovens possam entender os objetivos, a totalidade e a abrangência da metodologia Catapoesia. 3º - Após a formação por tema, inicia-se a formação específica para o projeto: Projeto Cultural (planejamento de atividades), Memória e História Oral, Registro, Produção Textual, Edição em Software, Impressão, Artes Visuais (pintura em papelão), Cartonagem, Publicidade, Produção de Eventos, Multiplicação da metodologia. 4º - Escolha do tema e das pessoas envolvidas na produção do primeiro livro. 5º - Após a escolha do tema e da pessoa entrevistada ou do roteiro a ser traçado, agendam-se os encontros para a coleta de material como histórias de vida, casos, memórias, saberes e fazeres na comunidade, o que ocorre em consonância com o item 3, uma vez que a proposta é conciliar a teoria à prática, estimulando os jovens a planejarem, executarem e finalizarem cada etapa do processo. 6º - A partir do momento em que já se tem o material coletado, o coletivo juvenil se reúne para assistir aos vídeos e realizar as oficinas de produção textual, onde aprendem técnicas de escrita e reescrita dos textos para adequá-los à proposta. 7º - Com os textos prontos, o coletivo juvenil divide-se para realizar a sua digitalização em programa de computador e a sua posterior impressão e também para a pintura das capas de papelão. Cada livro tem uma tiragem inicial de cem (100) exemplares. 8º - Com os conteúdos impressos e com as capas prontas, o passo seguinte é a colagem dos mesmos nas capas, finalizando, assim, a etapa produção dos livros. 9º - Em seguida, é organizado o evento de lançamento do livro com um sarau literário. 10º - O lançamento acontece com a tiragem de cem (100) livros, no mínimo. 11º - Durante todo o processo é feita a divulgação em mídias. 12º - Distribuição dos livros para comercialização. 13º - Esse processo é repetido a cada realização de um novo título/livro. Assim sendo, a metodologia se estrutura por meio do protagonismo e do empoderamento de todos os atores sociais envolvidos: coordenadores, educadores sociais, lideranças, mestres do saber popular e tradicional, coletivos jovens, família, comerciantes locais, educadores, escolas locais e demais moradores da comunidade.

Resultado Alcançado

A metodologia Catapoesia está sendo disseminada nos estados de São Paulo e Minas Gerais. Em Serra Negra, há o coletivo De-Fusão, composto por 10 jovens; Em Amparo, há o coletivo Pantaleão, composto por 15 jovens; em Belo Horizonte, há o coletivo Gerais, composto por 10 jovens; em Cordisburgo, há o coletivo Loucos por Memória, composto por 15 jovens; em São João das Missões, há o coletivo Raízes de Xakri, composto por 15 jovens. Esses coletivos são responsáveis pela multiplicação do projeto em suas comunidades. Em números, o projeto já atingiu: São Paulo (150 diretos, 300 indiretos); em Minas Gerais (500 diretos, 8 mil indiretos); redes sociais e vendas (1000 diretos). Livros publicados: 1. Tia Tança, que não me sai da lembrança…, Jaboticatubas, Minas Gerais (2009) 2. Trilho, Serra Negra, São Paulo (2009) 3. Gota D’Agua, Serra Negra, São Paulo (2009). 4. Homem é Fogo!, Belo Horizonte, Minas Gerais (2010). 5. Faces I, Serra Negra, São Paulo (2010). 6. Brotecos, Serra Negra, São Paulo (2011). 7. Faces II, Serra Negra, São Paulo (2011). 8. In-Verso, Cordisburgo, Minas Gerais (2012). 9. Homenagem ao Sr. Elifa, Xakriabá, Minas Gerais (2011). 10. A Lenda da Serra da Mantiqueira, Serra Negra, São Paulo (2012). 11. Lixo na Aldeia Sumaré I, Xakriabá, Minas Gerais (2012). 12. Frutinhas do Cerrado, Xakriabá, Minas Gerais (2012). 13. Tocos do Cerrado, Cordisburgo, Minas Gerais (2012). 14. Bordando Letras, Cordisburgo, Minas Gerais (2012). 15. Bambolê, Amparo, São Paulo (2012). 16. Churrocker, Serra Negra, São Paulo (2012). 17. Quartas, Serra Negra, São Paulo (2012). 18. Robôs, Serra Negra, São Paulo (2012). 19. Fim D’Ano, Serra Negra, São Paulo (2012). 20. Flora, Serra Negra, São Paulo (2013). 21. Viver é Etcétera, Cordisburgo, Minas Gerais (2013). 22. Minis, Serra Negra, São Paulo (2013). 23. Saci, Belo Horizonte, Minas Gerais (2013). 24. Papel, Serra Negra, São Paulo (2013). Livros a serem lançados no 1º semestre de 2013: 25. Circulares 26. Chita 27. Rama 28. De-repentes

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Serra Negra / São PauloFrancos02/2010
Mogi Mirim / São PauloCentro08/2011
Amparo / São PauloSilmara III07/2012
Jaboticatubas / Minas GeraisQuilombola do Mato do Tição11/2009
Belo Horizonte / Minas GeraisAnchieta11/2011
Cordisburgo / Minas GeraisCentro08/2011
São João das Missões / Minas GeraisTerritório Indígena Xakriabá11/2011
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Adolescentes
Alunos do ensino superior
Catadores de material reciclável
Idosos
Jovens
Povos indígenas
Povos Tradicionais
Professores do ensino fundamental
Professores do Ensino Médio
Quilombolas
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
Coordenador geral1
Coordenador local1
Educador Social/Oficineiro3
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Os recursos necessários para a implementação da tecnologia são: um local equipado com multimídia para o processo formativo dos coletivos jovens, uma câmera fotográfica e uma filmadora, uma impressora laser preta e uma laser preta/colorida, um computador, papel sulfite, tinta de várias cores, pincéis, tesoura, estilete, régua, grampeador.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

O valor estimado é de cerca de R$ 5.000,00.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Ministério da CulturaPrêmio Pontinhos de Cultura
Ministério da CulturaPrêmio Pontos de Cultura - 3º ano destinou verba pra tecnologia
SEDESE-MGEmenda Parlamentar 2011/2012 - Cordisburgo e São João das Missões
Secretarias Municipais de Educação e Cultura -
Impacto Ambiental

O projeto atua diretamente com a educação ambiental no momento em que coleta caixas de papelão (sucata) para ser o suporte dos conteúdos do livro. Os jovens, ao buscar ou guardar esse material, automaticamente conscientizam-se da importância da reutilização dos materiais, evitando que esses vão para o lixo. Os conteúdos dos livros prezam os patrimônios culturais naturais, como os biomas Cerrado (em Cordisburgo e São João das Missões) e o saber tradicional que é interligado à natureza.

Forma de Acompanhamento

Os coordenadores locais (de cada comunidade onde a metodologia é implementada) são os responsáveis pela supervisão, elaboração e desenvolvimento das atividades, envolvendo os demais membros dos coletivos, levantando temas e pesquisas na comunidade, indicando mestres para a escolha coletiva. São esses coordenadores o vinculo com a coordenação geral e com os educadores sociais, que, após o período formativo, comparecem quinzenalmente às comunidades para o acompanhamento dos resultados.

Forma de Transferência

A tecnologia é difundia por meio de palestras e encontros participativos dentro das comunidades, como saraus, encontros em bibliotecas, centros culturais, pontos de cultura, faculdades, espaços públicos como praças, museus, cafés, escolas. Além disso, ela é levada a feiras de livros, seminários e mostras artísticas a fim de realizar a sua multiplicação. São usadas as redes sociais, blogs e sites para a sua divulgação e multiplicação. A tecnologia tem um blog próprio para consulta de toda a sua metodologia, notícias e atividades realizadas. (http://catapoesia.wordpress.com). Em cada comunidade há uma avaliação periódica a fim de detectar os pontos positivos e negativos daquela comunidade para que ela possa ser reformulada e revista em sua aplicabilidade.

Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

A tecnologia Catapoesia visa fortalecer as políticas de proteção e de educação, fomentando espaços informais de aprendizagem complementar ao ensino formal, preparando os jovens para uma vida pública em comunidade saudável e produtiva, com vistas à sua preparação para o mercado de trabalho e para o ensino superior, enriquecendo todas as suas potencialidades. As indicações da LDB sinalizam que o direito à educação precisa ir além da garantia formal do acesso à escola para possibilitar o desenvolvimento integral de jovens, assegurando ganhos de aprendizagem em todas as áreas da vida. Participando do projeto, os jovens aprendem habilidades para o convívio social, conhecem a sua herança cultural, exercitam a sua curiosidade e dominam os instrumentos necessários para aprender com autonomia.