Centros de Convivência- Inserção social de portadores de sofrimento mental

certificada 2013

Instituição
Prefeitura Municipal de Belo Horizotne
Endereço
Rua Arantina, 375, - Bairro Minaslândia - Belo Horizonte/MG
E-mail
mblguimaraes@terra.com.br
Telefone
(31) 3277-7482
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Maria Betânia de Lima Guimarães(31) 3277-7482mblguimaraes@terra.com.br
Resumo da Tecnologia

Os Centros de Convivência da Política de Saúde Mental da SMSA- SUS/BH, fazem parte de uma rede de serviços substitutivos ao manicômio, para portadores de sofrimento mental, visando sua inserção social, atravês de recursos sócio- culturais. Hoje são 09 unidades com cerca de 1300 usuários.*{ods3},{ods4}*

Tema Principal

Educação

Tema Secundário

Saúde

Problema Solucionado

Há 20 anos, Belo Horizonte criou uma politica de Saúde Mental que enfrenta, a exclusão do tratamento psiquiátrico, antes realizado apenas em hospicios, onde segregava dores e sofrimentos que a sociedade não via,vivendo os ditos "loucos" em condições subhumanas, cercados por muros e grades que impediam de exercer sua cidadania e fluir sua vida. Abandonados nos hospitais psiquiatricos ali viviam, alguns uma vida inteira, distante do convivio social, cercados de maus tratos, sem tratamento digno, sujeitos a práticas invasivas e abusivas, encobertados pelos preconceitos de incapacidade, periculosidade, irracionalidade. Desde 1993 foi criado a rede de serviços substitutivos ao manicomio, para cuidar e tratar destes cidadãos em liberdade, criando dispositivos capazes de sustentar a presença pública e digna do portador de sofrimento mental, possibilintando até o momento o fechamento de 4 manicômios e mais de 2000 leitos psiquiátricos. São diversificados serviços na rede de saúde mental, incluindo 09 Centros de Convivência, que objetivam a transformação social do lugar da loucura, que trabalham com recursos da cultura, recebendo usuários que já estejam em tratamento .

Objetivo Geral

Desenvolver nos Centros de Convivência ações que promovam cidadania, socialização, diversão e circulação dos portadores de sofrimento mental e dependentes quimicos de forma articulada com outros serviços substitutivos que tratam em liberdade, possibilitando a efetivação de laços sociais.

Objetivo Específico

- Desenvolver oficinas de arte e artesanato - Promover passeios,visitas a museus, teatros, parques, atividades fisicas e esportivas.dentre outros - Promover a Educação de Jovens e Adultos em parceria com a educação - Realizar exposições de artes plasticas dos trabalhos desenvolvidos nos Centros de Convivência - Realizar shows, apresentações cênicas dos trabalaos artisticos desenvolvidos nos Centros de Convivência - Revelar artistas e grupos artisticos no mercado cultural - Promover festivais culturais, possibilitando o intercâmbio artistico, a circulação da loucura nos espaços culturais e a desmistificação da loucura - Preparar e encaminhar cidadãos para a inclusão produtiva - Fazer encontros com familiares dando um suporte aos mesmos para tratar seus parentes em liberdade - Promover reuniões, manifestações e assembleias para empoderar politicamente os portadores de sofrimento mental - Articular com o local que o usuário está se tratando

Solução Adotada

Para substituir o hospital psiquiátrico, e superar a lógica antimanicomial que o organiza, foi aberta uma rede de serviços substitutivos incluindo os 09 Centros de Convivência de BH. Os Centros de Convivência são serviços da saúde, que surgem como espaços de expressão e criação, propiciando a inclusão social. Dispositivo não sanitarizado, onde o que se opera não é o tratamento por principio, mas a oferta de de atividades criativas e diferenciadas, relacionadas á cultura, sendo as oficinas seu eixo organizador. Os Centros de Convivência tem no seu quadro de recursos humanos profissionais da cultura como artistas plásticos, musicos, jornalistas, dançarinos, artesãos. Como os demais dispositivos da saúde mental acolhem, prioitariamente, os portadores de sofrimento mental grave em tratamento em outros serviços como os Cersams e Centros de Saúde e os usuários de alcool e outras drogas. As oficinas de artes plastcas variam entre desenho, pintura, gravura, papel marchê, mosaico, cerâmica, artes visuais, tendo ainda oficinas de musica, artes cênicas, dança, teatro, artesanato, borado, costura, letras, jornalismo, culinária,horta, praticas fisicas e esportivas. Em alguns centros possui ainda as aulas regulamentares do EJA ( Educação para jovens e adultos- parceria com Educação), Tele- centro ( cursos de qualificação de computação- parceira com ), Prática de Lian Gong e academia da cidade. As oficinas se desdobram ainda em acontecimentos variados e inusitados, que fazem surgir demandas e necessidades imateriais ou sensíveis como : desejo de um lugar para prazerosamnete ver o tempo passar, um lugar de encontrar com um outro, conhecê-lo, reconhecer-se, um local onde é possivel ensinar e aprender.Um lugar, entre tantos, onde a subjetivação de histórias e e a criação de de formas de pertencimento acontecem nas trocas e nas produções e suscitam a formulação de projetos de vida mais ricos e plenos. A travessia da exclusão para a cidadania encontra neste lugar um importante agenciador de possibilidades. è aqui que se definem com clareza de decisão, os projetos de trabalho e o desejo de empreender. Aqui, muitas vezes se constroem novas ou as primeiras relações efetivas, e é também aqui, que pela primeira vez, uma ocndição distinta do estigma se prenuncia: o usuário pode circular e sustentar uma identidade mais ampla. Deixa de ser apenas louco, para apresnetar-se como capaz par ao convívio, para a produção de sentidos, para a arte, dança, canto...Enfim, capaz de encantar e encantar-se, capaz de viver É também um lugar político e de transformação, onde o exercício das escolhas e da solidariedade é estimulado, onde se valoriza a participação, a mobilização e intervenções no proprio di-a-dia, nas comissões que produzem eventos, nas assembleias mensais, no Orçamento Participativo, na Luta Antimanicomial. Ocupando papel estratégico no Projeto de Saúde Mental, os Centros de Convivência têm se colocado como lugar coletivo que se constrói para fazer caber e circular a diferençam, para colher a diversidade de modo singular, escapando aos "standarts" e ás formas acabadas de pensamento, possibilitando aos sujeitos se perceberem criativos e protagonistas de suas histórias Cumpre também o papel de agenciador de situações novas para a rede e para seus trabalhadores, na medida que seus efeitos se fazem notar na clinica de cada sujeito, seja pelas portas que abre, seja pelos sentidos inéditos que provoca sobre a prática sustentada coletivamente. Por tudo isso, não é um lugar em si mesmo. O Centro de Convivência mantêm-se aberto e aposta sempre nas possibilidades existentes no território, busca estabelecer parcerias e articulações em redes, e inventa, com cada usuario, novas vias para viver na cidade. Enfim, com a gama de atividades e eventos que faz acontecer, permite a construção de novas formas de linguagem que possibilitam compartilhar a experiência e dialogar com a cultura, educação, associações de trabalho e a comunidade em geral.

Resultado Alcançado

- Fechamento de 4 hospitais psiquitricos em Belo Horizotne, somando um montante de mais de 2000 leitos - Dimunição das internações em hospitais psiquiátricos - Diminuição de quantidade de remedios prescritos para os usuários - Diminuição dos estigmas e preconceitos em relação a loucura - Maior circulação da " louco" na cidade - Diminuição do uso de alcool e outras drogas - Abertura de 09 Centros de Convivência , um em cada regional da cidade, atendendo de forma regionalizada e descentralizada - Inclusão de portadores de sofirmento mental no mercado de trabalho - Retomada dos estudos por grande parte dos usuários assistidos, tanto no nivel fundamental, médio e superior - Revelação de grupos artisticos , alguns já circulando por vários lugares do Brasil e até mesmo no exterior- Trem Tan Tan, Coral São Doidão, Grupo de Teatro Sapos e Afogados - Realização de 3 Mostras de Arte Insensata na cidade de Belo horizonte, festival cultural de grande impacto na população que no ano de 2013, se estendeu para outros estados como Rio de Janeiro e Goiânia. - Promoção de uma grande manifestação no Dia Nacional da Luta Antimanicomial, dia 18 de maio, realizado há 15 anos com o desfile da escola de Samba Liberdade Ainda que Tan Tan que reune cerca de 3000 pessoas nas avenidas de BH -Promoção de parcerias com a Cultura, Meio Ambiente, Educação, para ações conjuntas -Realização de exposições e apresentações em importantes Espaços culturais da cidade como Palácio das Artes, Casa do Conde, -Realização de trabalhao integrado com demais serviços da rede de saúde: Cersams( urgência), SUP ( urgência noturna), Cersam( urgência infanto juvenil)i, Cersam AD( alccol e drogas), , Arte na Saúde, Consultório de Rua, equipes de Saúde mental nos Centros de Saúde, Equipes de atendimento á Criança, Residências Terapêuticas. - Promoção de cursos de qualificação profissional - Gravação de CDs, produção de videos, livors e revistas - Premiação feita pela Inicitativa Custura e Saúde do Ministério da Cultura em 2009 - Premiação de vários usuários e grupos artisticos oriundos dos Centros de Convivência em 2011, Loucos por Diversidade do Ministério da Saúde e da Cultura - Premiação Humaniza SUS David Campistrano- 2004 - Realização de viagens com os usuários, para lazer, manifestação politica e apresentações culturais - Realização de seminários, rodas de conversas, com temas pertinentes a Loucura e arte

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Belo Horizonte / Minas GeraisMinaslândia10/1993
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Adulto
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
02 musicos, 02 artistas plasticos, 1 artes cênicas, 1 jornalista, 1 cozinheira, 2 artesão9
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

-Aquisição/ alguel de espaço fisico que tenha espaço para oficinas com bancadas, pias, área de lazer - Aquisição de mobiliários como sofás, cadeiras, mesas, bancadas, armários, prateleiras, arquivos - Aquisição de equipamentos de cozinha: fogão, geladeira, freezer, liquidificador, liquidificador industrial, forno - Aquisição de equipamentos de som, DVD, TV, Gravador, máquina fotográfica, filmadora, - Aquisição de instrumentos musicais: teclado, violoes, flautas, instrumentos de percussão - Aquisição de equipamentos para horta - Aquisição de material de consumo como linhas, panos, tintas, telas, papeis, argila, azuleijos, generos alimenticios, dentre outros - Aquisição de material e equipamentos de limpeza - Aquisição de computadores e impressoras, telefone, internete - Aquisição de materia e equipamentos de escritório -Contratação de recursos humanos_ auxiliar administrativo, auxiliar de limpeza, porteiro, artistas, artesãos, educadores fisicos -

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Estimativa de montagem de uma unidade: R$ 150.000,00

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
secretaria municipal de saúdeinserção social de portadores de sofrimento mental
Impacto Ambiental

São realizadas oficinas de reciclagem , com aproveitamento de sucatas, fazendo trabalhos aritisticos e ou utilitários com garrafas pet, tampas de garrafas, latas, retalhos de tecidos, cacos de azuleijos, papelões, vinil, pedaços de madeiras, papeis reciclados, dentr outros materiais doados pela comunidade.

Forma de Acompanhamento

Os usuários dos Centros de Convivência frequentam em média 3 vezes por semana, sendo acompanhados com folha de frequência, consolidado mensal, busca ativa no caso de faltas, discussão de casos e supervisões com as equipes que os atendem. A avaliação da efetividade do serviço se dá por avaliação qualitativa , considerando qualidade de vida, laços sociais, retomada de atividades, circulação na cidade, autonomia, estabilidade no tratamento, dimunição de medicamentos , crises e internçõe.

Forma de Transferência

O trabalho desenvolvido nos Centros de Convivência de Saúde Mental de Belo Horizonte, são unicos no sentido de sua organização e estruturação na rede da saúde. Sendo divulgado por meio de publicações ( livros, jornais), seminários, rodas de conversa, premiações recebidas, videos produzidos, catálogos de artes plasticas, revista, realização do festival Mostra de Arte Insensata, palestras em outros estados, depoimentos dos usuários e familiares, circulação dos usuários em vários locais da cidade, apresentção de shows dos usuários e exposição de artes plásticas dos trabalhos produzidos, feiras de artesanato, dentr outros. Alguns dos exemplares que comprovam os trabalhos feitos serão enviados pelo correio

Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Apresentação Centro de ConvivênciaBaixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

" Quando eu tive minha primeira crise, 14 anos atrás, eu resisti muito ao tratamento, mas quando assumi minha condição de portadora de doença mental, passei a dar o devido valor aos remédios e aos recursos que foram colocados a minha disposição. A minha qualidade de vida melhorou e, poucas vezes, tive crises como a 1ª. No Centro de Convivência eu me identifiquei com as pessoas frequentes nas oficinas e passei a me sentir valorizada, comecei a produzir e ser reconhecida como capaz. Lá trabalhamos nossas diferenças, e vemos que nada nos diminui como pessoas e descobrimos e potencializamos nossos valores. Hoje sou casada, cuido do meu lar, tenho 2 filhas criadas,e além do Centro de Convivência estou me dedicando aos estudos de espanhol, violão e teatro" Rosilene Souza