Ecomapeamento de Microbacias Hidrográficas

certificada 2011

Instituição
Instituto Internacional de Educação do Brasil
Endereço
SCLN 211, Bloco B sala 101 - Asa Norte - Brasília/DF
E-mail
francivane@iieb.org.br
Telefone
(61) 3248-7449
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Viviane Junqueira dos Santos(61) 3248-7449viviane@iieb.org.br
Resumo da Tecnologia

O Ecomapemanto é uma tecnologia de mobilização e articulação social voltada para entender as formas de atuação de uma comunidade em relação aos usos e cuidados com os recursos hídricos. A tecnologia permite compreender e intensificar as relações institucionais numa microbacia hidrográfica.*{ods6},{ods13}*

Tema Principal

Recursos Hídricos

Tema Secundário

Meio ambiente

Problema Solucionado

Baixa capacidade de articulação institucional para o desenvolvimento de projetos e trabalhos colaborativos na temática socioambiental. O projeto visa, a partir de uma abordagem sócio-cultural-ambiental implantar meios de vida sustentáveis em comunidades que vivem às beiras de microbacias, regiões nas quais é necessário manter um monitoramento constante não apenas das condições dos recursos hídricos, mas do uso que lhes é dado pelas comunidades, com a intenção de diminuir problemas como a poluição, a degradação de matas ciliares, a perfuração indiscriminada de poços artesianos e o avanço de plantações que utilizam agrotóxicos e fertilizantes, potencialmente danosos para a água na região.

Objetivo Geral

Reconhecer a qualidade das relações de uma comunidade com seu entorno imediato, bem como a relação entre suas instituições, contribuindo de forma decisiva para a definição e o sucesso de iniciativas de conservação.

Objetivo Específico

- identificar as instituições que atuam no contexto de uma microbacia hidrográfica; - diagnosticar as práticas cotidianas dos moradores da microbacia em relação às questões socioambientais (uso do solo, água, resíduos, lazer, educação, saúde); - Fortalecer e incentivar os intercâmbios entre as iniciativas locais de conservação.

Solução Adotada

A metodologia consiste na elaboração de um diagnóstico socioambiental da microbacia, onde desde a formulação das perguntas até o processo de análise dos dados os participantes são envolvidos, inclusive na aplicação do diagnóstico a partir do trabalho voluntário dos moradores. Também são realizadas entrevistas etnográficas com os responsáveis pelas organizações locais auxiliando na identificação dos projetos, ações e iniciativas de conservação, bem como as relações sociais estabelecidas. Os resultados auxiliam a reconhecer a percepção dos atores locais sobre os temas socioambientais, bem como a forma de atuação dos atores sobre elas. O ecomapa é, essencialmente, uma tecnologia que permite a visualização de um território e suas relações, sejam elas positivas ou negativas. A tecnologia é inspirada na premissa de que “uma visão gráfica diz mais que um longo discurso”. A partir da apresentação dos resultados do ecomapeamento as organizações presentes no contexto são convidadas a desenvolverem ações colaborativas em prol da conservação de um território comum. O ecomapeamento de uma região é feito primeiramente a partir de questionários aplicados entre a população, para conhecer a situação socioeconômica e avaliar a percepção ambiental e o envolvimento da comunidade na conservação da bacia. Em seguida, outras informações relevantes são levantadas, como um mapeamento detalhado das fontes de abastecimento na área; as formas de tratamento de esgoto utilizadas; a maneira como os resíduos orgânicos são jogados nas águas e se ocorre alguma separação entre eles; uma relação da população e se frequentam a área da microbacia ou não; uma avaliação sobre a qualidade da água na área; os motivos que levam ou não a comunidade a frequentar as áreas de rios e córregos presentes na região; e qual o interesse da população em participar de um projeto de revitalização da bacia em questão.

Resultado Alcançado

- Criação de espaços de diálogo interinstitucionais permanentes (Conselho Gestor da Microbacia); - Desenvolvimento de novas iniciativas de conservação em projeto colaborativos; - Incentivo ao trabalho voluntário dos moradores das microbacias beneficiadas; - Fortalecimento da capacidade de articulação institucional de pequenas organizações para atuação em políticas públicas; - Ampliação do conhecimento das organizações locais sobre gestão dos recursos hídricos.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Brasília / Distrito FederalNúcleo Rural do Córrego Urubu - Microbacia do Córrego Urubu09/2007
Gama / Distrito FederalNúcleo Rural do Córrego Crispim - Microbacia do Córrego Crispim11/2010
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
População Ribeirinha
Quantidade: 1.000
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
antropologo1
Comunicador1
educador ambiental1
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

- Computadores - Software de avaliação estatística - Produtos de comunicação para divulgação das atividades junto aos moradores (banners, faixas, cartazes, folhetos, livreto sobre a realidade local) - Local para as reuniões, oficinas e eventos com moradores e lideranças da comunidade envolvida - Moderação eletrônica para um grupo online dos participantes da iniciativa e articulação das atividades

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Entre R$ 60.000,00 e R$ 80.000,00 variando conforme o tamanho da microbacia hidrográfica.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
WWF-Brasildoador financeiro para as ações planejadas pela comunidade
Semear Educaçãooficinas de capacitação e coordenação do diagnóstico socioambiental
Instituto Oca do SolCessão do espaço para as reuniões e eventos comunitários
Movimento Permanente de Preservação do Córrego Urubu - Salve o Urubu!mobilização comunitária e organização colaborativa das atividades do calendário ecológico da microbacia
Amigos do FuturoOficinas de capacitação no tema recursos hídricos com a Rede das Águas para monitoramento da qualidade das águas do Córrego Urubu
Impacto Ambiental

Manutenção da qualidade da água no Córrego Crispim, a partir do monitoramento mensal feito por moradores-voluntários Aumento da vegetação das matas ciliares a partir da criação de um viveiro de mudas comunitário e a realização de mutirões de plantio com os moradores, além da retirada de lixo e resíduos das áreas de uso comum.

Forma de Acompanhamento

Pelos fóruns online para articulação das ações na microbacia (ovodourubu@googlegroups.com e salveourubu@yahoogroups.com.br) Reuniões semanais de acompanhamento e gestão com o Conselho Gestor da Microbacia.

Forma de Transferência

- A adoção da tecnologia social do Ecomapeamento pelo Programa Água do WWF-Brasil - Promoção de intercâmbios de experiências entre as lideranças do Córrego Crispim e Córrego Urubu - A ampliação dos pontos de monitoramento de qualidade da água para as microbacias vizinhas ao Córrego Urubu. (Córregos Sagui, Palha, Jerivá, Taquari e Torto) - Realização de um novo projeto para recuperação de areas degradadas pelo Instituto Sálvia, ong local da Microbacia do Córrego Urubu, com apoio do HSBC.

Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Apresentação da iniciativaBaixar
Resultados do Diagnóstico socioambientalBaixar
Resultados do Diagnóstico socioambientalBaixar
Denúncia feita pelos moradores às autoridades locaisBaixar
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

Uma ecobacia é um lugar onde as pessoas buscam uma convivência harmoniosa com a natureza por meio da gestão participativa dos recursos naturais e da adoção de tecnologias que viabilizem a ocupação sustentável do solo. A fim de reverter o quadro de degradação ambiental decorrente da presença humana, a comunidade constrói coletivamente estratégias práticas para preservar e recuperar o meio natural com base numa visão sistêmica da propriedade e da microbacia como um todo. A abordagem participativa permite à comunidade identificar as principais ameaças ambientais e alcançar um acordo sobre parâmetros básicos de ocupação mediante soluções localizadas para superar problemas práticos como esgoto, lixo, erosão, recursos hídricos e flora e fauna ameaçados, assim como áreas degradadas.