Mulheres em Construção

certificada 2011

Instituição
Prefeitura Municipal de Jahu
Endereço
Rua Edgard Ferraz, 579 - Centro - Jaú/SP
E-mail
fuss@jau.sp.gov.br
Telefone
(14) 3621-6529
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Caroline de Toledo Franceschi(14) 3621-6529fuss@jau.sp.gov.br
Resumo da Tecnologia

Diante da realidade econômica e da desigualdade social, trata-se de uma estratégia que intenta amenizar estas diferenças, dando oportunidades às mulheres em condições de vulnerabilidade social a qualificação profissional para o trabalho na construção civil e a chance de construir uma moradia digna.*{ods4},{ods8},{ods11},{ods12}*

Tema Principal

Habitação

Tema Secundário

Renda

Problema Solucionado

O “Mulheres em Construção” começou com a doação de lotes urbanizados pela prefeitura municipal de Jau para as pessoas carentes do município. Os lotes já haviam sido doados anteriormente, porém, como as famílias não tiveram condições de construir suas casas eles foram devolvidos. Na época. a cidade possuía um grande número de mulheres cortadoras de cana de açúcar que, com o passar do tempo, foi em boa medida substituída por máquinas, deixando muitas mulheres desempregadas. Com o projeto as áreas foram novamente doadas para dar condições à estas mulheres de construírem suas próprias casas com ajuda de um engenheiro responsável. A casa construída é de 50m², localizada no Jardim Cila de Lúcio Bauab, um bairro com 11 mil habitantes, de difícil acesso, com construções precárias, onde o asfalto foi finalizado apenas no mês de junho de 2011. A renda média das famílias do bairro é de apenas um salário mínimo. “Satisfação em ingressar em uma profissão anteriormente destinada somente aos homens”, esta foi a denominação que tirou muitas mães de famílias dos afazeres domésticos para um salto em uma nova profissão, mostrando para todos que sabem muito mais do que apenas cozinhar.

Objetivo Geral

Contribuir com mulheres em condições vulneráveis da cidade para construir a sua própria casa com segurança, com condições que atendam suas necessidades,com formação de mão de obra feminina ora adotada, tendo em vista tratar-se de curso profissionalizante de natureza gratuita sem ônus para as alu

Objetivo Específico

- Capacitar mulheres de baixa renda para a construção civil; - Ampliar a autonomia econômica das mulheres; - Garantir a igualdade de oportunidades no mercado de trabalho, oferecendo qualificação técnica e social para difundir soluções inovadoras; - Minimizar o déficit habitacional, uma vez que as casas construídas para a aprendizagem prática das alunas serão sorteadas para as formandas, enfatizando o melhor planejamento financeiro; - Contribuir para a eliminação do preconceito e discriminação, buscando a superação da invisibilidade conferida à presença feminina no mercado de trabalho; - Disciplinar o comportamento e administrar em conjunto com todas as alunas o comprometimento de dividir os afazeres do projeto; - Possibilitar às alunas a fabricação semanal dos tijolos ecológicos a serem usados nos sábados para a construção de suas próprias casas.

Solução Adotada

Consiste na gestão de capacitação para diminuirmos o assistencialismo por meio de técnicas alternativas para construção de moradia de baixa renda, usando de forma racional os recursos, criando condições de inserção no mercado de trabalho e possibilitando geração de renda. Com a preocupação de criarmos soluções econômicas e ambientalmente eficientes, foi desenvolvida no âmbito do próprio programa uma forma de fabricar tijolos ecológicos, que são feitos com sobras de materiais de construção doados pela comunidade. Além dos tijolos ecológicos serem fabricados com sobras de materiais de construção, outra vantagem ecológica é que o processo de produção dos tijolos não necessita de fornos. Este fato gera grande economia energética e evita que muitas florestas sejam destruídas para a obtenção da lenha. Semanalmente as integrantes do projeto participam do processo de fabricação da principal matéria-prima para a realização do seu sonho de ter a casa própria: o tijolo. O processo de fabricação de tijolos é o grande responsável por baratear os custos dentro do projeto, pois eles não precisam ser assentados com massa, sendo apenas encaixados uns sobre os outros para que as paredes sejam levantadas. Segundo o coordenador do projeto, “para fazer uma casa de 50 m2 são necessários 1500 tijolos como este. A grande economia está na produção do tijolo e na montagem da casa”. Dentre as exigências para a participação no programa está o fato de que as alunas devem ter entre 18 a 45 anos e estar inscritas no programa Bolsa Família. As inscritas passarão por uma avaliação social e exame médico. O Fundo de Solidariedade e Desenvolvimento Social e Cultural (FUSS) de Jaú, em parceria com a Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social e com a Secretaria de Habitação, fornecem kits para as mulheres inscritas no projeto Mulheres em Construção. Cada kit contém calça, blusa, capacete e bota. Além do kit, as aulas recebem aulas teóricas e conhecem as ferramentas de trabalho que usarão durante a construção de uma casa. Todas as integrantes do projeto participam tanto da fabricação quanto da construção das casas, sendo acompanhadas por um mestre de obras e engenheiro da Secretaria de Habitação. Cabe lembrar que no Brasil o setor da construção civil foi o responsável por pelo menos 15% do Produto Interno Bruto (PIB). O crescimento constante deste mercado fez com que as empresas e empregadores procurassem cada vez mais por mão de obra qualificada, o que acabou inserindo as mulheres neste mercado em todo o país. As alunas receberão certificado conforme a especialidade escolhida (como pedreira, pintora, eletricista, encanadora, carpinteira e azulejista). É importante esclarecer que as alunas aprenderão o básico geral e posteriormente farão à opção da especialidade. Todavia a questão central é que além de saber operar a construção o grupo irá construir a própria casa, um diferencial de modelo sustentável de moradia.

Resultado Alcançado

Além destas casas outras oito moradias já foram sorteadas. Elas estão em fase de acabamento e serão entregues futuramente. Todas as unidades estão localizadas no Jardim Cila Bauab. O projeto possui 30 terrenos no bairro, sendo que todas as participantes do projeto "Mulheres em Construção" receberão uma casa. Além das casas para as participantes do programa serão construídas outras duas moradias, sendo uma adaptada para deficientes físicos e outra para idosos. Uma das mais importantes obras e de maior reivindicação da população do bairro Cila Bauab era o asfaltamento total da localidade. Concluída a última etapa de asfaltamento o bairro começou a se desenvolver significativamente. O projeto “Mulheres em Construção” vem contribuindo nesse sentido, constituindo-se não apenas no atendimento às mulheres, mas em todo um trabalho mais amplo e contínuo.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Jaú / São PauloJardim Cila de Lucio Bauab07/2009
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Mulheres
Quantidade: 30
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
Arquiteto com experiência em projetos habitacionais para populações de baixa renda;1
Engenheiro civil com experiência em projetos de construção/reforma de moradias de baixa renda1
Mestre de obras com experiência em projetos de construção/reforma de moradias de baixa renda1
Assistente social com experiência no atendimento domiciliar a famílias em comunidades urbanas de baixa renda;1
Gerente, com graduação em administração ou economia, experiência em gestão ambiental e, preferencialmente, com empreendimentos de economia solidária.1
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Deve-se ressaltar que cada situação é particular e a instituição interessada na implementação do projeto é quem definirá quais os equipamentos que pretende adquirir para iniciar suas atividades. A fim de exemplificar a estruturação dos investimentos apresentamos a seguir uma lista dos principais equipamentos necessários para a produção de aproximadamente 30.000 tijolos por mês, quantidade ideal para construir rapidamente. Para viabilizar essa produção o material necessário é: - Betoneira (600 L) auto carregável; - 1.200 formas para modular tijolos e lajes; - Pás, enxadas e peneiras; - Carrinho de mão; - Prensas. O investimento nesse ferramental perfaz um total aproximado de R$ 90.000,00. Salienta-se que os valores são apenas uma estimativa e dependem muito da estrutura do negócio, assim como não foram previstos os impostos e tributos, pois estes dependem do tipo de registro adotado pela empresa. Não há custo mensal de aluguel uma vez que os equipamentos podem ser deslocados para as obras.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Valores em materiais: aproximadamente R$ 100.000,00. Valores dos profissionais: cada um é único, tem seu brilho, seu valor, suas habilidades e competências e seu potencial. Todavia, diante a parceria FUSS e prefeitura municipal não temos gastos com profissionais, já que todos são voluntários do projeto.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Fundo Social(FUSS),Prefeitura Municipal,moradores da cidade e entidades privadas.Ação em conjunto visando crescimento social da comunidade através de parcerias e doações.
Secretaria da HabitaçãoDar acesso à moradia digna por meio de ações de construção e de reconstrução e melhorias nas unidades habitacionais da cidade.
Impacto Ambiental

Evitar a degradação do meio ambiente causada pela extração da matéria prima tradicional dos tijolos convencionais: esta é a essência desta tecnologia social. O aproveitamento de 100% do produto, pois o mesmo não quebra facilmente, contribui para a preservação de florestas, já que não vai ao forno de carvão para queimar e o resíduos do gás carbônico não são lançados na atmosfera com o uso da nova tecnologia. Este fato gera grande economia energética e evita que muitas florestas sejam destruíd

Forma de Acompanhamento

Diante do monitoramento, mediante constatação dos órgãos técnicos da prefeitura que atestarão que a moradia está acabada e em condição de habitabilidade, a prefeitura fica autorizada a realizar o sorteio público e a respectiva edificação às alunas participantes do projeto, transferindo a propriedade à contemplada.

Forma de Transferência

Não existe "manual de instruções" para esta tecnologia social. No entanto temos vários registros que descrevem todas as etapas de seu desenvolvimento. A presidenta do FSS da cidade de Jaú, dra. Caroline de Toledo Franceschi, esteve no 54º Congresso Estadual de Municípios, em Serra Negra – SP, para apresentar seu projeto “Mulheres em Construção”, no painel “Sonho, Ação e Realidade”. O sucesso foi grande e muito reconhecido. Mulheres de diversos bairros de Jaú estão diariamente procurando vaga no curso que levou esperança, solidariedade, sociabilidade e perspectivas com tantas novas idéias propostas como a fábrica de tijolos para incrementar ainda mais no orçamento familiar.

Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Casa entregue no dia 09-07-2011Baixar
Video 1download
Video 2download
Fotosdownload
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

Brasília, 30/01/2008: Em audiência com o ministro do trabalho e emprego, a secretária de assitência social e direitos humanos do Rio de Janeiro, sra. Benedita da Silva solicitou recursos para pôr em prática projeto que ajudará na capacitação de mulheres na área da construção civil. "Sabemos trabalhar, colocar azulejo e massa". Jaú,16/07/2009: o prefeito municipal de Jaú sanciona e promulga o projeto “Mulheres em Construção” criado pela presidenta do FUSS dra. Caroline de Toledo Franceschi, onde as próprias mulheres irão"fabricar os tijolos e construir toda a casa". Jaú,09/07/2011: antes de entrar em sua casa, a aluna e sorteada Ana Rita fez um emocionado discurso "eu conheci um projeto que ninguém acreditava. Hoje eu consegui meu lar e minha vida de volta".