Permacultura em prol da Água do Planeta: Biofossas e Circuitos de Bananeiras

certificada 2011

Instituição
Instituto Equipe de Educadores
Endereço
Rua Espírito Santo, 255 - Vila São João - Irati/PR
E-mail
institutoequipe@brturbo.com.br
Telefone
(42) 3422-5619
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Alceu Ferreira(42) 9937-6895joao_iratielaa@hotmail.com
Resumo da Tecnologia

O saneamento ecológico foi fomentado visando evitar a contaminação de fontes de água e da proliferação de doenças, além da preservação ambiental. Diversas unidades de produção ecológica receberão “Biofossas ou Fossas Vivas” e “Circuitos” para tratamento de águas negras e águas cinzas produzidas.*{ods6}*

Tema Principal

Recursos Hídricos

Problema Solucionado

A tecnologia teve como objetivo criar estruturas para fazer o tratamento das águas utilizadas na residência, possibilitando sua reutilização em canteiros e jardins. Em todas as comunidades conhecidas, havia o problema com o escoamento da água, principalmente daquela advinda de pias e banheiros. A utilização da permacultura, voltada à construção das “Fossas Vivas” e dos “Circuitos de Bananeiras”, foi uma saída encontrada para essas famílias, considerando que o saneamento é quesito básico à promoção da qualidade de vida das pessoas, sendo entendido como saúde pública. O problema principal advém das águas oriundas dos vasos sanitários, entretanto essas são muito ricas em matéria orgânica e minerais, e, se tratadas de maneira adequada, podem ser úteis e não virem a agredir o meio ambiente.

Objetivo Geral

Criar estratégias de saneamento promovendo a qualidade de vida das pessoas, a sustentabilidade e a preservação ambiental.

Objetivo Específico

-Oportunizar medidas de saneamento para as famílias que não possuíam; -Criar estruturas para o tratamento das águas utilizadas nas residências; -Promover a melhora na qualidade de vida das famílias envolvidas e a proteção do meio ambiente.

Solução Adotada

As comunidades e famílias estão diretamente envolvidas em todo o processo. Assim, a princípio, são realizadas por técnicos especializados oficinas práticas de capacitação, em que os envolvidos aprendem a construir as estruturas referentes ao saneamento, e, dessa forma, a tecnologia pode ser reaplicada e utilizada por outras famílias e/ou comunidades. A Biofossa ou Fossa Viva é responsável pelo tratamento tanto das águas negras (utilizadas na descarga dos vasos sanitários) quanto das águas cinza (advindas de pias de cozinha e banheiros, chuveiros, tanques e águas utilizadas para fins de limpeza). A estrutura divide-se em duas partes, sendo cada qual responsável pelo tratamento de um tipo de água. Fossa de águas negras: é composta por duas caixas. A primeira, chamada de decanto-digestora, armazena as águas por 24 horas; nesta caixa, o tratamento da água é feito por bactérias aeróbicas. A segunda caixa, filtro anaeróbico, é cheia de tijolos de seis furos em que se encontram fixadas as colônias de bactérias anaeróbicas e por onde passa a água a ser tratada. Fossa de águas cinza: essa parte da fossa é mais simples que a anterior; é uma caixa, com uma parede divisória que começa a 20cm do fundo. A caixa tem seu tamanho calculado e a água irá permanece ali por duas horas. Após esses processos, as águas são misturadas em uma pequena caixa na saída da fossa e passam para o Leito de Evapotranspiração e Infiltração (LETI), que são canteiros de drenagem e que farão a última filtragem da água, através de raízes das plantas e da decomposição da matéria orgânica restante. Esses canteiros são feitos com duas fileiras de tijolos de seis furos e têm profundidade máxima de 1m e um declive de 5%, além de entradas de oxigênio a cada 5m. Os circuitos de bananeiras são mais simples que as biofossas; condizem a um buraco de 1m³, com profundidade de 1m a 1.2m e com as bordas salientes, imitando formigueiros. No buraco são colocados troncos de árvores deixando apenas o espaço para receber a água a ser filtrada. As bananeiras são plantadas nas bordas e irão colaborar no processo de filtragem. Liga-se o esgoto da casa a esta estrutura e através dela obtêm-se a matéria orgânica separada da água, que poderá ser utilizada para irrigação de jardins e canteiros.

Resultado Alcançado

Os resultados alcançados conseguiram englobar a melhora na qualidade de vida das pessoas, concomitante à um trabalho realizado coletivamente, que proporcionou a organização das famílias no intuito de obter um ambiente mais limpo e seco, livre do mal cheiro em torno das casas, além de possibilitar a reutilização da água separada, visando à preservação de um bem muito precioso, a água. Mesmo que só 0,1% do esgoto doméstico seja constituído de impurezas (o restante é água), o contato com esses efluentes e a sua ingestão são responsáveis por cerca de 80% das doenças e 65% das internações. Assim, viabilizar meios condizentes à realidade econômica local é de extrema necessidade e importância.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Irati / ParanáArroio Grande, Faxinal dos Antonios, Bituva dos machados e Assentamento São Joaquim01/2009
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Agricultores Familiares
Quantidade: 1
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
O saneamento ecológico, a partir da construção de biofossas e circuitos de bananeiras é implementado em mutirão. Ao iniciar a inserção do saneamento ecológico nas comunidades são realizadas capacitações; assim o grupo poderá reaplicar a técnica. A fim de esclarecimento, uma biofossa ficará pronta em dois dias, com o trabalho de dois pedreiros.2
Pedreiros.2
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

O “Círculo de Bananeiras” é relativamente simples, fazendo-se necessário o uso de algumas ferramentas, como enxadas, cavedeiras e pás, carrinhos de mão para retirada da terra e trena. Além disso, há o uso de canos – a quantidade irá variar de acordo com a distância do círculo até a residência – sendo em média 30 metros, usa-se também troncos, mudas de plantas evaporadoras e de bananeiras que fazem parte do sistema de purificação da água, bem como sementes de adubação verde. As “Biofossas ou Fossas Vivas” são um pouco mais complexas. Irão fazer o tratamento tanto das águas negras quanto das cinzas. Para sua construção, utilizaremos os seguintes materiais: cimento, areia, tubos de PVC, tijolo, arames, cal e ferramentas (enxadas, baldes, colher de pedreiro).

Valor estimado para a implementação da tecnologia

Orçamento: R$ 1.517,20. Além dos materiais citados, há a necessidade da disponibilização de mão de obra, sendo necessários dois pedreiros trabalhando por dois dias. Assim, recebem em média R$50,00 por dia, contabilizando um valor total de R$ 200,00.

Impacto Ambiental

Os impactos ambientais foram bastante positivos, pois trata-se de uma tecnologia voltada à estruturação de sistemas de tratamento das águas produzidas nas residências, visando ao saneamento, fundamental à qualidade de vida, e à preservação do meio ambiente.

Forma de Acompanhamento

As próprias famílias ficam responsáveis pelo acompanhamento da tecnologia, verificando se há ou não a necessidade de manutenção, e se, a partir dela, obtém-se os resultados estimados, diante da preservação ambiental e da qualidade de vida das pessoas.

Forma de Transferência

A utilização de biofossas e circuitos de bananeiras iniciou-se a partir de projetos. Assim, a princípio, foram realizadas oficinas e capacitações a respeito dos sistemas, e, atualmente, os próprios membros das comunidades onde a tecnologia foi aplicada são capazes de transmitir o conhecimento e colaborar na replicação da tecnologia. Também há alguns manuais referentes ao tema (em anexo) e artigos que visam a colaborar com a disseminação do que foi aplicado. Dessa forma, outras famílias poderão alcançar os resultados.