Pingo D´água - Água para Beber e Produzir

finalista 2009

Instituição
Instituto Sertão Vivo
Endereço
Avenida 13 de junho, 543 - Centro - Quixeramobim/CE
E-mail
projetopingodagua@hotmail.com
Telefone
(88) 8802-1214
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Carlos Antônio Chaves Simão(88) 3441-0637carlossimao2005@hotmail.com
Resumo da Tecnologia

Construir, com a participação de comunidades rurais do semiárido, o desenvolvimento local sustentável através do acesso a água para consumo humano, animal e produção de alimentos, contribuindo com a redução da fome e da pobreza, gerando ocupação e renda no campo, mesmo nos períodos de estiagem.*{ods6}*

Tema Principal

Recursos Hídricos

Problema Solucionado

As secas periódicas provocam perda da produção agrícola e pecuária, ocasionando escassez de alimentos e água potável, levando a população a consumir água de péssima qualidade, desencadeando fome e doenças, gerando o flagelo e, por consequência, o êxodo rural. No Ceará, 80% do território está no semiárido. Nas duas últimas décadas teve seca a cada três anos e sua vulnerabilidade atinge mais de um milhão de pessoas, onde, 43% participam de atividades ligadas à agricultura e 92% não têm acesso a irrigação (censo 2000), prevalecendo a agricultura de sequeiro possibilitada pelas chuvas com índices pluviométricos dentro da média histórica nos considerados "anos bons", segundo estudo da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (FUNCEME). Mesmo nos “anos bons”, com chuvas acima da média, temos por ano no mínimo seis meses (julho a dezembro) sem chuvas e a população passa pelas mesmas dificuldades de acesso à água dos períodos de “seca”.

Objetivo Geral

Construir, com a participação de comunidades rurais do semiárido, o desenvolvimento local sustentável através do acesso a água para consumo humano, animal e produção de alimentos, contribuindo com a redução da fome e da pobreza, gerando ocupação e renda no campo mesmo nos períodos de estiagem.

Objetivo Específico

- Diagnosticar as potencialidades hídricas; - Construir manual de poços tubulares rasos em aluviões; - Identificar e incentivar a implementação de atividades que possam gerar ocupação e renda na comunidade, mesmo nos períodos de estiagem; - Buscar parcerias para infraestrutura; capacitações; assistência técnica e consultorias permanentes e acesso a tecnologias e crédito adequado; - Incentivar o trabalho em grupo, fortalecendo o associativismo e o cooperativismo; - Possibilitar a participação da população local, como ator principal no processo de desenvolvimento, facilitando o empoderamento de todas as etapas, resgatando a autoestima da população.

Solução Adotada

A principal solução adotada foi adequar e substituir os trados helicoidais utilizados na construção manual de poços tubulares rasos em dunas, no litoral nordestino, por trados desenvolvidos para cada camada de solo que compõe as manchas aluvionares próximas aos rios e riachos temporários do semiárido, que ficam mais de oito meses sem água em seu leito. A difusão dessa tecnologia social (poços tubulares rasos em aluviões) e seus resultados possibilitaram aplicar outras soluções inovadoras, quebrando vários paradigmas: -A construção dos poços tubulares rasos une a arte associada à técnica, em curto período de tempo, sem agredir a natureza, poluir o meio ambiente e ocupar grandes espaços; -A construção dos mesmos pode ser realizada com a participação dos beneficiados (capacitados), possibilitando a quebra de cartéis e/ou monopólios; -A metodologia de locação dos poços permite evitar o desperdício de recursos financeiros na construção de “poços secos” e poços com alto índice de salinidade, o que não ocorre na construção dos poços tradicionais. Com esta técnica, é identificada a existência ou não de água subterrânea e o índice de salinidade da água que o poço disponibilizará; -A água encontrada nestes poços possibilitou a construção de sistemas de abastecimento de água com ligações residenciais, em comunidades rurais, excluindo-as do flagelo, dos carros-pipa e da indústria da seca. Esses sistemas são administrados e mantidos pelas comunidades locais de forma autônoma; -A água destes poços possibilita mudanças radicais no processo de produção, passando da tradicional agricultura de sequeiro (possibilitada pelas chuvas) para a produção de frutas e hortaliças irrigadas com a implantação de sistemas de irrigação, com foco na agricultura familiar em pequenas áreas. Mudança também dos modelos tradicionais de agricultura irrigada de grande e médio portes para pequenas áreas; -Uso eficiente da água e energia, utilizando a irrigação através da energia solar, microaspersor e gotejamento; -Práticas ecologicamente corretas, produzindo hortaliças irrigadas protegidas em telados (modelo estufa) e aplicação do MIP – manejo integrado de pragas e doenças através de armadilhas. É feita correção do solo, rotação de culturas e evita-se a aplicação de produtos químicos; -Para ter frutas e hortaliças de qualidade, usam-se mudas, humos, compostagem e biofertilizante líquido orgânico, produzidos pelos agricultores; -As compras dos materiais de irrigação, dos telados e insumos são realizadas pela Associação de produtores, direto com distribuidores, reduzindo os investimentos; -A comercialização da produção é realizada em grupo, criando escala e fortalecendo o capital social; -Participação da população beneficiada em todas as etapas destas ações, como ator principal na construção do desenvolvimento local, empoderando-se de todos os processos. Etapas dos serviços: -Definição das áreas (municípios e ou regiões) a serem trabalhadas; -Levantamento da bibliografia geológica e hidrogeológica da área; -Fotogeologia; -Visita regional da área a ser trabalhada; -Transporte de pessoal, equipamentos e materiais; -Campanha de sondagens exploratórias e locação dos poços; -Procedimentos metodológicos na perfuração dos poços; -Coleta da amostra do solo; -Instalação do capis fêmea tipo geomecânico em PVC leve; -Instalação dos tubos filtros em PVC leve; -Instalação dos tubos lisos em PVC leve; -Instalação do pré-filtro (cascalho); -Instalação do capis macho em PVC leve; -Cimentação sanitária; -Construção da calçada de proteção; -Limpeza e desenvolvimento; -Execução de testes de aquíferos ou de vazão; -Georreferenciamento do poço; -Relatório Técnico.

Resultado Alcançado

- Passagem da "escassez" para a "abundância" de água, com vazões acima da média dos poços tradicionais da região e salinidade aceitável para o consumo e produção; - O acesso à água potável contribui para a redução de doenças e mortalidade infantil; - Os sistemas de abastecimentos de água melhoram a qualidade de vida das crianças, jovens e mulheres, evitando a perda de muitas horas por dia com o trabalho árduo de transportar água em grandes distâncias; - Os sertanejos beneficiados estão produzindo durante todo o ano, gerando ocupação e renda no campo mesmo nos períodos de estiagens (secas), evitando assim o êxodo rural; - Com os resultados, as pessoas que saíram do campo para cidade estão retornando; - Estas iniciativas motivaram a implementação de duas políticas públicas (Programa Poços do Sertão e Agente Rural) e influenciaram adequações em mais duas (Projeto São José e Programa Caminhos de Israel) do Governo do Estado do Ceará; - Constituição do Instituto Sertão Vivo, com o objetivo de difundir estas e outras práticas de desenvolvimento; - Os poços foram replicados em 92 municípios do semiárido brasileiro; - Através das ações inovadoras, dos impactos positivos, sustentabilidade, parcerias e replicabilidade, esta prática recebeu os seguintes prêmios e reconhecimentos: • Empreendedor Social Ashoka / Lemelson, ao senhor Carlos Simão, levando em consideração a geração de renda, protagonismo comunitário, associativismo e novas relações do homem do campo com o poder público - Ashoka - 2007; • Prêmio Destaque Extensão Rural – EMATER-CE 2006; • Experiência selecionada para Mostra, Água para a Vida, Água para todos: Boas Práticas em Saneamento - WWF-Brasil - 2005; • Finalista do Prêmio FINEP de Inovação Tecnológica, categoria Inovação Social - Região Nordeste – FINEP - 2005; • Voto de Louvor do Senado Federal pela participação no Best Practices and Local Leadership Programme (BLP) - Habitat/Nações Unidas - 2003; • Seleção para participação no Best Practices and Local Leadership Programme (BLP) representando o Brasil em Barcelona, Espanha – Caixa Econômica Federal - 2003/2004; • Finalista do Prêmio Caixa Melhores Práticas em Gestão Local - Caixa Econômica Federal - 2003/2004; • Prefeitura Empreendedora - SEBRAE - 2001 e 2002; • Certificado de Tecnologia Social - Fundação Banco do Brasil - 2001; • Finalista do Programa Gestão Pública e Cidadania - Fundação Getúlio Vargas, Fundação Ford e BNDES – 2001.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Quixeramobim / Cearácomunidades localizadas às margens do riacho de Forquilha, no Distrito de Manituba07/1998
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Agricultores Familiares
Assentados rurais
Trabalhadores Rurais
Quantidade: 0
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

- Caderneta de campo; - Etiquetas de identificação de solo; - Sacos plásticos (500g); - Cascalho (m3); - Capis fêmea tipo geomecânico em PVC leve; - Capis macho tipo geomecânico em PVC leve; - Tubos lisos, tipo geomecânico em PVC leve; - Tubos filtros, tipo geomecânico em PVC leve; - Tijolos; - Saco de cimento; - Tinta acal (saco de 5kg); - Combustível para medir vazão do poço.

Valor estimado para a implementação da tecnologia

.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Associação de produtores -
Associações Comunitárias Locais -
Câmara Municipal de Quixeramobim -
Ecole Nationale d´Ingénieurs des Techniques de L´Horticulture et du Paysage -
EDMIL Eletrificações Ltda -
Fundação Cearense de Apoio à Pesquisa – FUNCAP -
Governo do Estado do Ceará -
Prefeitura Municipal de Lima Campos – PMLC -
Prefeitura Municipal de Quixeramobim – PMQ -
Serviço brasileiro de apoio às micro e pequenas empresas – SEBRAE -
Universidade Estadual do Ceará – UECE -
Université François Rabelais – UFR -
Visão Mundial -
IDEAAS -
Impacto Ambiental

A construção manual de poços tubulares raros em aluviões não agride a natureza, não polui o meio ambiente e não ocupa grandes espaços. Garantimos o acesso à água, mesmo nos períodos de seca, para o consumo e a produção de alimentos. Buscamos o uso eficiente da água e da energia, utilizando irrigação através da energia solar e gotejamento. Utilizamos práticas ecologicamente corretas: MIP, compostagem, biofertilizante líquido orgânico, correção do solo e rotação de culturas.

Forma de Acompanhamento

Pessoal do Sertão Vivo e ou de parceiros (capacitados) realiza visitas periódicas, de acordo com a necessidade, para a realização de relatórios para cada etapa do trabalho: locação, construção, qualidade de água, famílias beneficiadas, entre outros. No relatório final serão anexados os dados iniciais do projeto, juntamente com uma avaliação final do impacto gerado nas comunidades beneficiadas. No mesmo devem constar também registros fotográficos e memoriais descritivos.

Forma de Transferência

A equipe técnica do Sertão Vivo, já construiu mais de 500 poços no município de Quixeramobim-CE e realizou capacitações de agentesmultiplicadores na construção manual de poços tubulares rasos para: -130 técnicos de 100 municípios mais susceptíveis à seca do Ceará, através do Programa Poços do Sertão do Governo do Estado. Nossa equipe técnica participou também da coordenação do programa que resultou na construção de 2.530 poços em 86 municípios; - 80 agricultores familiares / coordenamos a construção de 42 poços nos municípios de: Apodi-RN, Itinga-MG e Ouriucurí-PE, através da parcerias com a Visão Mundial; Diante de nossa vivência, afirmamos que é perfeitamente possível realizar a transferência dessa tecnologia social em escala, através da construção de uma rede de parcerias e alianças.

Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

Levando em consideração os resultados encontrados e que, em todo o município, por menor que seja, existe pelo menos um rio ou riacho, podemos afirmar que é perfeitamente possível difundir estas práticas em quase todos os municípios do Nordeste e Sudeste (norte de Minas Gerais e Espírito Santo), pois existem poucas variações litológicas. É possível reaplicar também nos municípios na região norte e do sul do Brasil, atingidos pelas estiagens prolongadas. Estivemos, no início de 2010, no campo de refugiados em Kakuma, distrito de Turkana, no Quênia, e as características da região são similares às nossas. Afirmamos que é perfeitamente possível replicar nos países do continente africano.